Esporte

Clima de revanche e zebra à espreita nas oitavas da Euro

25/06/2016 12h27

Paris, 25 Jun 2016 (AFP) - Sete anos depois do toque de mão de Thierry Henry, a Irlanda terá a oportunidade de se se vingar da França, neste domingo, pelas oitavas de final da Eurocopa, enquanto a campeã mundial Alemanha encara a Eslováquia para tentar engrenar de vez na competição.

A Bélgica, que, como a 'Mannschaft', deixou a desejar na primeira fase, terá que encarar com cautela o duelo com a surpreendente Hungria.

- Revanche irlandesa -No dia 18 de novembro de 2009, a França garantiu sua vaga para a Copa do Mundo do ano seguinte, com gol polêmico marcado na prorrogação da repescagem.

Na jogada, Thierry Henry ajeita a bola com a mão antes de cruzar para Gallas balançar as redes. O próprio Henry reconheceu depois de seria justo disputar outra partida para atribuir a vaga, mas os 'Bleus' acabaram indo para a África do Sul, onde deram um tremendo vexame, com direito a greve de jogadores.

Sete anos depois, o técnico da Irlanda, Martin O'Neill, minimizou a importância do episódio, mas haverá um clima de revanche em torno dessa partida.

Os irlandeses entrarão em campo com motivação extra, mas a França é franca favorita. A classificação dos anfitriões para as oitavas de final foi tranquila, mas as vitórias nas duas primeiras rodadas só foram decretadas com gols no fim, contra Romênia (2-1) e Albânia (2-0), antes do empate sem gols com a Suíça, quando acertou várias vezes a trave.

Com muitos talentos individuais, Pogba, Griezmann e Payet, comandados de Didier Deschamps precisam mostrar que têm potencial para ganhar mais um título em casa, depois da Euro-1984 e da Copa do Mundo de 1998.

- Despertar alemão -Os campeões mundiais se classificaram em primeiro lugar do grupo C, mas não convenceram. Há dois anos, no Brasil os comandados de Joachim Löw esmagaram um adversário atrás do outro, como um rolo compressor. Na França, a máquina parece ter emperrado.

Foram apenas três gols em três jogos, apesar da equipe ter criado inúmeras chances claras contra a Irlanda do Norte, que venceu 'apenas' por 1 a 0, na última rodada.

Para compensar a falta de pontaria, a defesa, muito sólida, aina não foi vazara com mas o zagueiro Jérôme Boateng, que atuou em altíssimo nível na primeira fase, é dúvida por sentir dores na panturrilha.

Lá na frente, Löw terá que decidir qual Mario vai escalar para formar dupla com Thomas Müller, entre Götze, atacante de maior mobilidade, como 'falso 9', ou Gomez, centroavante mais fixo.

Autor do gol do título mundial há dois anos, Götze foi muito criticado pelas atuações nas duas primeira rodadas e Gomez deu mais contundência ao ataque alemão contra os norte-irlandeses.

A Eslováquia se classificou em terceiro lugar do grupo B, atrás do País de Gales e da Inglaterra, mas mostrou que tem potencial para dar trabalho aos alemães, com um Marek Hamsik em grande forma.

- Ameaça húngara -Por ter evitado o lado da chave que conta com os cinco campeões mundiais (Alemanha, Itália, França, Inglaterra e Espanha), a Bélgica parece ter tirado a sorte grande ao terminar em segundo lugar do seu grupo, atrás dos italianos, que terão pela frente os atuais bicampeões espanhóis nas oitavas.

Para os 'Diabos Vermelhos', o caminho rumo a semifinal parece uma avenida, com Hungria nas oitavas e o vencedor do duelo britânico entre País de Gales e Irlanda do Norte nas quartas.

Mesmo assim, é melhor tomar cuidado com os húngaros, que protagonizou a maior surpresa do torneio até agora ao terminar na liderança do grupo F, na frente de Islândia, Portugal e Áustria.

"Talvez tenhamos 60% de chance de passar, mas isso não quer dizer nada. Os húngaros vão entrar sem pressão, como nós contra o Brasil, em 2002", lembrou o técnico Marc Wilmots, que, nos seus tempos de jogador teve um gol anulado contra a seleção pentacampeã mundial, que teve certa dificuldade para derrotar os 'Diabos Vermelhos' por 2 a 0.

No empate em 3 a 3 com Portugal, o jogo mais espetacular até agora na competição, a Hungria chegou a ficar três vezes à frente do marcador, mostrando que não tem medo de ninguém, com jogadores experientes como o enigmático goleiro Gabor Kiraly, de 40 anos, e o meia Zoltan Gera, de 37.

-Programação das partidas deste domingo, pelas oitavas de final da Eurocopa:

(10h00) França - Irlanda, em Lyon

(13h00) Alemanha - Eslováquia, em Lille

(16h00) Hungria - Bélgica, em Toulouse

-Prováveis escalações:

França: Hugo Lloris (cap); Bacary Sagna, Adil Rami, Laurent Koscielny, Patrice Evra; N'Golo Kante, Blaise Matuidi, Paul Pogba; Antoine Griezmann, Dimitri Payet; Olivier Giroud. T: Didier Deschamps.

Irlanda: Darren Randolph; Seamus Coleman (cap), Shane Duffy, Richard Keogh, Robbie Brady; James McClean, James McCarthy; Jeff Hendrick, Daryl Murphy, Wes Hoolahan; Shane Long. T: Martin O'Neill.

Árbitro: Nicola Rizzoli (Italia).

Alemanha: Neuer - Kimmich, Boateng, Hummels, Hector - Kroos, Khedira, Müller - Özil, Gomez, Götze. T: Joachim Löw

Eslováquia: Kozacvik - Pekarik, Skrtel, Durica, Hubocan - Kucka, Pecovsky, Mak, Hamsik, Weiss - Duda. T: Jan Kozak

Árbitro: Szymon Marciniak (POL)

Hungria: Kiraly - Lang, Juhasz, Guzmics, Kádár - Gera, Nagy, Kleinheisler, Dzsudzsák - Szalai, Stieber. T: Bernd Storck

Bélgica: Courtois - Meunier, Alderweireld, Vermaelen, Vertonghen - Nianggolan, Kevin De Bruyne, Witsel - Carrasco (o Mertens), Lukaku, Hazard. T: Marc Wilmots.

Árbitro: Milorad Mazic (SRV).

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte

Topo