Esporte

Objeto olímpico: a madeira da pista do Velódromo

14/08/2016 08h15

Rio de Janeiro, 14 Ago 2016 (AFP) - Ela foi alvo de preocupação geral até as vésperas dos Jogos, mas valeu a pena esperar: a pista do Velódromo Olímpico do Rio, de 250 metros de comprimento e 7 metros de largura, é toda feita de madeira russa, procedente da Sibéria.

"Se a gente colocasse as ripas uma depois da outra, chegaria a uma extensão de 15 km", calculou o campeão olímpico (2000) Arnaud Tournant, com base em sua experiência da pista de Roubaix, na França.

O pinho da Sibéria se impôs como a espécie mais comum nos velódromos construídos nos últimos anos.

A afzelia, uma madeira exótica presente nas florestas do Camarões, muita usada no passado - em Paris-Bercy e em Bordeaux, principalmente -, tornou-se inacessível em função de restrições ambientais.

"É necessária uma madeira muito dura e resistente", explica Guillaume Schwab, responsável por equipamentos esportivos na Federação Francesa de Ciclismo.

"O problema vem, então, da higrometria, muito forte no Brasil. A madeira vai inchar e ganhar volume", acrescenta.

Na instalação, um curto espaço - da ordem de um milímetro e dificilmente visível a olho nu - foi deixado entre as lâminas para que a madeira, colocada bruta, sem qualquer verniz, pudesse respirar.

Como lasanhasDurante as competições, um ou dois carpinteiros ficam a postos para cuidar da pista, ou "para fazer um curativo", como se costuma dizer.

"Em caso de cicatriz, é preciso fazer um micropolimento", descreve Schwab, lembrando que o principal inimigo é a água.

"Por exemplo, em caso de vazamento do teto", comentou.

O responsável pela pista do Rio foi o arquiteto alemão Ralph Schurmann, herdeiro de uma família especializada na construção de velódromos - seu pai e seu avô o precederam. Como aconteceu em Pequim nos Jogos de 2008, ele optou pelo pinho da Sibéria, em detrimento da madeira laminada, revestimento que se tornou cada vez mais tendência devido à sua facilidade de uso.

"Para a madeira laminada, fazemos como uma lasanha: uma camada de madeira, uma camada adesiva", ensina Gilles Peruzzi, responsável pelo setor pista da União Ciclista Internacional (UCI).

"Mas, para o pinho da Sibéria, não é óbvio encontrar peças de seis metros de comprimento, troncos longos com nervuras estreitas", acrescentou.

Anadia (Portugal) e, sobretudo, Aguascalientes (México) - a pista dos milagres, onde vários recordes mundiais foram batidos - escolheram a madeira laminada. Mas o pinho da Sibéria, que também é usado no Velódromo Nacional francês em Saint-Quentin-en-Yvelines, resiste.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte

Topo