UOL Olimpíadas
BUSCA




RECEBA O BOLETIM
UOL ESPORTE
 


Arquivo Folha
Inauguração do primeiro velódromo do Brasil, em São Paulo, em 1895

O ciclismo chegou ao Brasil no final do século 19 e as provas mais importantes eram disputadas no Velódromo do Clube Atlético Paulistano, inaugurado em 1895, em São Paulo, onde hoje fica a Rua da Consolação. Nas ruas da cidade também eram disputadas grandes provas, entre elas a tradicional 9 de Julho, desde 1933. O primeiro Campeonato Brasileiro foi disputado na cidade de Porto Alegre em 1938.

A Federação Paulista de Ciclismo foi fundada em 1925. A partir de 1930, outros velódromos surgiram, entre eles o Clube Brasil, o Ciclo Clube Ardanuy e o Bom Retiro.

Os ciclistas brasileiros só começaram a ganhar projeção internacional na década de 50. Cláudio Rosa, em 1952, venceu o torneio Ciclístico Internacional, em Assunção, no Paraguai. Em 1954, Rosa voltou a se destacar com a conquista do Campeonato Americano de Resistência. Anésio Argenton foi outro ciclista brasileiro que ganhou fama no Campeonato Americano: faturou as provas de velocidade e de quilômetro contra o relógio. Além disso, Argenton foi ainda o único ciclista brasileiro a conquistar uma medalha de ouro nos Jogos Pan-Americanos, em Chicago, em 1959.

O desempenho brasileiro sempre foi discreto nos Jogos Olímpicos. A primeira participação só aconteceu em Berlim-1936, com Dertônio Ferrer e Ricardo Magnani Netto. Em 1956, Argenton obteve a nona colocação na prova de velocidade. Em Roma-1960, melhoraria sua participação com uma quinta posição na mesma prova, melhor colocação brasileira na história. Ainda na Itália, Argenton ficou com a sexta colocação na prova de 1.000 metros contra o relógio.

Após longa ausência, o Brasil voltou a participar nas Olimpíadas de Munique-1972, na prova de estrada, com Luís Carlos Flores e Miguel Duarte. Depois de ficar fora de Montreal-1976, os ciclistas brasileiros aproveitaram os boicotes das nações que dominavam o esporte para ir aos Jogos de Moscou-1980 e Los Angeles-1984. No entanto, as classificações continuaram ruins.

Em Seul-1988, o Brasil ficou em último lugar na prova de perseguição por equipes. Na mesma Olimpíada, Cássio de Paiva foi o 20º colocado na prova de estrada. Ele foi também um dos poucos ciclistas brasileiros a ganharem uma prova do circuito europeu, a Volta de Portugal. Barcelona-1992 e Atlanta-1996 seguiram a mesma linha dos outros Jogos, reservando aos brasileiros um lugar de pouco destaque no cenário mundial.

Em Sydney-2000, os ciclistas brasileiros estiveram presentes nas provas de estrada (masculino e feminino) e mountain bike. Nenhum deles terminou entre os 40 primeiros colocados. No masculino, Murilo Fischer terminou na 89ª colocação da prova de estrada e Renato Seabra, único representante brasileiro no mountain bike, teve problemas com a sua bicicleta e não conseguiu terminar a prova de em Sydney. As ciclistas Cláudia Carceroni e Janildes Fernandes terminaram na 44ª e 49ª colocações, respectivamente, na prova de estrada.

Em Atenas-2004, o Brasil garantiu cinco vagas. Nas provas de estrada, classificaram-se Luciano Pagliarini, Murilo Fischer e Marcio May (equipe masculina) e Janildes Fernandes Silva (na equipe feminina). Já no mountain bike, Jaqueline Mourão conquistou a vaga ao ficar em oitavo lugar no Campeonato Mundial, disputado em agosto de 2003, no Canadá.



  TV UOL Olimpíadas
Veja entrevista com Edvando Cruz, ciclista que se classificou por último
  Quadro da modalidade
  País Total
  1º AUS 6 2 2 10
  2º RUS 2 2 1 5
  3º GBR 2 1 1 4
 20º BRA 0 0 0 0

 Resultados
O Esporte
 Regras

 Glossário

Competição
 Resultados

 Locais de competição
Brasil
 Histórico

 Estrela

 Brasileiros



História
 Modalidade

 Curiosidades

 Destaques

 Quadro de medalhas

 Medalhas por prova