Esporte

Em festa, Portugal recebe os heróis do titulo da Euro-2016

11/07/2016 13h59

Lisboa, 11 Jul 2016 (AFP) - Cristiano Ronaldo ergue a taça desde a sacada do palácio presidencial de Lisboa, levando ao delírio uma multidão de torcedores patriotas: os heróis de todo um povo voltaram nesta segunda-feira a Portugal para comemorar a vitória histórica na Euro-2016.

Este primeiro título internacional encheu de orgulho a nação portuguesa, um país apaixonado por futebol, mas que andava de cabeça baixa devido à crise econômica que assola o território há anos.

"Esta vitória não resolve nossos problemas, mas pelo menos estamos felizes. É algo que acontece uma vez na vida", comemorava Lúcia Antunes, uma desempregada de 41 anos.

Um mar de gente vermelho e verde, as cores de Portugal, recebeu com festa os ônibus que carregavam os novos campeões da Europa pelas ruas de Lisboa.

"Vocês são os melhores da Europa! Vocês deram o exemplo, vencendo graças à determinação, coragem e humildade", elogiou o chefe de estado Marcelo Rebelo de Souza, durante a recepção dos ídolos no palácio presidencial, onde foram condecorados com o título de Ordem ao Mérito de Portugal.

Relaxado e sorridente na chegada ao país, Cristiano Ronaldo, com a bandeira de sua natal Ilha da Madeira pendurada no pescoço, pegou o microfone e puxou o refrão do sucesso da banda de rock portuguesa Xutos e Pontapés, antes de lançar seu habitual grito de guerra: "Siiim!!".

Escoltados pelo força aérea, o avião "Eusébio" transportando a 'Selecção' aterrissou ao meio-dia em solo português, passando embaixo de um arco formado por dois jatos de água vermelho e verde.

"Não dormimos muito. Esta vitória é a primeira, só estando lá para saber. É nossa revanche após 2004", explicou Antonio Ribeiro de Magalhães, estudante de 21 anos.

Doze anos após a imensa decepção provocada pela derrota na final de 'sua' Euro, perdida em Lisboa para a Grécia, a seleção de Portugal finalmente conquistou seu primeiro título internacional.

Os torcedores comemoraram este triunfo de maneira barulhenta até altas horas da madrugada nas ruas da capital e por todo o país.

- 'Sopro de ar fresco para o país' -"Essa vitória é um sopro de ar fresco para o país. É um título único!", afirmou o cansado Luis Cascalheiro, 56 anos, que admitiu que estava atrasado para o trabalho.

"Épico", "Eterno" e "Orgulho de Portugal" eram os títulos da imprensa esportiva portuguesa, comemorando os heróis da final: Cristiano Ronaldo, claro, mas também Éder, autor do gol do título, e o técnico Fernando Santos.

Que ironia! Portugal conquistou seu primeiro título ao arruinar as esperanças do país anfitrião, a França. Foi exatamente o que havia acontecido em 2004, quando a Grécia derrotou os portugueses (1-0), surpreendendo todo um continente. Aquela derrota foi um trauma nacional. Hoje, ficou no passado.

"CAMPEÕES! Vocês são muito grandes! Parabéns!", escreveu no Twitter Luis Figo, estrela da equipe de 2004. Ao lado do ex-craque também estava em campo um jovem prodígio de 19 anos que saiu de campo em lágrimas com a derrota.

Aos 31 anos, Cristiano Ronaldo é hoje um ícone planetário e voltou a derramar lágrimas no domingo, primeiro de dor e tristeza, depois de felicidade.

Lesionado no joelho logo aos 10 minutos de jogo, o craque do Real Madrid precisou sair de campo de maca. Ao fim do jogo, porém, CR7 pôde assistir ao gol de Éder e à histórica vitória do banco de reservas português.

- Desânimo -Esse gol permitiu a Cristiano Ronaldo erguer o troféu de campeão durante a cerimônia de premiação e causou um terremoto de alegria por todo Portugal.

Longe desta alegria, a França acordou de ressaca nesta segunda-feira, após perder a oportunidade de conquistar um quarto título internacional. Os 'Bleus' haviam saído vitoriosos nas Eurocopas de 1984 e 2000 e na Copa do Mundo de 1998.

Desanimados, os jogadores almoçaram no palácio do Elysée ao lado do presidente François Hollande, antes de agradecer as centenas de torcedores que foram prestigiar seus ídolos.

"Queríamos trazer esse momento de glória ao povo francês. É triste, mas é preciso relativizar nossa derrota", lamentou o zagueiro Adil Rami.

Os jogadores franceses, porém, não tem do que se envergonhar, superando as semifinais da Euro, meta imposta pelo técnico Didier Deschamps antes da competição, além de terem derrotado a favorita Alemanha (2-0), atual campeã do mundo.

tsc-bh/tba/lg

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte

Topo