Esporte

Infantino minimiza acordo Ásia-África para eleição na Fifa

26/01/2016 21h22

Asunción, 26 Jan 2016 (AFP) - O candidato oficial da Uefa para a eleição presidencial da Fifa, o suíço Gianni Infantino, minimizou nesta terça-feira a importância do acordo entre as Confederações da Ásia (AFC) e da África (CAF) costurado pelo seu principal rival, o xeque Salman.

O acordo em questão é uma convenção de cooperação, que pode ser interpretada como uma aliança colocar Salman à frente da Fifa, no dia 26 de fevereiro, em Zurique.

Se ambas as confederações votarem em bloco, o xeque tem condições de garantir praticamente a metade dos votos, com os 46 da AFC e os 54 da CAF, sendo que o presidente é eleito pelas 209 federações membros da Fifa.

"Houve um acordo entre a Confederação asiática e a Confederação africana, mas a Uefa também assinou esse tipo de acordo com ambas, há dois anos. Acho que os acordos de cooperação e a campanha presidencial são duas coisas totalmente diferentes", afirmou Infantino à AFP, durante o congresso que elegeu o novo presidente da Conmebol, Alejandro Dominguez, em Assunção.

Dominguez não divulgou oficialmente o nome do candidato apoiado pela Confederação sul-americana, mas garantiu que o candidato votará em bloco.

Nos bastidores, porém, tudo indica que a Conmebol apoiará Infantino. "A Conmebol apoiará Infantino. Entre a Uefa e a Conmebol existe um vínculo muito forte, histórico, uma cooperação de longa data", antecipou em dezembro Wilmar Valdéz, então presidente interino da entidade, em entrevista à AFP.

Infantino saudou a eleição do novo presidente, que, segundo ele, pode ajudar a Conmebol a deixar para trás os escândalos de corrupção que abalaram a entidade.

"O primeiro passo foi feito hoje, com a eleição de Alejandro Dominguez. A impressão que eu tive aqui, em Assunção, é que todo mundo quer virar a página. O futebol sul-americano é sinônimo de paixão, e precisamos devolver esse sentimento", opinou o suíço.

A Fifa confirmou nesta terça-feira os cinco candidatos à sucessão de Joseph Blatter.

Além de Infantino e Salman, também concorrem ao cargo o príncipe Ali bin al Hussein, da Jordânia, que levou Blatter ao segundo turno na última eleição, o sul-africano Tokyo Sexwale, ex-companheiro de cela de Nelson Mandela e Jérôme Champagne, que já foi secretário-geral adjunto da Fifa.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte

Topo