UOL Olimpíadas
BUSCA




RECEBA O BOLETIM
UOL ESPORTE
 
 


Carina Hata/UOL

Demorou, mas temos um
sucessor no salto triplo
Nelson Prudêncio
Em São Carlos (SP)

A Olimpíada é o sonho de todo atleta. Tive a felicidade de ganhar uma medalha logo na primeira participação, em 1968, com uma prata e um recorde mundial de salto triplo (17m27), que na época era do lendário Adhemar Ferreira da Silva.

Naquele tempo, treinava só às quartas e domingos. Não contava com a tecnologia que existe hoje em dia, mas não faria comparações, afinal, cada um tem o que há de melhor para sua época.

Agora é a vez de Jadel Gregório. Ele é o sucessor da dinastia dos triplistas brasileiros. Demorou tanto tempo, desde João do Pulo, para termos um atleta de nível tão alto e em condições de enfrentar os melhores do mundo.

Sou presidente da comissão de atletas na CBAt (Confederação Brasileira de Atletismo), e, graças a essa função, acompanho de perto os saltos do Jadel. E vejo nele um potencial excepcional.

Em Atenas, ele terá que enfrentar uma coincidência de tantos talentos reunidos nesta competição. Não vejo algo assim já faz algum tempo. Ele tem tentado não se colocar como favorito, para diminuir a pressão. É um atleta que vem melhorando seus resultados paulatinamente e sabe exatamente do que é capaz.

Jadel está cotado para ser campeão, mas isso não garante o ouro. Ser favorito não assegura um lugar no pódio. O ponto a favor dele é o fato de já ter saltado mais de 17 m nas eliminatórias, o que alivia um pouco a pressão para as finais.

Muitas vezes o atleta não se adapta à pista, ao piso, e isso acaba prejudicando muito o seu desempenho, algo que felizmente não aconteceu com o Jadel. Só isso já o credencia a disputar o pódio.

Além do brasileiro, os favoritos são Christian Olsson, da Suécia, Yoandri Betanzos, de Cuba, Phillips Idowu, da Grã-Bretanha, e Kenta Bell, dos EUA.

O que vai pesar muito na decisão da prova, também, é o estado psicológico de cada atleta, como eles vão controlar a ansiedade, como vão dormir, acordar, e tudo acaba influenciando o resultado de um prova de tão alto nível.

Para os atletas que estão lá, a medalha é uma conseqüência de tudo o que foi feito até as Olimpíadas. Em 1968, no México, eu esperava saltar 16m56 que já estava feliz, mas acabei levando a prata. E ainda fui bronze em 1972, em Munique. Depois João do Pulo foi bronze em Moscou-1980. Quem sabe a história não se repete, mas com tons dourados, como com Adhemar?

Coluna publicada em 21/08/2004


Nelson Prudêncio
Prata nos Jogos de 1968, e bronze em 1972 no salto triplo, Nelson Prudêncio é hoje presidente da comissão de atletas da Confederação Brasileira de Atletismo


OUTRAS COLUNAS
 
29/08/2004
Rodrigo Bertolloto
28/08/2004
Vicente Toledo Jr.
27/08/2004
William Carvalho
26/08/2004
Daniel Tozzi
25/08/2004
Rodrigo Bertolotto
24/08/2004
Wlamir Marques
23/08/2004
Adriana Samuel
22/08/2004
Georgette Vidor
21/08/2004
Nelson Prudêncio
Rodrigo Bertolotto


Todas as colunas