Esporte

Atletas flagrados em antidoping incomodam muita gente no Rio-2016

09/08/2016 16h07

Rio de Janeiro, 9 Ago 2016 (AFP) - Sun e Efimova já são prata; Gatlin e Park estão prestes a entrar em ação, mas enquanto isso, o mal-estar cresce cada dia mais nos Jogos Olímpicos do Rio-2016 à medida que atletas flagrados em exames antidoping se cobrem de glória.

"Quando vejo o pódio dos 200 metros livres, tenho vontade de vomitar. Sun Yang 'mija' roxo!", indignou-se Camille Lacourt, quinto lugar na final dos 100m costas, resumindo sem rodeios o incômodo de muitos nadadores.

A participação de atletas suspensos anteriormente por serem flagrados no exame antidoping se tornou em poucos dias um tema desagradável no Rio de Janeiro.

A responsabilidade é do Comitê Olímpico Internacional (COI), cuja decisão de não excluir toda a equipe russa dos Jogos do Rio acabou se voltando contra ele.

O COI condicionou a presença dos atletas russos a um requisito inesperado: a exclusão dos que foram punidos anteriormente por uso de substâncias proibidas, mesmo que já tenham cumprido a sua suspensão.

A primeira dificuldade dessa decisão é que o critério estabelecido não é legal. O Tribunal Arbitral Esportivo (TAS) reviu esse parecer aceitando o recurso de inúmeros atletas russos afetados.

É o caso de Yulia Efimova: ela foi suspensa por 16 meses em 2014 por uso esteroides e recentemente voltou a testar positivo para o controverso Meldonium, mas estará no Rio.

Segundo problema: o critério é injusto. Por que aplicá-lo apenas aos russos quando o doping é universal?

É o caso do chinês Sun Yang, que deu positivo em 2014 e ficou suspenso durante três meses. Sua presença nas piscinas do Rio tem suscitado críticas de alguns adversários.

Mas o pior, provavelmente, ainda está por vir.

Na natação, o sul-coreano Park Tae-hwan está competido, ainda que tenha falhado em suas primeiras disputas.

Park, quatro vezes medalhista olímpico, testou positivo para esteroides em 2014 e cumpriu sua pena de 18 meses de suspensão, mas seu comitê olímpico nacional o proibiu de competir durante três anos.

O campeão olímpico de 2008 recorreu ao TAS, que condenou esta proibição alegando que ele estava sofrendo uma dupla pena por um mesmo feito.

No domingo, o atletismo, profundamente sacudido pelas revelações sobre o escândalo de doping de Estado na Rússia, poderia levar como exemplo a natação com a final dos 100m, em que muitos participantes são repescados de última hora.

Em primeiro lugar, destaca-se o americano Justin Gatlin, suspenso duas vezes ao longo de sua carreira e afastado das pistas durante cinco anos, e que só deve sua permanência na competição a uma flexibilização da luta contra o doping.

Existe um limite e muitos atletas começam a pensar que já se superaram.

Lacourt acendeu assim outra chama diferente da trazida pelas Olimpíadas. Mas não foi o primeiro.

O nadador australiano Mack Horton, que derrotou Sun na final dos 400m livres, já havia deixado claro o que pensava.

"Não tenho tempo para os que se dopam", assegurou, após explicar que havia negado cumprimentar o chinês durante um treinamento.

Inclusive o "rei" Michael Phelps permitiu-se fazer um comentário sobre o assunto: "É triste que hoje em dia existam pessoas que deem positivo, inclusive duas vezes em alguns casos, e possam continuar nadando em uma Olimpíada. Me incomoda".

Os problemas parecem, então, sacudir o tranquilo universo dos Jogos Olímpicos.

Até o ponto que o COI, por meio de seu porta-voz Mark Adams, decidiu quebrar o silêncio: "Estimulamos obviamente a liberdade de expressão, mas ao mesmo tempo, os Jogos são o respeito ao outro e o respeito ao direito dos outros de participarem em competições (...) com tranquilidade, sem serem agredidos. Sendo assim, estimulamos os atletas a respeitarem seus adversários".

Mas os tempos estão mudando e as críticas podem não ser mais do que os primeiros sintomas de uma revolta generalizada.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte

Topo