UOL Olimpíadas
BUSCA




RECEBA O BOLETIM
UOL ESPORTE
 

 
26/08/2004 - 15h45
Brasil toma virada da Rússia e deixa escapar a chance de ir à final

Da Redação
Em São Paulo

Numa partida em que teve nas mãos a chance de chegar pela primeira vez a uma final feminina no vôlei, o Brasil foi derrotado pela Rússia, de virada, e manteve a "síndrome das semifinais" em Olimpíadas.

COB 
A mais acionada, revelação Mari acabou dando ponto da vitória à Rússia
Nas três edições anteriores, a seleção foi eliminada nas semifinais. Em Atlanta-1996 e Sydney-2000 obteve o bronze -seu melhor resultado até hoje.

Prata em Sydney, as russas venceram nesta quinta-feira por 3 sets a 2, com parciais de de 18-25, 21-25, 25-22, 28-26 e 16-14. O Brasil venceu os dois primeiros sets. Teve seis chances de fechar o jogo na quarta parcial, mas, instável, desperdiçou todas e permitiu que a Rússia levasse a partida ao quinto set.

A seleção também teve oportunidade de vencer o tie-break e não conseguiu aproveitá-la. Coube a Mari -a grande revelação da seleção de José Roberto Guimarães e maior pontuadora da partida- dar o ponto da vitória às russas, num ataque para fora.

"É difícil explicar o inexplicável", disse o técnico em entrevista à ESPN-Brasil. "Nós tivemos todas as chances, o passe na mão, três atacantes na rede... A gente não conseguiu fazer o ponto que mais precisou no jogo. Mas vamos lá, a vida segue."

Agora as brasileiras disputarão o bronze contra uma de suas maiores rivais, Cuba, que nesta quinta viu o sonho do tetracampeonato olímpico se desmanchar com a derrota para a China.

Há um ano sob o comando de Zé Roberto, ouro em Barcelona-1992 com a seleção masculina, o Brasil foi o único a chegar invicto à fase eliminatória. Era considerado um dos favoritos ao título porque, um mês antes das Olimpíadas, conquistou o Grand Prix.

Até então o time de Zé Roberto só havia sofrido duas derrotas, uma para a China, na Copa do Mundo 2003, e outra para Cuba, no torneio de finalistas do Grand Prix 2004.

O último jogo entre brasileiras e russas foi há um ano, na fase preliminar do Grand Prix, quando o Brasil perdeu por 3 a 2. Em Atenas, enquanto as brasileiras estavam invictas, as russas tiveram duas derrotas na fase preliminar, para China e Cuba.

O jogo
No início do primeiro set, dois erros de saque do Brasil -com Érika e com Valeskinha- deixaram a Rússia em vantagem (4 a 2). No ponto de bloqueio de Walewska e no contra-ataque de Érika, o Brasil virou o jogo (10 a 8). Instável, a Rússia passou a errar mais. O Brasil aumentou a distância no placar (18-13) e administrou a vantagem. No bloqueio em Gamova, a atleta mais alta do torneio (2 m) fechou o set em 25-18.

EFE 
Depois de revés, russas comemoram passagem para decisão do ouro
No segundo set, a Rússia mudou a estratégia e preferiu atacar pelo meio. Também melhorou na defesa e dificilmente um ataque brasileiro caía direto na quadra adversária. Elas chegaram a abrir seis pontos de vantagem (15 a 9).

Quando Waleswka foi para o saque, o placar apontava 21-17. Ela fez um ace e, na seqüência, a seleção "parou" a Rússia e fez oito pontos seguidos para fechar o set em 25-21. Mari foi a mais acionada e não decepcionou.

Ela mesma abriu o placar no terceiro set. Nesta parcial, a seleção passou a desperdiçar mais ataques. Foi assim que, de um empate em 21 a 21, as russas saíram em vantagem na reta final da parcial. O Brasil tentou buscar, mas as européias mantiveram a vantagem e venceram o set em 25-22.

A quarta parcial também foi equilibrada. O Brasil obteve vantagem na reta final, num contra-ataque de Sassá e um bloqueio de Valeskinha (17 a 15). A liderança foi mantida até que a equipe chegou ao match point em 24 a 19. O Brasil tinha cinco oportunidades de fechar o jogo e perdeu todas -duas delas em ataques para fora de Mari.

Mais eficiente no ataque, a Rússia buscou o empate, obtido com bloqueio sobre Virna. As duas seleções trocaram oportunidades de fechar o set e, num ponto polêmico, com uma ataque russo no fundo da quadra do Brasil validado pelo árbitro, as russas fecharam em 28-26.

No tie-break, o Brasil começou melhor e chegou a abrir três pontos de vantagem. A Rússia tirou dois, mas, com dois contra-ataques concluídos por Mari, a seleção retomou a folga. (12 a 9).

Outra vez mostrando instabilidade na reta final, o Brasil cometeu novo erro -uma invasão de Mari. A Rússia encostou e depois buscou o empate no contra-ataque (13 a 13).

Ambas as equipes se revezaram na liderança do placar. O Brasil teve uma chance de liquidar a partida, mas não soube aproveitar. Por sua vez, Gamova pegou Virna no bloqueio, deu o match point à Rússia e, na seqüência, num ataque para fora de Mari, as européias conquistaram a vitória.

Esta é a segunda final olímpica consecutiva para a Rússia. Em 2000, a equipe perdeu para Cuba, por 3 a 2. Na decisão do bronze, o Brasil venceu os EUA por 3 a 0.

Veja também

Veja também




22/11/2004
10h36 - WADA tem orçamento acrescido em US$ 1,47 milhão

19/11/2004
20h13 - Brasileiro fica em 25º no Mundial de luge e soma ponto para Turim

18/11/2004
13h22 - Polícia faz diligência em empresa responsável por Turim-2006

12/11/2004
19h31 - COB anuncia indicados ao Melhor Atleta do Ano

10h20 - Jogos de Atenas custaram mais de 9 bilhões de euros à Grécia

05/11/2004
08h59 - Chineses adotam data "da sorte" para abertura dos Jogos de 2008

04/11/2004
14h38 - Presidente de comitê dos Jogos de Turim vai pedir demissão

13h51 - Putin recebe no Kremlin 182 medalhistas russos em Atenas 2004

09h06 - Barcelona ajudará candidatura de Madri às Olimpíadas de 2012

02/11/2004
10h09 - Governo dará a Paris 2,5 bilhões de euros para campanha olímpica

Mais notícias