Topo

Mayra Aguiar aposta em livros de autoajuda para viver "melhor fase no judô"

Mayra Aguiar, ouro nos Jogos Pan-Americanos de Lima - LUIS ACOSTA/AFP
Mayra Aguiar, ouro nos Jogos Pan-Americanos de Lima Imagem: LUIS ACOSTA/AFP

Karla Torralba

Do UOL, em Lima (Peru)

12/08/2019 04h00

Mayra Aguiar estava plena ao sair do tatame com a medalha de ouro do Pan de Lima garantida. Mas o estado de espírito da judoca bicampeã mundial, medalhista olímpica e agora campeã pan-americana está além do local. Em 2019 a judoca aprendeu a "curtir" o momento para não se sentir mal quando os resultados não vêm. E como ela fez isso? Lendo.

A judoca surgiu no cenário do judô nacional com a prata no Pan do Rio de Janeiro, em 2007, quando dois homens se destacavam no esporte. João Derly e Tiago Camilo ganharam o título mundial em 2007 e Mayra era comparada. Hoje, madura e com currículo comparado ao deles, relaxa um pouco mais.

"O caminho sempre vai ser difícil. A pressão de fora é sempre grande, mas eu estou mais leve. Estou me dando o direito de curtir. Atleta sofre demais. Só eu sei o quanto de choro, de sofrimento. Cadê o ouro? Cadê não sei o quê? Gente que nunca me viu falando, brigando. As pessoas me fortaleceram e hoje eu estou podendo curtir e relaxar. É a maturidade. Uma hora chega", comentou Mayra.

Mayra tem uma estratégia mais íntima hoje em dia para "desligar e curtir". "Eu tenho lido uns livros meio loucos, de coach, autoajuda e isso mostrou a viver o caminho. Eu estive parada ano passado [por lesão] e fiquei pensando o que lembro disso tudo. São medalhas? É estar com as pessoas, dar o sangue, adrenalina e muito disso me fazia mal. Parecia que estava muito nervosa. Parecia que estava nervosa. Vamos lembrar como algo bom. Vive do presente que independente do que acontecer vai ser feliz. Eu tento dar o meu máximo e curtir", explicou.

"Eu estou numa vibe muito assim. Eu tenho objetivos e gana, mas estou muito feliz com tudo que conquistei que isso me deixa tranquila para conquistar mais. Cada competição e luta, é lucro. Eu estou no momento mais feliz da minha carreira, estou curtindo mais. Eu quero sempre a medalha de ouro, mas curtir e sair satisfeita. Eu sou muito chata, eu odeio perder. Eu sempre quis ganhar, não importa se era mais forte, se era homem", ressaltou.

Com a medalha de ouro na bagagem, Mayra Aguiar embarca para o Mundial de judô logo depois do Pan, no Japão. "Já vai mostrar a adrenalina e pressão que serão os Jogos Olímpicos. Eu estou bastante empolgada. Se der tudo certo e conseguir lutar uma competição dessa eu serei muito muito feliz. Poder lutar no meu país e depois poder ter a chance de lutar no Japão, o país do meu esporte, vai ser especial, tem um gosto especial por ser lá. A medalha se constrói no caminho e amanhã já trabalharei para poder montar essa medalha".