Topo

Esporte


Ele tem esclerose múltipla, terminou um Ironman e virou filme no Netflix

Reprodução
Arroyo também já completou 5 'Meio Ironman' e 4 maratonas Imagem: Reprodução

Do UOL, em São Paulo

2017-04-22T04:00:00

22/04/2017 04h00

Ramón Arroyo tinha 32 anos quando foi diagnosticado com esclerose múltipla e ouviu de um médico que em pouco tempo não poderia correr nem 200 metros. Mas o executivo espanhol que não fazia esportes ignorou tal estimativa. Mais que isso, ignorou a maioria das barreiras típicas de sua doença. Com um Ironman e quatro maratonas no currículo, ele virou filme e uma bandeira sobre a esclerose.

Foi em outubro de 2013 que Arroyo superou qualquer previsão sobre seu estado de saúde. Ao completar os 3,8 km de natação, 180 km de ciclismo e 42 km de corrida e terminar uma edição do Ironman, ele mostrou um lado da esclerose múltipla que muitas vezes é esquecido ou até ignorado.

“Achei que precisava mostrar que existe um outro lado da esclerose fora da cadeira de rodas. Claro que esse lado pior existe, mas também é fato que até 70% dos pacientes não têm essas dificuldades tão grandes”, contou Arroyo ao El Mundo.

O caminho para isso, no entanto, não foi simples. Arroyo levou quase dez anos do diagnóstico, passando pelo início de depressão e pelas primeiras corridas até se tornar um maratonista (já fez 4 maratonas) e um triatleta (tem ainda 5 ‘meio Ironman’ e 8 provas olímpicas de triatlo).

Ele conta que ficou alguns anos sem ter novas crises da doença, mas que elas voltaram nos últimos dois anos, quando o remédio que usava parou de fazer efeito. “Ter essa doença é como estar na beira do abismo, dar quatro voltas e retornar à beirada”, resumiu.

O fato é que a trajetória impressionante desse espanhol no esporte e na vida virou o filme “100 Metros”, disponível no Netflix desde 2016, mesmo ano em que Arroyo lançou um livro, “Desistir não é uma opção” (em tradução livre). “Desistir, na verdade, é uma opção, mas não leva a nenhum lugar bom”, opina Arroyo.

O espanhol acompanhou de perto a produção do filme que conta sua história e participou de seu lançamento na Espanha. Ele agora tenta usar a projeção que conquistou para ajudar novas pessoas que recebem o diagnóstico da doença, mostrando que há muitos caminhos para conviver com a enfermidade.

“Todos temos algum tipo de esclerose múltipla, já que todos vamos morrer. Então o importante é aproveitar a vida, mas não da boca para fora, mas sim sabendo desfrutar de cada instante”, recomenda Arroyo, cuja história não só renderia um bom filme, como hoje faz sucesso mundo afora.

Mais Esporte