Esporte

Infantino é eleito com missão de 'resgatar o respeito da Fifa'

26/02/2016 17h57

Zurique, Suíça, 26 Fev 2016 (AFP) - O suíço Gianni Infantino foi eleito presidente da Fifa, nesta sexta-feira, em Zurique, sucedendo ao controverso Joseph Blatter, que estava à frente da entidade desde 1998, com a dura missão de resgatar a confiança de uma entidade abalada por escândalos de corrupção sem precedentes nos últimos meses.

"Vamos resgatar o respeito e a imagem da Fifa, temos que ter orgulho da Fifa. Orgulho do que faremos juntos", sentenciou o dirigente de 45 anos, que se tornou o nono presidente da história da entidade.

Infantino foi eleito no segundo turno, obtendo a maioria simples com 115 votos de 207 possíveis, contra 88 do principal rival, o xeque bareinita Salman ben Ibrahim al Khalifa, presidente da Confederação Asiática (AFC).

Salman era visto como uma séria ameaça às ambições de Infantino, por contar com o apoio oficial da AFC e da Confederação Africana, mas não conseguiu se tornar o primeiro presidente asiático da Fifa.

Infantino, por sua vez, contou com apoio da Europa e da América do Sul, inclusive o Brasil, sendo que todas as federações da Conmebol já haviam adiantado que pretendiam votar em bloco.

O Príncipe jordaniano Ali, que tinha levado Blatter ao segundo turno na última eleição, em maio do ano passado, ficou com apenas quatro votos, e o francês Jérôme Champagne não obteve nenhum.

O sul-africano Tokyo Sexwale, ex-companheiro de cela de Nelson Mandela, se retirou da disputa antes mesmo do primeiro turno, e se colocou "à disposição do futuro presidente".

O segundo turno foi necessário porque nenhum candidato conseguiu os dois terços dos 207 votos das federações nacionais que participaram do pleito. Infantino teve 88, Salman 27, Ali 27 e Champagne 7.

De 'Plano B' a presidenteAntes de ser alçado ao mais alto cargo do futebol mundial, o suíço era secretário-geral da Uefa, e braço-direito do presidente dessa entidade, Michel Platini.

O ex-craque francês era considerado o grande favorito da eleição, até ser suspenso pela comissão de ética da Fifa, por conta de um pagamento suspeito de 1,8 milhões de euros de Blatter.

Infantino surgiu como um 'Plano B' depois da desistência de Platini, mas vai passar agora a ser conhecido pelo público não apenas por ser o simpático carequinha dos sorteios da Liga dos Campeões.

"Faltam palavras para manifestar minhas emoções. Já disse que comecei uma viagem, uma viagem extraordinária que me permitiu encontrar muita gente extraordinária, que ama o futebol, respira o futebol. Muita gente que merece que a Fifa seja uma instituição respeitável", afirmou, visivelmente emocionado.

"Quero ser o presidente de todos vocês, de todas as 209 federações nacionais. Percorri o mundo e quero continuar fazendo isso. Quero trabalhar como todos vocês, para reconstruir uma nova era na Fifa, para que o futebol volte ao centro do cenário", enfatizou.

- Transparência e boa governança -Antes da votação começar, o congresso extraordinário desta sexta-feira teve outra pauta importante: a aprovação de reformas para tentar colocar a organização de volta nos trilhos.

Estas reformas buscam essencialmente melhorar a governança, com uma limitação a 12 anos dos mandatos acumulados do presidente e um controle da integridade dos eleitos.

Com elas também se pretende aumentar a transparência dos fluxos financeiros, revelando inclusive as remunerações do presidente da Fifa e de todos os demais integrantes de alto escalão.

"A Fifa atravessou momento difíceis de crise, mas colocamos um ponto final nisso, ao aprovar reformas de boa governança e transparência. Vamos conquistar o respeito com trabalho e dedicação", afirmou Infantino depois de ser eleito.

O novo presidente conhece em primeira mão os projetos que foram aprovados nesta sexta-feira, por ser integrante da Comissão de Reformas da Federação Internacional, constituída em julho do ano passado, sob a presidência do advogado suíço François Carrard.

"Gianni Infantino trabalhou muito duro na minha comissão, e sempre foi a favor das reformas mais agressivas. Acho que conseguimos o melhor resultado possível, mas é apenas o início de uma nova era. Temos muito trabalho pela frente", disse Carrard à AFP.

Com essas reformas, a nova Fifa de Infantino tentará se recuperar do tsuname de escândalos que vem abalando o futebol nos últimos meses.

'Máscara' de BlatterO primeiro abalo sísmico aconteceu no dia 27 de maio, quando altos dirigentes foram presos num hotel de Zurique, entre eles o brasileiro José Maria Marin, ex-presidente da CBF. Desde então, réplicas continuaram manchando a imagem da Fifa, com novas prisões e denúncias do esquema de corrupção milionário que já foi chamado de "Copa do Mundo da Fraude".

Nove meses depois, Infantino sucedeu a Blatter, com a intenção de fazer uma grande varredura, para colocar o jogo de volta ao centro das atenções. A bola está com ele, mas já há quem questione sua capacidade de mudar a situação.

"Tenho o sentimento estranho que Gianni Infantino vai remover sua máscara para revelar Sepp Blatter", alfinetou o ex-craque inglês Gary Lineker no Twitter.

Apesar da diferença de idade (45 contra 79), não são poucas as semelhanças entre os dois suíços.

Infantino nasceu em Brigue, a cerca de 10 km de Viège, cidade natal de Blatter, e, como o antecessor, baseou sua campanha na promessa de verbas para desenvolver o futebol e países com poucos recursos. O argumento de "redistribuir 25% da arrecadação da Fifa às federações", também deve ter pesado na balança.

Blatter, inclusive, fez questão de parabenizar o compatriota "do fundo do coração".

"Com a aprovação do programa de reformas, as espectavicas estão ainda mais elevadas, mas tenho certeza de que meu sucessor saberá aplicá-las. Com sua experiência, suas capacidades, seu senso da estratégia e da diplomacia, ele tem todas as qualidades necessárias para levar a Fifa de volta ao caminho da estabilidade", elogiou.

Cabe ao novo presidente mostrar que é capaz de espantar os fantasmas do passado, para que a Fifa entre, de fato, numa nova era.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte

Topo