Esporte

Alemanha busca revanche contra Itália em choque de tetracampeões mundiais

01/07/2016 13h53

Bordeaux, França, 1 Jul 2016 (AFP) - "Futebol é um esporte que se joga a 11 contra 11 e a Alemanha sempre vence no final". A famosa frase do inglês Gary Lineker só não vale para a Itália, que tentará manter a invencibilidade contra a 'Mannschaft' em grandes torneios neste sábado, em Bordeaux, no duelo mais aguardado das quartas de final da Eurocopa.

Apesar do retrospecto favorável, Alessandro Florenzi não quer saber de favoritismo: "palavras não servem para nada". sentenciou meia italiano.

"Porque eu deveria estar traumatizado pela Itália?", indagou por sua vez Toni Kroos, perguntado sobre a série invicta de oito jogos dos italianos diante dos alemães.

"Eu já derrotei a Itália nas semifinais da Eurocopa Sub-21, então meu retrospecto contra eles está equilibrado", afirmou o zagueiro Mats Hummels.

Assim como Hummels, Manuel Neuer, Jerome Boateng, Mesut Özil ee Benedikt Höwedes participaram da vitória por 1 a 0 sobre a 'Azzurra' Sub-21, em 2009, mas levaram o troco de forma contundente três anos depois com a seleção principal.

No dia 28 de junho de 2012, em Varsóvia, a Itália contrariou todas as expectativas ao derrotar a poderosa 'Mannschaft' por 2 a 1, com dois gols de Mario Balotelli.

O polêmico atacante já sumiu do radar da 'Nazionale' faz tempo. Apenas a Alemanha tem um 'Super Mario', com o veterano Gomez, que deve ser escalado como titular no lugar do 'xará' Götze, autor do gol do título na Copa do Mundo no Brasil, em 2014.

"Os fatos falam por eles. São os campeões mundiais, estão ganhando seus jogos e estão confiantes. Não estamos preparando esse jogo pensando: 'ganhamos o último confronto então vamos ganhar o próximo'. O importante é continuar trabalhando", analisou Florenzi.

- Meio de campo italiano desfalcado -O meia da Roma prefere jogar a pressão para a Alemanha, mas a Itália também chega embalada, com a vitória convincente por 2 a 0 sobre o atual bicampeã Espanha nas oitavas.

Mesmo sem contar com grandes estrelas 'Nazionale' está fazendo um grande torneio, com o treinador Antonio Conte dando aula de tática aos rivais.

Já a 'Mannschaft' teve um início mais tímido, mostrando muita falta de pontaria na primeira fase, com apenas três gols marcados na primeira fase.

Esse total dobrou com a vitória por 3 a 0 sobre a Eslováquia nas oitavas, a primeira atuação realmente digna de uma seleção tetracampeã mundial.

Alemanha e Itália também se destacam pela força defensiva. Com Boateng atuando em altíssimo nível, os comandados de Joachim Löw ainda não sofreram gol na competição.

Já os italianos levaram apenas um, na derrota por 1 a 0 para a Irlanda na última partida da fase de grupos, quando, já assegurada de terminar em primeiro lugar, poupou nada menos de oito titulares.

Para o duelo deste sábado, Conte enfrenta problemas para escalar seu meio de campo. O brasileiro naturalizado italiano Thiago Motta está suspenso, e Daniele De Rossi é dúvida por sentir dores na coxa.

Apesar da ausência de Thiago Motta, o Brasil será representado na partida por Éder, um dos destaques da seleção italiana.

O catarinense chegou à Euro bastante contestado, mas anotou um golaço na vitória por 1 a 0 sobre a Suécia de Ibrahimovic, e foi autor da cobrança de falta venenosa que resultou no gol de Chiellini contra a Espanha.

- Inovações arriscadas -Do lado alemão, Löw contará com sua força máxima, e existem especulações de que o treinador pode abandonar o tradicional esquema em 4-5-1 para repetir o 3-3-3-1 usado no amistoso de março, com goleada de 4 a1 sobre a Itália.

Neste caso, Boateng formaria uma linha de três na zaga, ao lado de Höwedes e Hummels. A segunda linha teria Joshua Kimmich e Jonas Hector pelos lados, com Khedira no meio, atrás do trio ofensivo Kroos, Özil e Müller, com Gomez como centroavante.

O problema é que o técnico nem sempre foi bem-sucedido quando tentou inovar na escalação. Em 2012, contra os mesmos italianos, ele resolveu deixar Thomas Müller no banco para reforçar o meio de campo, com Khedira, Schweinsteiger e Kroos.

Balotelli jogou toda essa estratégia por água abaixo e essa decisão foi considerada a pior de Löw nos últimos dez anos.

A grande diferença é que, neste ano, além de Balo, a Itália tampouco pode contar com a visão de jogo do meia Andrea Pirlo, que se aposentou da seleção e viu seu sucessor anunciado Marco Verratti ficar fora da Euro por lesão.

Mas Conte pode contar com sua base histórica da Juve (Buffon, Barzagli, Leonardo Bonucci e Giorgio Chiellini) na retaguarda para tentar prorrogar ainda mais a 'freguesia' dos alemães em grandes competições.

- Prováveis escalações:

Alemanha: Manuel Neuer - Joshua Kimmich, Jerome Boateng, Mats Hummels, Jonas Hector - Thomas Müller, Sami Khedira, Mesut Özil, Toni Kroos, Julian Draxler - Mario Gomez. T: Joachim Löw

Itália: Gianluigi Buffon - Andrea Barzagli, Leonardo Bonucci, Giorgio Chiellini - Alessandro Florenzi, Marco Parolo, Stefano Sturaro, Emanuele Giaccherini, Mattia De Sciglio - Graziano Pellé, Éder. T: Antonio Conte

hap-eba/pgr/ig

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte

Topo