Esporte

Presença de Gatlin e outros ex-dopados no Rio desafia lógica do COI

25/07/2016 16h48

Paris, 25 Jul 2016 (AFP) - Suspenso cinco anos por doping no passado, o velocista Justin Gatlin, favorito ao ouro no 100 m rasos, tem presença garantida no Rio, enquanto atletas russos como Yelena Isinbayeva, que nunca testou positiva, foi vítima da punição coletiva do seu país, uma situação paradoxal que pode afetar a credibilidade dos Jogos.

"Eu aplaudo a decisão de impedir pessoas que já se doparam de participar dos Jogos, mas a medida não pode ser aplicada apenas para os russos. Uma mensagem forte a favor de um esporte limpo teria sido banir todos aqueles que já trapacearam", criticou a britânica Paula Radcliffe, recordista mundial da maratona.

Pressionado para excluir a Rússia como um todo por conta do escândalo de doping que já baniu toda a delegação de atletismo, o Comitê Olímpico Internacional (COI) preferiu deixar a decisão para as outras modalidades nas mãos das federações internacionais.

O primeiro critério estabelecido para a elegibilidade dos atletas é o fato de nunca ter sido punido por doping.

Na verdade, essa exigência não muda muita coisa para a Rússia, que já tinha prometido tirar ex-dopados da sua delegação, antes mesmo da decisão do COI, no domingo, ou até mesmo do Tribunal Arbitral do Esporte (TAS), que na quinta-feira confirmou a suspensão do atletismo russo.

Embora vários atletas já suspensos por doping constem na lista inicial de 387 atletas divulgada pelo Comitê Olímpico russo na quarta-feira, a medida só acelera um processo já iniciado pelas autoridades russas.

Enquanto isso, muitos atletas de outros países que já foram punidos ainda podem conquistar medalhas no Rio.

- Discrepância no atletismo -Exemplos não faltam, a começar pelo atletismo. Principal rival do superastro Usain Bolt nas provas de velocidade, Gatlin é o símbolo de uma época em que o doping era sancionado de forma mais branda.

Campeão olímpico em Atenas-2004, Gatlin já foi flagrado e suspenso duas vezes na carreira.

A primeira foi em 2001, por uso de anfetaminas. Foi suspenso por dois anos, mas recorreu e a punição foi reduzida para apenas um ano.

Na segunda vez, em 2006, foi suspenso por oito anos e só escapou do banimento para sempre do esporte por ter colaborado com a Agência Americana Antidoping (Usada). A suspensão foi em seguida reduzida para quatro anos.

Hoje, mesmo com 34 anos de idade, o americano está correndo mais rápido do que há 12 anos, quando estava no auge da carreira.

Na prova dos 200 m, outro forte concorrente é LaShawn Merritt, suspenso por dois anos por uso de um esteroide anabolizante em 2010 e 2011.

Essa diferença de tratamento também se aplica para o atletismo brasileiro: suspensa por cinco meses por doping, a velocista Ana Cláudia Lemos, corredora mais rápida do país e esperança de medalha no revezamento 4x100 m, acabou de cumprir a punição ainda neste mês de julho, mas está liberada para disputar os Jogos.

Lenda viva do salto com vara, Isinbayeva, bicampeã olímpica em 2004 e 2008 e recordista mundial da modalidade (5,06 m), nunca esteve envolvida em um escândalo de doping, mas foi 'repescada' pela Federação Internacional de Atletismo (IAAF), por treinar na Rússia.

Se treinasse no exterior, poderia ter tido uma chance, como a saltadora em distância Darya Klishina, autorizada a disputar os Jogos porque vive na Flórida, onde é submetida a exames em teoria mais rigorosos do que em seu país.

- 'Pseudo medalhas de ouro' -No ciclismo de estrada, a Espanha contará com o veterano Alejandro Valverde, que já cumpriu dois anos de suspensão, de 2010 a 2011, pelo envolvimento no caso Puerto, o maior escândalo de doping do esporte espanhol.

Na noite de domingo, pouco depois da decisão do COI de não excluir totalmente a Rússia dos Jogos, a Federação Internacional de tênis foi a primeira a reagir: liberou os oito representantes do país, alegando que preenchem todos os critérios estabelecidos.

Critérios que o croata Marin Cilic não atendte, por ter sido suspenso por quatro meses em 2013 após ser flagrado por nicetamida, um estimulante cardiovascular.

Se a Croácia fosse tratada como a Rússia, Cilic seria vetado, mas o campeão do US Open em 2014 poderá disputar a medalha de ouro no Rio.

O esgrimista italiano Andrea Baldini, ex-número um do mundo no florete e atual campeão olímpico por equipes, também viajará para a Cidade Maravilhosa, mas como reserva.

Em 2008, ele cumpriu seis meses de suspensão por uso de furosemida, a mesma substância pela qual o nadador brasileiro César Cielo foi flagrado, em 2011, mas recebeu apenas uma advertência.

A natação tem vários casos de atletas já punidos por doping que poderão competir no Rio, como os astros chineses Ning Zetao e Sun Yang .

Isinbayeva resumiu a situação com bastante amargura: "Que todos os atletas estrangeiros 'limpos' respirem aliviados e ganhem na nossa ausência pseudo medalhas de ouro", lamentou a 'Czarina' depois da confirmação pelo TAS de que o atletismo russo estará fora dos Jogos.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte

Topo