Esporte

Phelps encerra a brilhante carreira com mais uma medalha de ouro

14/08/2016 01h22

Rio de Janeiro, 14 Ago 2016 (AFP) - O sábado, 13 de agosto de 2016, já entrou para a história do esporte como o dia da despedida do mito Michael Phelps, que encerrou sua carreira fantástica com mais uma medalha de ouro, no revezamento 4x100 m medley nos Jogos Olímpicos Rio-2016.

Com a conquista, Phelps encerra a carreira com 28 medalhas olímpicas, sendo 23 de ouro - além de três de prata e duas de bronze em quatro Olimpíadas (Atenas-2004, Pequim-2008, Londres-2012 e Rio-2016). O fenômeno de 31 anos também disputou uma prova em Sydney-200, quando tinha apenas 15 anos.

No Rio de Janeiro, o maior atleta olímpico da história, conquistou seis medalhas: cinco de ouro (4x100 m livre, 200 m borboleta, 4x200 m livre, 200 m medley e 4x100 m medley) e uma prata (100 m borboleta).

Phelps conquistou oito medalhas em Atenas (seis de ouro e duas de bronze), oito em Pequim (todas de ouro) e seis em Londres (quatro de ouro).

Com Phelps no nado borboleta, os americanos venceram o revezamento com o tempo de 3:27.95. Grã-Bretanha (3:29.24) e Austrália (3:29.93) completaram o pódio.

Ao sair da água, Phelps, 31 anos, levantou os braços e saudou a torcida, visivelmente emocionado.

"Não vou por outros quatro anos, isto eu garanto. Pude fazer tudo o que queria neste esporte, foram 24 anos. Estou feliz por como as coisas terminaram, foi para isto que retornei da aposentadoria em 2012, não queria um 'o que teria acontecido se...' dentro de 20 anos", disse o campeão na sexta-feira.

Neste sábado, último dia da natação, a equipe feminina do revezamento 4x100 m medley dos Estados Unidos também conquistou o ouro, apesar de nadar sem a jovem estrela Katie Ledecky.

A fenomenal Ledecky, de 19 anos, venceu no Rio de Janeiro as provas dos 200, 400 e 800 metros nado livre, além do revezamento 4x200 m livre. De quebra, levou a prata no revezamento 4x100 m livre.

Atletismo entra em cenaCom o fim das provas de natação nos Jogos do Rio, chegou a vez do atletismo tentar dominar as atenções, com destaque absoluto para o jamaicano Usain Bolt, que tentará ser o primeiro atleta a vencer as provas dos 100 m, 200 m e o revezamento 4x100 m pela terceira vez seguida em uma Olimpíada.

Bolt e o americano Justin Gatlin se prepararam para a final olímpica dos 100 metros rasos com vitórias fáceis nas primeiras séries neste sábado.

Bolt e Gatlin estão prestes a viver o último capítulo de sua longa rivalidade no domingo, nos Jogos do Rio, quando devem voltar a disputar o título do homem mais rápido do planeta.

Os dois velocistas superaram com facilidade suas séries de abertura pela manhã no Estádio Olímpico, com Gatlin liderando os tempos de classificação, com 10,01 segundos.

Bolt foi o quarto mais rápido, com 10,07 segundos.

"Estou me sentindo bem. Estou feliz. Como eu disse, eu tirei o primeiro obstáculo do meu caminho, então estou feliz com isso", disse Bolt, prevendo uma semifinal rápida.

Gatlin, de 34 anos, um dos homens mais velhos na pista, disse que a nova geração de velocistas o faz se sentir alerta.

Este sábado marcou a primeira grande noite do atletismo nos Jogos do Rio, que coroou uma nova rainha dos 100 m, a jamaicana Elaine Thompson, que frustrou o sonho do tricampeonato da compatriota Shelly-Ann Fraser-Pryce no estádio Olímpico Nilton Santos.

No momento mais aguardado da noite, muitos esperavam o tricampeonato de Fraser-Pryce, a 'Bolt de saias', que como seu ilustre compatriota abocanhou o ouro nessa prova nos Jogos de Pequim-2008 e Londres-2012.

Mas os problemas de lesão da jamaicana no último ano e o surgimento de uma nova estrela, Elaine Thompson, marcaram a prova.

Thompson, de 24 anos, venceu a prova em 10.73, oito centésimos de vantagem sobre a americana Tori Bowie, que ficou com a prata (10.83). Fraser-Pryce chegou logo atrás, com 10.86.

Fraser-Pryce não foi a única a perder sua coroa. Poucos minutos depois, a britânica Jessica Ennis-Hill, medalhista de ouro em casa nos Jogos de Londres-2012, foi derrotada pela belga Nafissatou Thiam na competição olímpica do heptatlo.

Thiam, de apenas 21 anos, venceu a competição com 6810 pontos, contra 6775 da britânica, depois de uma duelo acirrado em cada uma das sete provas.

O britânico Mo Farah, por sua vez, não perdeu o encontro marcado com a história. O atleta de 33 anos venceu os 10.000 m em 27:05.17, superando na reta final o queniano Paul Tanui, que ficou com a prata (27:05.64).

Sua próxima meta é repetir o feito de Londres-2012, quando completou a dobradinha 5.000-10.000.

Uma das imagens mais marcantes da noite foi o tombo que Farah levou pouco antes da metade da prova, quando ficou encaixotado por outros corredores.

A imagem foi assustadora, mas o britânico se levantou logo e, depois de ficar um tempo no meio do pelotão, voltou a correr entre os líderes e acabou superando Tanui na reta final.

"Eu pensei: 'Oh meu Deus, aconteceu'. Queria logo voltar na cola dos caras e continuar forte na frente. Nunca é fácil e pensei no trabalho duro que fiz no treino, não poderia ter desistido, pensei na minha família", comentou um emocionado Farah, que desabou depois de cruzar a linha de chegada e fez questão de beijar a pista do Engenhão.

Surpresas no tênisO dia no tênis foi marcado por surpresas, como o título no torneio feminino de Mónica Puig, que derrotou na final a alemã Angelique Kerber e conquistou a primeira medalha de ouro da história de Porto Rico em uma Olimpíada.

A porto-riquenha venceu a partida por 2-1, com parciais de 6-4, 4-6 e 6-1.

Esta é uma das maiores surpresas da história do tênis olímpico, já que Puig nunca se aproximou do Top 10 e o ouro no torneio feminino sempre foi conquistado por uma jogadora que estava entre as primeiras do ranking desde o retorno da modalidade ao programa olímpico em Seul-1998.

Atualmente, Puig é a número 34 do ranking WTA, enquanto Kerber ocupa o segundo lugar na classificação mundial e nesta temporada venceu o título do Aberto da Austrália e foi vice em Wimbledon.

No torneio masculino, o argentino Juan Martín del Potro avançou para a final depois de vencer o espanhol Rafael Nadal em uma emocionante semifinal por 5-7, 6-4 e 7-6 (7/5), em três horas e oito minutos de jogo.

O rival na final de domingo, na luta pelo ouro olímpico, será o britânico Andy Murray, número dois do mundo e campeão em Londres-2012, que neste sábado derrotou o japonês Kei Nishikori na outra semifinal por um contundente 6-1 e 6-4.

O argentino tenta recuperar seu lugar no circuito depois de anos prejudicado por lesões, que quase o levaram a renunciar à carreira em 2015.

A tenista americana Venus Williams se classificou neste sábado para a final das duplas mistas dos Jogos do Rio-2016 e entrará para a história olímpica ao garantir sua quinta medalha.

Aos 36 anos, a irmã de Serena venceu com Rajeev Ram a dupla indiana formada por Sania Mirza e Rohan Bopanna, nas semifinais do torneio olímpico de tênis com parciais de 2-6, 6-2, 10-3.

No domingo, Venus tentará se tornar a primeira tenista a ganhar cinco medalhas de ouro olímpicas.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte

Topo