Esporte

Como laboratório de R$ 13 mi é uma das armas do COB para Tóquio-2020

Divulgação/COB
Atleta passa por avaliação em laboratório do COB Imagem: Divulgação/COB

Leo Burlá

Do UOL, no Rio de Janeiro

10/06/2017 04h00

Ao passo que a maioria das arenas olímpicas segue sem destino certo, o Parque Aquático Maria Lenk ganhou um incremento no questionável legado deixado pelos Jogos Olímpicos Rio-2016.

Com um investimento de R$13.014.925,50 do Ministério da Ciência e Tecnologia, o Laboratório Olímpico, espaço de 1.700 metros quadrados gerenciado pelo Comitê Olímpico do Brasil (COB) é uma das armas da entidade para os Jogos Olímpicos de Tóquio. Com a diminuição dos recursos destinados ao esporte e a fuga dos patrocinadores, a interpretação das informações geradas por diferentes áreas do conhecimento pode ser o diferencial na hora da competição.

"Tenho uma percepção pessoal que meta fácil não é meta. Ela é mentirosa, falsa e engana. A meta do Rio era difícil, mas tem de subir a corda.  Chegaremos em Tóquio-2020 buscando uma evolução, mas não vamos estabelecer uma meta nos primeiros dois anos, não vamos falar em que posição vamos tentar ficar. Isso faria voltar a discussão puramente para se avaliar o desempenho pela colocação no quadro de medalhas (com 19, o Brasil terminou na 13ª colocação). Temos mapeado os atletas com perfil para estarem em Tóquio e já identificamos as modalidades onde entendemos que a performance é possível. Abrimos um leque de uns 25 esportes que entendemos que podemos ter bom desempenho", disse Jorge Bichara, gerente geral de alto rendimento do COB.

A idéia central é que o laboratório forneça dados que facilitem a tomada de decisões dos técnicos, que vão ter em mãos uma grande munição de dados que podem ajudar na elaboração do programa de treinos e calendário de competições. Os 20 profissionais dividem-se em áreas como bioquímica, fisiologia, biomecânica e preparação mental.

De posse destes dados, a entidade tem a seguinte preocupação: como os treinadores vão fazer uso disso? Para que os números não sejam desperdiçados, Bichara afirma que haverá capacitação e acompanhamento durante as visitas para análises laboratoriais dos atletas.

"Os treinadores têm de entender como a ciência pode ajudar. Vamos abrir workshops e reuniões para decodificar algumas coisas para comissões técnicas e atletas", completou Jacqueline Godoy, supervisora de alto rendimento do COB.

O custo anual do Laboratório Olímpico gira entre R$ 1,8 milhão e R$ 2 milhões. Equipes de atletismo, vôlei de praia, ginástica artística e judô já têm se beneficiado das novas tecnologias, mas todas as outras confederações podem utilizar as instalações.


 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Esporte

Topo