Esporte

Brasileira do polo que trocou de país era "flertada" pela Itália há meses

Divulgação
Imagem: Divulgação

Fábio Aleixo

Do UOL, em São Paulo

15/03/2017 04h00

Revelação do polo aquático do Brasil e segunda melhor atleta do mundo em 2015, Izabella Chiappini decidiu na semana passada que a partir de agora defenderá a seleção italiana, abrindo mão da equipe nacional. A decisão é recente, mas o namoro era antigo. Os contatos da Federação Italiana de Natação com a jovem de 21 anos foram realizados antes mesmo da Olimpíada do Rio de Janeiro, em agosto.

A primeira aproximação foi em junho, durante a Superfinal da Liga Mundial, na China. "A comissão técnica italiana contatou o meu pai (o assistente técnico da seleção feminina Roberto Chiappini) e quando souberam que eu tinha passaporte italiano perguntaram quais eram os meus objetivos ao final dos Jogos Olímpicos no Rio-2016. Mostraram muito interesse que eu mudasse de nacionalidade", afirmou Izabella ao UOL Esporte.

Após os Jogos, ela amadureceu a ideia e o primeiro passo foi se mudar para a Itália. Foi defender o Messina em um dos campeonatos mais fortes do mundo e está se destacando. Já foi chamada para dois training camps como convidada, mas só depois do dia 19 de agosto - quando se completa um ano de sua última partida pela seleção brasileira - poderá defender oficialmente a sua nova pátria.

Izabella diz que foram vários os motivos para optar pela mudança e abandonar a seleção brasileira, mas a falta de apoio à modalidade no país acabou sendo determinante. "Infelizmente o esporte feminino no Brasil ainda tem muitas dificuldades em todos os aspectos", disse.

Responsável pela seleção, a Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA) esteve ciente da aproximação italiana desde o começo e não impôs nenhum tipo de barreira para a sua principal joia deixar o país.

Ricardo Cabral, coordenador de seleções, inclusive mostrou certa resignação e reconheceu que não teria como manter Izabella defendendo o Brasil.

"Izabella sempre foi uma jogadora diferenciada, acima da média e sabíamos que a qualquer hora ia aparecer um convite. Já era claro que essa ida dela para a Itália iria acontecer e demos força. Não pode pensar duas vezes. O foco dela é o polo aquático e tem que estar na Europa, onde estão as grandes potências. O polo aquático é difícil no Brasil. Não temos nada para oferecer, infelizmente. Os investimentos diminuíram bastante depois da Olimpíada", afirmou ao UOL Esporte.

Em relação ao ano passado, a CBDA perdeu apoio do Bradesco e da Sadia. Apenas os Correios seguiram, mas com uma redução drástica da verba. A queda no orçamento foi quase de 75%.

Apesar disso e de um exemplo como o de Izabella, Cabral diz não acreditar em uma debandada de mais jogadoras.

A troca de nacionalidade no polo aquático é algo muito comum. A seleção brasileira masculina, por exemplo, contou na Olimpíada com seis atletas nascidos fora do país, sendo que dois: o sérvio Slobodan Soro e o croata Josip Vrlic trocaram de nacionalidade exclusivamente para os Jogos e receberam salário da CBDA.

 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte

Topo