Esporte

Rússia continua suspensa, mas atletas limpos podem participar dos Jogos do Rio

17/06/2016 17h51

Viena, 17 Jun 2016 (AFP) - A Federação Internacional de Atletismo (IAAF) manteve a suspensão da Rússia das competições internacionais, nesta sexta-feira, em Viena, mas deixou em aberto a possibilidade de atletas do país disputarem os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro individualmente, desde que comprovem que não são dopados.

A federação russa já está suspensa desde novembro, pouco depois de um relatório da Agência Mundial Antidoping (Wada) denunciar um esquema generalizado de uso de substâncias proibidas, envolvendo os mais altos escalões do Estado.

Apesar da punição ter sido mantida, a porta não está totalmente fechada para estrelas como a lenda do salto com vara Yelena Insibayeva, que sonha em conquistar o tricampeonato olímpico no Rio.

"Se atletas podem, a título individual, provar de forma clara e convincente que não foram manchados pelo sistema russo porque estavam fora do país e foram sujeitos a regras antidoping mais severas, haverá a possibilidade de solicitar a permissão de disputar competições internacionais, não pela Rússia, mas como atletas neutros", explicou o presidente da IAAF, Sebastian Coe.

Caberá ao Comitê Olímpico Internacional (COI), que se reunirá no dia 21 de junho, em Lausanne, estabelecer as condições da participação, que pode acontecer sob a bandeira olímpica, por exemplo, como a delegação de refugiados criada especialmente para os Jogos do Rio.

Mas Coe deixou claro que a decisão final será dele. "A IAAF decide quem pode competir ou não no Rio", sentenciou.

- 'Abertura muito estreita' -Rune Andersen, presidente da Força Tarefa da IAAF que supervisiona os esforços da Rússia na luta contra o doping, deixou claro que "a abertura da porta é muito estreita". "Pouco atletas poderão usar esse recurso", avisou o norueguês.

A IAAF já informou que "qualquer atleta que contribuiu de forma importante à luta contra o doping deve ter direito de pedir a autorização de participar dos Jogos".

Desta forma, o que abre a possibilidade para Yulia Stepanova, meia-fundista que denunciou o escândalo com suas revelações ao canal alemão ARD, de disputar a Olimpíada, uma espécie de 'delação premiada' que pode incentivar outros atletas a fazer o mesmo.

O próprio Coe, que foi bicampeão dos 1.500 m nos Jogos de Moscou-1980 e Los Angeles-1984, duas edições marcadas por boicotes de potências olímpicas (os americanos na primeira e o bloco soviético na segunda), sempre procurou apoiar os atletas limpos.

"Impedir de competir atletas que nunca foram pegos realmente o incomodaria", revelou uma fonte próxima ao presidente da IAAF antes da oficialização da votação.

Cerca de 45 minutos antes do anúncio oficial da entidade, a informação de que o atletismo russo continuava suspenso foi vazada pelo próprio ministro dos Esportes do país, Vitali Mutko.

"O resultado da votação dos membros do Conselho da IAAF criou uma situação sem precedentes: a Rússia não poderá participar das competições de atletismo dos Jogos Olímpicos de 2016, no Rio", disse Mutko em um comunicado.

O ministro se disse "muito decepcionado", mas deixou claro que a decisão "era esperada" e que a Rússia iria "reagir".

- 'Violação dos direitos humanos' -A reação imediata veio justamente com Isinbayeva, principal estrela do atletismo russo, que ameaçou entrar na justiça para reverter a decisão.

"É uma violação dos direitos humanos. Não posso ficar calada, vou tomar medidas. Pretendo procurar uma corte de direitos humanos", afirmou a grande rival da brasileira Fabiana Murer à agência TASS, sem citar um tribunal específico.

Na quinta-feira, Mutko se dizia confiante, alegando que a Rússia "fez o que pôde" para convencer a IAAF de anular a suspensão.

"Foram apresentados cem critérios e acho que preenchemos todos", tinha afirmado o ministro, em entrevista à agência Interfax.

A federação internacional, contudo, não parece estar muito convencida. Depois da reunião em que decidiu manter a decisão, nesta sexta-feira, avaliou em "18 a 24 meses" o tempo necessário para que o país entre em conformidade com as normais internacionais antidoping.

O Comitê Olímpico dos Estados Unidos, país que rivaliza com a Rússia pela hegemonia no esporte, apoiou oficialmente a decisão imposta pela IAAF.

"É uma mensagem de esperança para limpar o atletismo. Não é só para os atletas que se dopam, mas também para os países que não se comprometem seriamente a lutar contra o doping", afirmou Scott Blackmun, chefe do comitê norte-americano.

Em comunicado, a Wada "aplaudiu" a decisão de suspender dos Jogos do Rio a equipe russa e afirmou "apoiar totalmente" a ideia de permitir que Yulia Stepanova ganhe o direito de participar do evento.

Quem não concordou com a decisão da IAAF foi o presidente da Rússia, Vladimir Putin, que criticou a entidade e chamou a suspensão de "injusta".

"É claro que é injusta. Eu parto do princípio que teremos conversas com nossos colegas da Agência Mundial Antidoping e espero uma reação do Comitê Olímpico Internacional", declarou o mandatário em encontrou com jornalistas.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte

Topo