Esporte

Sindicato de jogadores denuncia condições horríves nas obras do Catar-2022

17/05/2016 06h51

Paris, 17 Mai 2016 (AFP) - O sindicato mundial de jogadores profissionais de futebol (Fifpro) denunciou em um vídeo as "horríveis condições de trabalho" nas obras da Copa do Mundo do Catar-2022.

"As condições de trabalho no Catar são cruéis (...) Eles (os trabalhadores estrangeiros) trabalham como escravos. O futebol não pode aceitar isto", afirma Tom Hogli, jogador norueguês, em um vídeo de pouco mais de dois minutos de duração.

"Milhares de trabalhadores devem morrer por quatro semanas de futebol?", questiona o meia dinamarquês William Kvist.

"Podemos evitar uma situação assim no Catar se a Fifa respeitar as normas (...) para que os estádios e as outras sedes do Mundial sejam construídos em condições de respeito aos direitos dos trabalhadores", declara Mads Oland, diretor do sindicato dos jogadores dinamarqueses (Spillerforeningen) e membro do conselho de direção do Fifpro.

A escolha do Catar como sede da Copa de 2022, anunciada no final de 2010, gerou polêmica desde o início. O pequeno mas rico país do Golfo é muito criticado pelas condições de trabalho dos estrangeiros que atuam nas obras do Mundial.

Atualmente, 5.100 estrangeiros trabalham nas obras da Copa do Mundo, mundo que deve aumentar a 36.000 até 2018.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte

Topo