Esporte

Rússia também corre risco de ficar fora dos Jogos Paralímpicos

22/07/2016 15h28

Paris, 22 Jul 2016 (AFP) - O Comitê Paralímpico Internacional (CPI) iniciou nesta sexta-feira um procedimento de suspensão contra o Comitê Paralímpico Russo, depois das revelações do relatório McLaren sobre um sistema organizado de doping na Rússia.

Em vista desta "cultura" do doping na Rússia, "ao mais alto nível (...), o Comitê Paralímpico Russo não parece respeitar o código antidoping do CPI", indicou em um comunicado no qual avisa que a decisão final será tomada na primeira semana de agosto.

Caso seja suspenso, o comitê russo terá 21 dias para recorrer e evitar ficar fora dos Jogos Paralímpicos, marcados de 7 a 18 setembro, no Rio.

A Rússia é uma das maiores potências do esporte paralímpico. Na última edição, em Londres-2012, terminou em segundo lugar do quadro de medalhas, atrás apenas da China, com 102 pódios (36 ouros, 39 pratas e 27 bronzes).

Por conta das denúncias de doping, o atletismo russo já foi banido dos Jogos Olímpicos (5 a 21 de agosto), em decisão confirmada na última quinta-feira pelo Tribunal Arbitral do Esporte.

O risco de a participação de todos os esportistas do país ser vetada ganhou força com novas revelações divulgadas na segunda-feira pela Agência Mundial Antidoping (Wada), no relatório McLaren.

- Sumiço de amostras -O Comitê Olímpico Internacional (COI) se reúne no domingo para discutir o assunto, mas o Comitê Paralímpico resolveu agir mais rápido.

"Esta decisão não foi tomada de forma leviana. Depois de ter estudado o relatório McLaren, o CPI considera que o ambiente no qual o esporte russo se encontra atualmente não permite que o comitê paralímpico russo tenha condições de cumprir suas obrigações como membro", explicou Philip Craven, presidente do CPI.

O relatório McLaren forneceu na segunda-feira detalhes sórdidos sobre o "sistema de doping de Estados" implantado na Rússia desde 2011, em 30 modalidades, tanto olímpicas quanto paralímpicas.

A comissão independente responsável pela investigação entregou ao nome dos atletas paralímpicos associados ao "sumiço de 35 amostras positivas" mencionado no relatório.

De acordo com o documento, as amostras foram falsificadas por fiscais de controles antidoping russos, com a cumplicidade do ministério do esporte, para constar como negativas nas bases de dados.

O PCI também anunciou que pretende pedir novas análises de 19 amostras coletadas durante os Jogos Paralímpicos de inverno de 2014, em Sochi, na Rússia. O relatório McLaren revelou que essas amostras "foram potencialmente falsificadas em meio à campanha de manipulação de resultados de exames antidoping implantada pela Rússia para os Jogos de Inverno".

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte

Topo