UOL Esporte Natação
 
29/07/2009 - 13h44

Felipe França quebra jejum e, com prata, conquista 2ª medalha do Brasil em Roma

Bruno Doro
Em Roma (Itália)
Ele chegou como favorito a Roma. Ameaçou sucumbir à pressão na semifinal. Mas se recuperou e, na final dos 50m peito, o ex-recordista mundial Felipe França quebrou um jejum. A medalha de prata que conquistou nesta quarta-feira é a primeira do Brasil nas piscinas desde 1994, quando Gustavo Borges foi bronze nos 100m livre e liderou o revezamento 4x100m livre ao terceiro lugar.

CBDA/Divulgação
Felipe França teve um feito histórico, já que a última medalha brasileira foi em 1994
CBDA/Divulgação
Felipe França ao lado do algoz sul-africano
Alessandra Di Meo/EFE
Sul-africano Cameron van der Burgh mais uma vez foi o melhor e quebrou o recorde
PAULISTA SENTIU PRESSÃO POR OURO
CONFIRA AS IMAGENS DO MUNDIAL
COMENTE O FEITO DE F. FRANÇA
CÉSAR CIELO SE POUPA E VAI À FINAL
PHELPS SE RECUPERA; KAIO EM 4º
LEIA MAIS NA PÁGINA DO MUNDIAL
O sul-africano Cameron van der Burgh comprovou seu bom momento. Após bater o recorde na semifinal, voltou a quebrar a marca e cravou 26s67. Felipe fez a melhor marca de sua vida, com 26s76, abaixo de seu próprio recorde, com que chegou ao Mundial. O outro brasileiro, João Júnior, finalizou os 50 m em sétimo, empatado com 27s31 ao esloveno Emil Tahirovic.

O desempenho de Felipe até a final não impressionou. Nas eliminatórias, nadou apenas o necessário. Na semifinal, bateu o recorde do campeonato e ficou perto de seu próprio recorde mundial. Na bateria seguinte, o sul-africano Cameron van der Burgh bateu sua marca e virou o mais rápido da história. Bravo, bateu o pé, saiu sem dar entrevista. Ao dar um abraço em seu técnico, Arílson Soares, quase chorou.

"Desde maio sabíamos que teríamos de nadar mais rápido do que no Maria Lenk. Hoje, ele fez exatamente isso", comemorou o treinador. "Não é porque é prata que não é uma vitória, foi uma grande conquista."

O trabalho de Arílson foi complicado até a decisão e a medalha. "A parte mais difícil foi controlar o Felipe para a semifinal. Não chegar à final é que seria uma derrota. Tive de ser duro com ele, mas hoje percebi que o clima estava mais ameno. Ontem foi duro, mas hoje ele estava mais acostumado. Ele está aprendendo a entrar em campeonato para disputar e não só para participar", completou.

Toda a preparação do nadador para a competição foi baseada nisso. Felipe disputa pela primeira vez um Mundial. E, pela primeira vez, chegou a um torneio como favorito. Entre o Troféu Maria Lenk, em que fez os seus 26s89, e o Mundial de Roma, não foi o primeiro colocado em nenhuma das duas competições que fez no exterior.

O Brasil já havia conquistado uma medalha no Mundial, quando Poliana Okimoto chegou na terceira colocação nadando em mar aberto. Ela ficou com o bronze nos 5 km. Nas piscinas, Gabriella Silva foi quinta nos 100 m borboleta, a melhor posição da natação feminina do país na história.

Revolução do peito

O bom desempenho de França no Mundial chega para coroar a revolução que o nado peito viveu no país. Nas piscinas do Pinheiros, clube da zona sul de São Paulo, o técnico Arílson Soares formou uma geração de nadadores que usou ao máximo as inovações que o japonês Kosuke Kitajima e seu técnico, Norimasa Hirai, introduziram na especialidade.

"É um jeito diferente de se nadar. Você introduz uma pernada a mais e, para isso, precisa mudar todo o estilo", conta Ari. "São vários anos de trabalho. Eu comecei cedo com o Felipe, ele é um dos primeiros com quem eu passei a usar isso. E o resultado final só veio agora", completa.

Segundo o treinador, o trabalho envolveu quatro anos de preparação. Nos primeiros 18 meses, só a pernada foi trabalhada, para adaptar o movimento. Depois, mais um ano e meio para coordenar a braçada necessária para ajustar à perna. Após três anos, ainda foi necessário mais um para que os dois movimentos fossem sincronizados. Só então entrou a última fase, o trabalho de força específico para o movimento. "Os nadadores tiveram de aprender a nadar novamente", conta Arílson.

Compartilhe:

    Placar UOL no iPhone

    Hospedagem: UOL Host