Esporte

Argentina de Messi busca revanche diante de um Chile embalado rumo ao bi

25/06/2016 18h59

Nova York, 25 Jun 2016 (AFP) - Depois de amargar dois vice-campeonatos seguidos em grandes torneios, a seleção argentina disputa a final a Copa América do Centenário contra o Chile, neste domingo, em Nova Jersey, na reedição da decisão do ano passado.

Com o craque Lionel Messi em grande forma, os 'Hermanos' tentarão acabar com o incômodo jejum de 23 anos sem título.

Para isso, precisam dar o troco nos chilenos, que ganharam o título inédito em casa nos pênaltis.

A partida está marcada para 20h00 locais, no estádio Metlife de East Rutherford, que costuma receber partidas das duas franquias nova-iorquinas de futebol americano, os Giants e os Jets.

Desta vez, a bola será redonda, e não oval, mas a previsão é de casa cheia, com 81.000 torcedores.

A final promete ser espetacular, com Messi liderando uma geração de astros sedentos por troféus e do outro lado Arturo Vidal e Alexis Sánchez sonhando com o bicampeonato para consagrar de vez a melhor seleção chilena da história.

- Craque iluminado -Os 'Hermanos' disputam a terceira final em três anos. Antes da derrota para os chilenos na Copa América do ano passado, foram derrotados por 1 a 0 na prorrogação pela Alemanha na Copa do Mundo no Brasil-2014.

Além da rivalidade com sabor de revanche, o duelo promete ser uma oposição de estilos, entre um Chile que valoriza a posse de bola e tirar sua força do domínio do meio de campo, e uma Argentina mais vertical, que faz a diferença com seus craques lá na frente.

É difícil apontar um favorito, mas a Argentina levou vantagem na primeira fase, com vitória por 2 a 1 sobre os chilenos, sem poder contar com Messi, que foi poupado por sentir dores na região lombar.

Na ocasião, quem brilhou foi Ángel Di María, autor de um gol e uma assistência, mas o meia do Paris Saint-Germain se machucou na partida seguinte, contra o Panamá sua participação à final continua incerta. Na quinta-feira, ele voltou a treinar com os companheiros, mas precisou deixar a atividade mais cedo, por precaução.

A goleada de 5 a 0 sobre os panamenhos marcou a estreia de Messi na competição, uma estreia em grande estilo, com três gols em apenas 30 minutos em campo.

No total, o craque do Barça balançou as redes cinco vezes na competição e se tornou o maior artilheiro da seleção argentina, com 55 gols um a mais que Gabriel Batistuta.

"Estamos num momento espetacular. Depois, temos que comparecer dentro de campo. Durante todo esse ano crescemos muito como equipe, como grupo", declarou o camisa 10 nesta sexta-feira.

"Não existe nenhuma seleção capaz de pressionar como a nossa, com essa intensidade, durante toda a partida", argumentou por sua vez o chileno Vidal, antes de reconhecer, contudo, que "Messi, com o talento que tem, pode mudar qualquer partida".

- Vidal de volta -O Chile não tem Messi, mas também fez história nos Estados Unidos, ao massacrar o México por 7 a 0 nas quartas de final, com quatro gols do ex-gremista Eduardo Vargas. O camisa 11 é o artilheiro isolado da competição, com seis gols marcados.

Ao contrário da Argentina, que mantém 100% de aproveitamento na competição e começou jogando bem logo de cara, a 'Roja' teve um início complicado, mas vem numa boa crescente.

Depois da derrota para os 'Hermanos' na estreia, teve muita dificuldade para superar a fraca Bolívia por 2 a 1, com pênalti polêmico marcado depois de intermináveis sete minutos de acréscimos.

Os comandados de Juan Antonio Pizzi começaram a se reencontrar com a vitória por 4 a 2 sobre o Panamá, apesar de duas falhas clamorosas do goleiro Bravo, mas foi contra o México que se credenciaram de vez para o bicampeonato.

A goleada histórica foi uma aula de tática, com domínio avassalador do meio de campo chileno diante de uma equipe mexicana perdida em campo.

Mesmo sem a peça fundamental desse meio de campo, o 'Rei Arturo' Vidal, que cumpriu suspensão, a 'Roja' voltou a ter ótima exibição na semifinal, com dois gols relâmpago na vitória por 2 a 0 sobre a Colômbia.

Com o meia do Bayern de Munique de volta, os chilenos têm tudo para dar trabalho para a Argentina, que mais do que nunca vai depender do talento de Messi para acabar com a seca.

"O Chile elabora muito bem as jogadas e sabe pressionar o adversário. São armas fundamentais que a levam a ser uma das melhores seleções do mundo", resumiu o técnico da 'albiceleste', Gerardo 'Tata' Martino.

O Brasil deu mais um vexame ao ser eliminado na primeira fase, mas será representado na final pelo árbitro Héber Lopes.

Prováveis escalações:

Argentina: Sergio Romero; Gabriel Mercado, Nicolás Otamendi, Ramiro Funes Mori e Marcos Rojo; Lucas Biglia, Javier Mascherano e Ever Banega; Lionel Messi, Gonzalo Higuaín e Ángel di María ou Erik Lamela. T: Gerardo Martino.

Chile: Claudio Bravo; Mauricio Isla, Gary Medel, Gonzalo Jara, Jean Beausejour; Marcelo Díaz o Francisco Silva, Arturo Vidal, Charles Aránguiz; Eduardo Vargas, Alexis Sánchez e José Pedro Fuenzalida ou Edson Puch. T: Juan Antonio Pizzi.

Árbitro: Héber Lopes (Brasil).

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte

Topo