Obsessão em 20 atos

Nos 20 anos do título do Palmeiras na Libertadores, o UOL Esporte relembra histórias da campanha

Diego Salgado, Leandro Miranda e Vanderlei Lima Do UOL, em São Paulo

Libertadores virou sinônimo de obsessão para o Palmeiras ao longo das últimas décadas. Há exatos 20 anos, entretanto, o torcedor alviverde conseguiu aliviar tal sentimento ao comemorar o posto de melhor time da América do Sul, após uma campanha marcada por emoções à flor da pele.

A final da competição continental não deixa dúvidas quanto a isso. O duelo com o Deportivo Cali, da Colômbia, tornou-se uma espécie de síntese de todas as outras 13 partidas da campanha vitoriosa.

O palmeirense se viu numa montanha-russa naquele 16 de junho de 1999, com direito a placar inalterado durante o primeiro tempo, etapa final repleta de reviravoltas e decisão de pênaltis vencida de virada, quando tudo parecia perdido. O Deportivo Cali, que vencera o primeiro jogo, estava enfim superado.

Ao fim de tudo isso, a emoção incontida estampada no rosto dos jogadores se multiplicou pelo antigo estádio alviverde. O Palmeiras, que já havia superado Vasco, Corinthians e River Plate nos duelos de mata-mata, entrava para o seleto rol de campeões da Libertadores.

Da ascensão meteórica - e imprescindível - do goleiro Marcos ao sofrimento dos torcedores, o UOL Esporte conta a partir de agora 20 histórias sobre o título que pôs fim à sede de levantar o troféu mais cobiçado da América do Sul e fez a obsessão ser esquecida por um tempo.

Antônio Gaudério/Folhapress Antônio Gaudério/Folhapress

#1 Chiclete com Banana virou amuleto

"O Júnior [Baiano] não fazia nem gol contra, agora já fez sete, oito. Amanhã [a camisa] vai estar por baixo, com certeza."

A frase é de Luiz Felipe Scolari. E foi proferida na véspera da partida contra o Vasco em São Januário, válida pela volta das oitavas da final. O técnico estava frente a frente com Bel Marques, vocalista do Chiclete com Banana. A banda fazia sucesso entre os jogadores palmeirenses, especialmente os baianos Júnior Baiano e Júnior - e serviu como amuleto.

Primeiro com o zagueiro, que passou a jogar com uma camisa do Chiclete por baixo do uniforme. Coincidência ou não, ele desandou a marcar gols na primeira fase da Libertadores. A visita dos cantores ao CT do clube fez até Felipão se render ao carisma deles.

Na ocasião, o Palmeiras tinha um desafio imenso pela frente, porque o primeiro jogo diante do Vasco terminara 1 a 1 no Palestra Itália. Era preciso vencer no Rio para ir adiante na competição, e o time carioca, então campeão continental, defendia uma longa invencibilidade em casa.

Devidamente vestido com a camisa do Chiclete, como prometido, Felipão fez a festa depois de uma vitória por 4 a 2. Triunfo esse que é considerado por muitos jogadores como um divisor de águas rumo à conquista da Libertadores.

Jorge Araújo/Folhapress Jorge Araújo/Folhapress

#2 Maratona de jogos

Foi preciso ter fôlego - e elenco - para aguentar o calendário do futebol brasileiro naquele ano. Do primeiro jogo da temporada, disputado no dia 24 de janeiro, até a final contra o Deportivo Cali, em junho, o time disputou 49 partidas - em média, um duelo a cada três dias. Na semana da decisão da Libertadores, o Palmeiras enfrentou o Botafogo em plena sexta-feira, dois dias antes da primeira final do Paulistão, diante do Corinthians.

Arquivo/Folha Imagem Arquivo/Folha Imagem

#3 Tríplice coroa ficou perto

Mesmo com tantos desafios pela frente em um curto espaço de tempo, o Palmeiras foi avançando de forma heroica nas competições. Para ir às semifinais da Copa do Brasil, o time obteve uma incrível virada contra o Flamengo, com gols nos últimos minutos. A equipe alcançou as finais da Libertadores e do Paulistão, mas parou no Botafogo na Copa do Brasil. Ao fim de tudo, assegurou o título continental - no Estadual, ficou com o vice.

Pênalti já é tenso, um momento muito difícil. Bati o último contra o Corinthians. Virou uma pressão muito maior, porque também perdemos o jogo. Foi a maior pressão que passei na carreira. Na final estava tão confiante que pedi para bater primeiro. Bati forte, mas a bola subiu e pegou na trave. Depois foi um terror de esperar as outras cobranças para ver se o adversário perdia alguma cobrança"

Zinho, ex-meia

Nós empatamos com o Olimpia e ficou aquela coisa de precisar vencer o Cerro na última. Passamos, mas em segundo, para pegar o Vasco. Tivemos de ganhar em São Januário. Quando conseguimos um respiro contra o Corinthians, perdemos na volta. Depois conseguimos virar contra River e Cali. Era um time de resiliência enorme, que a todo momento provava que tinha condições"

Alex, ex-meia

Minha vontade era correr e me jogar na torcida. Talvez tenha sido a melhor defesa que não fiz da minha vida. Eu não tinha experiência nenhuma, eu era o terceiro goleiro do Palmeiras no começo da competição. Esperei muito tempo no banco de reservas. Eu não tinha muita experiência. Ter ficado para os pênaltis foi uma pressão muito grande. Nosso time mereceu por tudo que passou na competição"

Marcos, ex-goleiro

Antônio Gaudério/Folhapress Antônio Gaudério/Folhapress

#4 Primeira final com clima tenso

Engana-se quem pensa que as preocupações do Palmeiras eram só com o futebol. O clube teve de conviver com um problema grave na chegada à Colômbia, antes da primeira final da Libertadores. Cali, cidade do Deportivo, sofria com a violência na década de 1990. O estopim foi um sequestro ocorrido no fim de semana anterior à partida.

Guerrilheiros do Exército de Libertação Nacional (ELN) invadiram uma missa à época e renderam mais de 100 pessoas. No dia do jogo, mais de 40 ainda estavam sob o poder dos sequestradores. Por isso, os cidadãos de Cali estavam abalados.

Por isso, a cidade montara um esquema especial para receber a final da Libertadores. Mais de 3.000 policiais foram às ruas. Nas portas dos hotéis das delegações, havia agentes com armas à mostra. Apesar disso, mais de 35 mil pessoas compareceram ao Estádio Pascual Guerrero para apoiar o Deportivo. Deu certo. O time venceu por 1 a 0 e obrigou o Palmeiras a vencer em São Paulo para ser campeão.

Folhapress Folhapress

#5 Bicho gordo

O título inédito da Libertadores rendeu a cada jogador do elenco um prêmio de R$ 55 mil - ou R$ 189 mil, em valores atuais corrigidos pela inflação -, segundo reportagem da época do jornal Folha de S. Paulo. Questionados sobre o bicho recebido há 20 anos, jogadores e o presidente Mustafá Contursi não souberam precisar a quantia, mas confirmaram que o dinheiro foi pago sem atrasos.

Nelson Almeida/LANCE! Nelson Almeida/LANCE!

#6 Contratos no fim

O Palmeiras jogou a final da Libertadores com cinco jogadores importantes incertos de seu futuro: Rogério, Galeano, Roque Júnior, Evair e Velloso estavam com o contrato perto do fim e chegaram a se preocupar com a possibilidade de não jogarem o Mundial Interclubes no fim do ano. Até Felipão estava na mesma situação. No fim, todos renovaram, menos Velloso, que foi para o Atlético-MG.

Evelson de Freitas/Folhapress Evelson de Freitas/Folhapress

#7 Trauma dos pênaltis

Para superar o Deportivo Cali nos pênaltis, o Palmeiras precisou superar um trauma: havia sido eliminado nas penalidades na semi da Copa do Brasil apenas cinco dias antes, diante do Botafogo. Arce chutou na trave, e Rogério (que converteu na Libertadores) parou em defesa do goleiro Wagner. Já Zinho (que perdeu na final) e Roque Júnior fizeram. Marcos não pegou nenhum pênalti.

O goleiro estudou nossos pênaltis. Como eu fui o último a bater, fiquei observando. Até botar a bola na marca eu fiquei na dúvida se eu insistia no que eu treinei ou se mudava. Eu acabei levando até o último segundo. Olhei e vi que ele saiu no canto que eu ia bater. Então virei o pé. A bola entrou no cantinho"

Euller, ex-atacante

Eu fiquei no meio-campo ajoelhado, mas eu estava ligado, com aquele pensamento positivo. Começamos perdendo com o Zinho, mas nós acreditávamos nos nossos jogadores e na qualidade que tinha o Marcos. As coisas foram fluindo naturalmente e na última cobrança, com a torcida apoiando, foi para fora"

Oséas, ex-atacante

Naquela época já tinha as estatísticas do jogo. Sempre tinha o tipo de jogadas, as bolas paradas, faltas, escanteios e os pênaltis do próximo adversário. Nós queríamos vencer, conquistar o titulo no tempo normal. Não queríamos pênaltis, mas acabou acontecendo e nós conseguimos estudar os batedores"

Carlos Pracidelli, preparador de goleiros

Eduardo Knapp/Folhapress

#8 Bastidores no VHS

O plano era audacioso: dois produtores de TV - e torcedores do Palmeiras - pensaram em registrar os bastidores da campanha. E juntar as imagens numa fita VHS, num documentário a ser vendido em bancas de jornais. Para isso, Luiz Fernando Santoro e Flávio Tirico pediram autorização à diretoria e ao elenco, incluindo o técnico Luiz Felipe Scolari. Além disso, arriscaram tudo, porque o investimento, segundo o acordo, teria de ser da dupla. O clube não poria um centavo no projeto.

"Decidimos fazer uma semana antes da viagem para o Paraguai [no segundo jogo da campanha]. Falamos com todos e compramos as passagens. Bancamos hotéis caríssimos, Investimos o dinheiro e arriscamos", contou Santoro, 20 anos depois, em entrevista ao UOL Esporte.

Se o Palmeiras perdesse, todo o trabalho iria por água abaixo, pois ninguém compraria uma fita com bastidores de um time vice-campeão. Por quase quatro meses, com direito a viagens a Assunção, Rio de Janeiro, Buenos Aires e Cali, os produtores se tornaram uma espécie de integrantes da comissão técnica, com livre acesso aos vestiários.

"Ficou combinado com o Felipão e uma comissão de jogadores, que tinha César Sampaio, Zinho e Velloso, que seria uma coisa positiva. Combinamos com o Felipão: a hora que ele olhasse, era para sair. O que é do vestiário ficaria ali. Mas não chegou a acontecer isso. Quando o Tirico sentia que não era legal, ele desligava a câmera", contou Santoro, que é professor do departamento de jornalismo da ECA (Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo).

Ao fim da campanha vitoriosa, depois de muito sofrimento - a dupla assistiu aos pênaltis contra o Deportivo Cali do vestiário -, o projeto deu certo. Segundo Santoro, os 80 mil dólares investidos foram recuperados. Cada fita custava R$ 20, e cerca de 20 mil cópias foram vendidas. A dupla repassou uma parte da quantia ao Palmeiras, presenteou os jogadores com o trabalho, pagou pela distribuição e lucrou o restante.

"Não tivemos prejuízos, recuperamos tudo e até tivemos pequeno lucro. Como negócio não foi tão bom, mas como posicionamento foi ótimo", afirmou Santoro, que ganhou uma camisa usada pelo volante Rogério das mãos do roupeiro Chiquinho, depois do título, ainda no vestiário do Palestra Itália.

Os bastidores da campanha

Alex Ribeiro/Folhapress Alex Ribeiro/Folhapress

#9 Torcedor morreu do coração

Nem tudo foi festa no dia da decisão do título. O nervosismo tomou conta de muitos torcedores presentes ao Palestra Itália. Um deles não resistiu a um ataque cardíaco sofrido ainda no primeiro tempo, quando o placar apontava 0 a 0. O taxista Wagner Espósito, de 42 anos, chegou a ser levado a Hospital do Coração, mas morreu no local.

Matuiti Mayezo/Folhapress Matuiti Mayezo/Folhapress

#10 Tentativa de invasão

A final ainda teve outros incidentes. Minutos antes de a bola rolar, cerca dois mil torcedores tentaram invadir o Palestra Itália, que recebeu 32 mil pessoas naquela noite. A Polícia Militar só conseguiu dispersar a multidão depois de três tentativas. Para isso, foi preciso lançar bombas de gás lacrimogêneo. Ninguém foi preso, e 30 agentes ficaram feridos.

Daniel Garcia/AFP Daniel Garcia/AFP

#11 Juiz da final virou "Roubaldo" em 2001

Quem apitou a finalíssima no Palestra Itália foi um árbitro que, dois anos depois, viraria "persona non grata" para qualquer palmeirense: Ubaldo Aquino. A atuação do paraguaio na partida decisiva de 1999 não foi marcante e terminou sem polêmicas. No jogo de ida da semifinal da Libertadores de 2001 contra o Boca Juniors, porém, ele ficou eternizado como "Roubaldo" Aquino para os palestrinos.

Naquele jogo na Bombonera, que terminou empatado por 2 a 2, Aquino assinalou um pênalti inexistente de Alexandre em Barijho e ainda deixou de marcar uma penalidade clara do goleiro Córdoba em cima de Fernando. Na volta, no Palestra Itália, houve empate pelo mesmo placar, e o Boca passou nos pênaltis.

"Foi roubado", disse ao UOL Esporte o ex-zagueiro Alexandre. "O árbitro foi muito descarado, porque teve um pênalti que eu cometi e que não foi nada. Eu girei no ar e trombei com o atacante, e no final do jogo, quando estava 2 a 2, um pênalti claríssimo no Fernando (não marcado). Aquilo foi um absurdo".

Eu fiquei no vestiário com o Chiquinho [roupeiro]. Logo depois saiu o pênalti, o Evair bateu e fez. Mas foi muito sofrimento porque parecia que ia ser mais tranquilo. Cada pênalti era um sofrimento diferente"

Arce, ex-lateral

Tínhamos um projeto que foi iniciado em 1997. A gente montou um grupo e foi acrescentando. Fizemos com que se pensasse naquela Libertadores. Conseguimos chegar em condições de ser campeão"

Felipão, técnico do Palmeiras

Toda a trajetória foi muito bem executada pelos profissionais que estavam lá na ocasião. Os nossos parceiros também contribuíram muito, foi uma soma de fatos. As coisas sofridas têm maior valor, mas aquele dia eu sofri muito"

Mustafá Contursi, ex-presidente

Joel Silva/Folhapress Joel Silva/Folhapress

#12 Time passou apuros na primeira fase

O Palmeiras começou a campanha com o pé direito. Mais precisamente com o pé direito de Arce, que fez um gol de falta e deu a vitória contra o Corinthians. Depois de fazer 5 a 2 no Cerro Porteño no Paraguai, o time alviverde teve três tropeços que quase o complicaram. Fora de casa, perdeu para o Olimpia, que arrancou um empate por 1 a 1 no Palestra. Em novo clássico contra o Corinthians, mais um revés. Na última rodada, era preciso empatar com o Cerro Porteño para avançar sem depender de outros resultados. Um 2 a 1 de virada garantiu a vaga nas oitavas.

Jorge Araújo/Folhapress Jorge Araújo/Folhapress

#13 Oswaldo torceu para o Palmeiras

A temporada 1999 foi marcada por duelos épicos entre Palmeiras e Corinthians. Os times se encontraram na primeira fase e na final do Paulista, além das quartas de final da Libertadores - o time alviverde eliminou o arquirrival nos pênaltis. Nem mesmo isso fez o técnico corintiano Oswaldo de Oliveira torcer contra os palmeirenses. Na semana da final da competição continental, o comandante alvinegro não pensou duas vezes. "Quero a grandeza do futebol brasileiro. Na quarta, vou torcer para eles, que estão representando dignamente nosso país", disse o treinador.

Marie Hippenmeyer/AFP Marie Hippenmeyer/AFP

#14 Preparação na churrascaria

O Deportivo Cali vivia dias especiais na reta final da Libertadores de 1999. Finalista da competição depois de 21 anos, os colombianos não se importaram com a exposição na véspera da decisão e deram as caras em vários locais públicos da cidade de São Paulo. O elenco almoçou numa churrascaria e até fez compras no Shopping Ibirapuera, com alguns familiares. Com isso, não escaparam da interação com torcedores. Os corintianos pediram autógrafos e não deixaram de apoiá-los. Os treinos da equipe de Cali, por sua vez, aconteceram no Clube Sírio, zona sul da capital.

Marie Hippenmeyer/AFP Marie Hippenmeyer/AFP

#15 Cadê os cobradores, Felipão?

Luiz Felipe Scolari surpreendeu até alguns jogadores do Palmeiras com suas substituições na final. Com a partida correndo risco de ir para os pênaltis, o treinador sacou alguns dos principais cobradores do time, como o meia Alex e o lateral Arce. Para piorar, o atacante Evair, famoso pela frieza na marca da cal, foi expulso.

"Primeiramente eu tomei um susto", disse o ex-centroavante Oséas ao UOL Esporte. "Poxa, tirar o nosso Alex? O Arce, que cruza? Mas também a gente sabia da qualidade de quem entrasse. O Felipão é inteligente e deu resultado".

No fim, o único palmeirense a perder sua cobrança foi justamente um dos melhores batedores, Zinho, logo no primeiro chute. Mas Júnior Baiano, Roque Júnior, Rogério e Euller marcaram e garantiram o título ao Verdão.

Moacyr Lopes Junior/Folhapress Moacyr Lopes Junior/Folhapress

#16 Mustafá desdenhou de falta de ingressos

O presidente palmeirense escolheu o Palestra Itália como palco da final e fez pouco caso dos milhares de torcedores que passaram horas nas filas e saíram sem ingresso. "Estou mais preocupado com os 3.700 torcedores que nos apoiaram contra a Inter de Limeira", disse, referindo-se à final do Paulista de 1986. "Esse (que ficou sem ingresso na Libertadores) provavelmente não foi a nenhum jogo do Palmeiras e só queria entrar agora".

KEINY ANDRADE/FOLHAPRESS KEINY ANDRADE/FOLHAPRESS

#17 "Sem paciência" para diplomacia

Os dirigentes do Palmeiras recusaram um jantar de recepção antes do primeiro jogo da final, que era praxe entre as delegações. Apesar de a cúpula do Deportivo Cali ter ido até o hotel alviverde para fazer o convite, o presidente Mustafá Contursi disse que estava com "coisas pessoais para resolver", enquanto outros membros da delegação, como Sebastião Lapolla e Paulo Angioni, alegaram cansaço e até falta de paciência.

O Vasco era o campeão da libertadores, tinha também um timaço. O primeiro jogo em casa a gente empatou por 1 a 1 no antigo Palestra, e a decisão foi para São Januário. Nós tivemos uma partida brilhante. O jogo contra o Vasco foi fundamental para que a gente desse a sequência para chegar à decisão"

Rogério, ex-volante e lateral

Eu joguei bastante no Paulista e na Copa do Brasil. Cheguei a jogar muito, só que realmente o nosso foco principal era a Libertadores. O Palmeiras estava seguindo com muito afinco, com muita determinação e por isso que conquistou. Foi importante ter um elenco vasto, um elenco competitivo naquele momento"

Sérgio, ex-goleiro

Ormuzd Alves/Folhapress Ormuzd Alves/Folhapress

#18 São Marcos estreou com derrota

A Libertadores de 1999 ficou marcada para Marcos como o campeonato no qual o goleiro passou de reserva de Velloso a "santo" e ídolo dos palmeirenses, especialmente por suas atuações gigantescas contra o Corinthians. Mas curiosamente, o camisa 12 estreou na campanha do título justamente com uma derrota para o arquirrival.

Foi na quinta rodada da fase de grupos, após lesão de Velloso, que Marcos fez sua estreia. No Morumbi, o Palmeiras perdeu por 2 a 1 do Corinthians, com gols de Marcelinho e Fernando Baiano - Paulo Nunes fez o gol do Verdão. A redenção do goleiro, claro, viria nos dois duelos das quartas de final, quando seus "milagres" foram decisivos para eliminar a equipe alvinegra.

Getty Images Getty Images

#19 Vaga no Mundial da Fifa ficou com o Vasco

O Mundial da Fifa de 2000 estava definindo seus participantes quando Palmeiras e Deportivo Cali se preparavam para a final da Libertadores. Em vez de esperar, a Conmebol decidiu, dois dias antes do duelo, que o Vasco, campeão de 1998, seria o representante. O Palmeiras foi o maior prejudicado, mas o presidente Mustafá Contursi não brigou pela vaga e aceitou a promessa de jogar o Mundial de 2001, que nunca aconteceu.

Juca Varella/Folhapress Juca Varella/Folhapress

#20 Palmeiras teve de jogar fase de grupos em 2000

Até 1999, o campeão da Libertadores entrava direto na fase de mata-mata - foi o caso do Vasco naquele ano, eliminado pelo Palmeiras nas oitavas de final. Mas a partir da edição seguinte, a regra mudou, e o Verdão foi obrigado a disputar a fase de grupos na Libertadores de 2000. Foi o início de mais uma campanha histórica do alviverde no torneio. O time chegou até a final, mas acabou perdendo o título nos pênaltis para o Boca Juniors.

Curtiu? Compartilhe.

Topo