UOL Olimpíadas
BUSCA




RECEBA O BOLETIM
UOL ESPORTE
 

 
24/08/2004 - 09h18
Erros e protestos sobre notas mancham a ginástica em Atenas

Das agências internacionais
Em Atenas (Grécia)

Quatro anos depois de ver sua campeã geral ser pega no antidoping, a ginástica artística volta a viver um momento ruim em Olimpíadas. Já afastados da polêmica de doping, dessa vez o esporte ocupou as manchetes com erros de pontuação e medalhas que só devem ser decididas no tapetão.

Reuters 
Alexei Nemov pede calma ao público, que não se conformou com sua nota
Nesta terça-feira, o programa do esporte terminou em Atenas com a exibição de gala dos campeões. Nos bastidores, porém, as disputas continuam. O resultado de pelo menos quatro provas está sendo contestado.

Na segunda-feira, após as finais da prova de barra fixa, o russo Alexei Nemov foi aplaudido pelo público, mas por decisão dos juízes, ele ficou só com o quinto lugar. Os torcedores, então, começaram a vaiar o resultado e só pararam depois de dez minutos, quando o próprio Nemov subiu ao pódio para pedir silêncio.

Um juiz canadense que atuou nas finais por aparelhos afirmou que deu notas maiores porque foi pressionado pelo público. Segundo Chris Grabowecky, a platéia estava "fora de controle" e uma autoridade lhe pediu "que fizesse alguma coisa" para resolver a questão.

"É difícil descrever a pressão sob a qual estávamos. Eram 13 mil pessoas gritando e as pessoas que comandam o evento pedindo que a gente fizesse alguma coisa", disse o juiz, que é ex-ginasta e exerce esta função desde 1993.

O pedido para melhorar a nota de Nemov -que buscava sua primeira medalha em Atenas e a 13ª de sua carreira- teria partido de Adrian Stoica, o coordenador oficial do evento. "Eu percebi que Stoica fez um sinal com a mão, me chamando. Ele me deu um olhar enfático e eu imediatamente fiz a correção", narrou o canadense, que aumentou a nota de Nemov de 9,725 para 9,762.

Mais confusão
No domingo, o grego Dimosthenis Tampakos levou o ouro nas argolas, mas a Bulgária contesta o resultado. A FIG rejeitou nesta terça-feira um pedido de revisão das notas do campeão mundial Jordan Jovtchev.

Por regras da entidade, um atleta não pode pedir revisão das notas de outro competidor. E é justamente a nota de Tampakos que gerou os protestos. Segundo os búlgaros, a nota foi alta demais para a rotina apresentada pelo grego, primeiro atleta do país-anfitrião a conquistar o ouro nas argolas.

No sábado, foi a vez de outro membro da delegação russa reclamar. Ginasta mais vitoriosa que estava participando dos Jogos, Svetlana Khorkina ficou com a medalha de prata na final individual geral, atrás da norte-americana Carly Patterson. A um jornal russo, ela disse que "antes mesmo de competir na primeira prova, já sabia que não iria ganhar a medalha de ouro".

AFP 
Khorkina lamenta segundo lugar na final
O caso mais grave, porém, aconteceu na sexta-feira. A Coréia do Sul reclama que a medalha de ouro no individual geral, dada ao norte-americano Paul Hamm, deveria ter sido dada a Yang Tae-young, que ficou com o bronze. Os juízes erraram a nota de partida do sul-coreano e por isso ele ficou com uma nota inferior.

A FIG suspendeu três juízes, mas não mudou o resultado. Os sul-coreanos anunciaram que vão apelar à Corte de Arbitragem Esportiva (CAS), que está fazendo audiências em Atenas durante os Jogos. O CAS, porém, ainda não recebeu os protestos. Os Estados Unidos avisaram que concordariam com uma eventual divisão da medalha de ouro, mas FIG e Coréia do Sul ainda não deram parecer sobre a idéia.

Perseguição russa
A Rússia, aproveitando a comoção causada pelas duas derrotas, está elaborando um protesto-monstro contra a FIG. O plano é mandar uma carta diretamente ao COI (Comitê Olímpico Internacional), reclamando, além das decisões sobre Khorkina e Nemov, de outras notas dadas a seus ginastas.

"A reação do público no caso de Nemov mostra que estamos certos com nossos protestos", disse Gennady Shvets, porta-voz do Comitê Olímpico Russo.

Khorkina, que não deve mais disputar as Olimpíadas, pediu alterações nas regras. "Eu fiz praticamente tudo certo e simplesmente me deixaram de lado. Acho que o esporte tem de sofre várias mudanças", disse a ginasta, que antes dos Jogos afirmou que quer trabalhar na FIG quando parar de competir.

Essa não é a primeira vez que a Rússia protesta contra juízes. Nos Jogos de Inverno de Salt Lake City, em 2002, o Comitê Olímpico ameaçou abandonar as competições após erros de juízes contra atletas gregos. As reclamações envolviam juízes de patinação artística, hóquei no gelo e esqui cross country.



Leia também

Veja também


22/11/2004
10h36 - WADA tem orçamento acrescido em US$ 1,47 milhão

19/11/2004
20h13 - Brasileiro fica em 25º no Mundial de luge e soma ponto para Turim

18/11/2004
13h22 - Polícia faz diligência em empresa responsável por Turim-2006

12/11/2004
19h31 - COB anuncia indicados ao Melhor Atleta do Ano

10h20 - Jogos de Atenas custaram mais de 9 bilhões de euros à Grécia

05/11/2004
08h59 - Chineses adotam data "da sorte" para abertura dos Jogos de 2008

04/11/2004
14h38 - Presidente de comitê dos Jogos de Turim vai pedir demissão

13h51 - Putin recebe no Kremlin 182 medalhistas russos em Atenas 2004

09h06 - Barcelona ajudará candidatura de Madri às Olimpíadas de 2012

02/11/2004
10h09 - Governo dará a Paris 2,5 bilhões de euros para campanha olímpica

Mais notícias