Topo

Esporte


Ex-presidente do COI, Juan Antonio Samaranch morre aos 89 anos

EFE
Na cidade em que morreu, Samaranch carrega a tocha dos Jogos de Barcelona-1992 Imagem: EFE

Das agências internacionais

Em Barcelona (ESP)*

21/04/2010 08h45

Pouco depois de os médicos espanhóis afirmarem que Juan Antonio Samaranch estava em estado irreversível, foi confirmada a morte do presidente de honra do Comitê Olímpico Internacional (COI). O dirigente, que estava com 89 anos, morreu em um hospital de Barcelona, onde estava internado desde domingo.

ATUAL PRESIDENTE LAMENTA

Eu não consigo achar palavras para expressar o sofrimento da família olímpica. Estou profundamente triste com a morte de um homem que construiu os Jogos Olímpicos da era moderna, um homem que me inspirou e cujo conhecimento sobre esporte era realmente excepcional

JACQUES ROGGE, presidente do COI

Segundo a agência de notícias EFE, o diretor médico do Hospital Quirón, Rafael Esteban Mur, confirmou que Samaranch não resistiu a um problema de insuficiência cardíaca, o que motivou sua entrada no hospital.

Ele ingressou no hospital no domingo, caminhando. Segundo os médicos, seu estado nesta quarta-feira já era crítico a ponto de ficar impossível dar um prognóstico favorável.

Juan Antonio Samaranch foi considerado um dos dirigentes mais importantes para o Comitê Olímpico Internacional. O espanhol assumiu a entidade em um período em que ela sofria com crises financeiras e boicotes devido aos enfrentamentos da Guerra Fria.

Desde então, ele conseguiu aumentar a popularidade dos Jogos Olímpicos, transformando o evento em um dos mais poderosos do mundo e explorando seu lado comercial, além de conseguir contar com a volta dos países então comunistas à competição. Por outro lado, conviveu com a explosão do doping e em seu mandato enfrentou crise com a eleição de Salt Lake City para sede dos Jogos de Inverno de 2002, em que surgiu a acusação de compra de votos.

  • EFE

    Samaranch foi internado no domingo e não resistiu às consequências de uma insuficiência cardíaca

Samaranch, de 89 anos, foi presidente do COI entre 1980 e 2001, e sofreu uma patologia cardiovascular em dezembro de 2007, ocasião em que ficou internado em uma clínica em Madri. Em setembro de 2009, o dirigente também passou algumas horas internado, desta vez em Mônaco, por causa de problema respiratório.

Em outubro de 2009, Samaranch fez parte da delegação que apresentou ao COI a candidatura de Madri para sediar os Jogos Olímpicos de 2016, sendo o principal cabo eleitoral da capital espanhola. Mas a cidade acabou derrotada pelo Rio de Janeiro na final.

“Mesmo com tudo o que fez durante sua vida, ele se foi sem poder ver uma edição dos Jogos Olímpicos em Madri”, lamentou Feliciano Mayoral, ex-secretário geral do COI. “Samaranch foi um um homem excepcional para o esporte espanhol, que sempre deverá a ele.”

Um dos trunfos do espanhol foi levar as Olimpíadas à sua primeira e até hoje única edição na Espanha, em Barcelona, no ano de 1992.

ESPORTE E POLÍTICA

Samaranch, nascido em 1920, começou a trabalhar em atividades empresariais e em 1956 passou a integrar o Comitê Olímpico Espanhol, depois de ter sido jogador, técnico e dirigente de hóquei sobre patins. Foi chefe de delegação da Espanha em três Jogos Olímpicos.

Sua entrada na política foi durante o governo ditatorial de Francisco Franco. No que é considerado até hoje um movimento estratégico importante, ele foi enviado para a Rússia como embaixador da Espanha na União Soviética na década de 1970, já depois da morte de Franco.

Morando em Moscou a partir de 1977, ele esteve na cidade no tempo em que se aproximava a realização das Olimpíadas de 1980, realizadas no país, e também no pleito para novo presidente do COI, na capital, em que acabou eleito para seu mandato de 21 anos. Com seu sonho atingido de comandar o Comitê Olímpico, deixou o cargo de embaixador para se dedicar só ao cargo de dirigente esportivo.

*Atualizada às 10h54

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte