Esporte

Mariana Silva faz grande campanha no judô, mas fica sem medalha

09/08/2016 19h54

Rio de Janeiro, 9 Ago 2016 (AFP) - Depois do ouro de Rafaela Silva, a judoca brasileira Mariana Silva passou perto de conquistar uma medalha nos Jogos do Rio, mas acabou ficando fora do pódio ao perder a disputa pelo bronze para a holandesa Anicka van Emden.

A paulista de 26 anos, que não fazia parte das favoritas da categoria até 63kg, fez uma belíssima campanha, chegando às semifinais, e foi merecidamente ovacionada pelo público.

"Eu estava muito confiante na competição, vim para buscar minha medalha, mas infelizmente não foi o dia. Fico feliz pelo reconhecimento, mas não satisfeita pelo resultado", lamentou.

A holandesa já havia conquistado duas medalhas de bronze em Mundiais, em Paris-2011, e no Rio, em 2013.

Mariana foi valente, tentou tomar iniciativa o tempo todo, mas foi surpreendida faltando 1 minutos e 40 para o fim e tomou um yuko.

Empurrada pela torcida, a brasileira foi para o tudo ou nada, mostrando muita garra, mas o máximo que conseguiu foi fazer com que a adversária leve um shido por falta de combatividade.

Na semi, Mariana perdeu para a eslovena Tina Trstnjak, atual campeã mundial, que acabou conquistando o ouro, ao derrotar na final a francesa Clarisse Agbegnenou.

Por ironia do destino, a israelense Yarden Gerbi, derrotada pela brasileira nas quartas de final, acabou levando a outra medalha de bronze, ao superar a japonesa Miku Tashiro.

"Ainda não pensei no que faltou para chegar ao pódio, mas só sei dizer que dei tudo que eu tinha, deixei tudo que eu tinha no tatame. Infelizmente, não suficiente", resumiu.

- Vitória sobre a campeã mundial -Neste quarto dia de disputa do judô na Cidade Maravilhosa, poucos acreditavam que a bela morena de Peruíbe fosse chegar tão longe.

Havia muito mais expectativa em torno de Victor Penalber, único medalhista brasileiro no Mundial de Astana-2015. O carioca, porém, foi derrotado nas oitavas de final por Sergiu Toma, dos Emirados Árabes Unidos, que acabou levando o bronze.

Quem faturou o ouro foi o russo Khasan Khalmurzaev invicto há 23 lutas, a última delas sobre o americano Travis Stevens, que ficou com a prata. O outro bronze foi para o japonês Takanori Nagase.

Mesmo sem muita expectativa em torno do seu nome, Mariana foi trilhando seu caminho. Mesmo sem contar com grandes resultados até então em grande campeonatos - o melhor foi um bronze nos Jogos Pan-Americanos de Toronto-2015 - ela foi crescendo nesse ciclo olímpico, com judô cada vez mais consistente.

Nessa campanha olímpica, a estreia foi bem tranquila: bastou um minuto de luta para despachar a ganesa, com uma chave de perna.

O desafio foi muito maior nas oitavas de final, diante da a alemã de origem polonesa Martyna Trajdos, atual campeã europeia.

O combate foi truncado, com nenhuma das duas atletas conseguindo acertar na pegada.

O que fez a diferença foram as penalidades, e brasileira levou a melhor, por levar apenas uma, contra três da adversária.

- Vitória emocionante nas quartas -Nas quartas, Mariana ignorou o favoritismo da israelense Gerbi, campeã mundial no Rio, em 2013, e medalhista de prata em Chelyabinsk-2014.

O combate foi intenso e disputadíssimo, sem que nenhuma judoca conseguisse fazer a diferença no tempo regulamentar.

A decisão ficou para o 'Golden Score', e a torcida levou um grande susto quando Mariana foi derrubada e caiu de costas, mas não houve pontuação porque o árbitro considerou que a brasileira tinha bloqueado o ataque da israelense antes da queda.

Aliviada, a brasileira partiu para cima e foi premiada com um yuko que levou ao delírio o público da Arena Carioca 2.

Na semifinal, contra a futura campeã, Mariana não conseguiu se impor contra a eslovena, que marcou um yuko com pouco mais de um minuto de luta.

Ela até tentou partir para cima para reverter o quadro, mas precisou abrir o jogo e abriu brecha para a adversária, que acabou conseguindo a imobilização.

Depois dessa derrota, era preciso superar a decepção para lutar pelo bronze, mas o yuko fatal da holandesa acabou com o sonho de medalha de Mariana, que saiu do tatame chorando copiosamente, ciente de que perdeu uma grande oportunidade de escrever seu nome na história do judô brasileiro.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte

Topo