Esporte

Brasil atropela Honduras e pegará Alemanha na final do Jogos Rio-2016

17/08/2016 20h20

Rio de Janeiro, 17 Ago 2016 (AFP) - Com atuação irretocável e direito a gol mais rápido da história dos Jogos Olímpicos, o Brasil atropelou Honduras por 6 a 0, nesta quarta-feira no Maracanã, se classificando à final do Rio-2016, na qual voltará a disputar o tão sonhado e inédito ouro, desta vez contra a Alemanha.

Há alguns anos, um confronto contra Honduras sempre significaria vitória brasileira de goleada, mas, com o declínio recente da seleção, todo jogo, por menor a tradição no futebol do adversário, é de deixar o torcedor com um pé atrás.

Ainda mais porque a equipe hondurenha, treinada pelo colombiano Jorge Luis Pinto, que levou a Costa Rica às quartas de final do Mundial-2014, vinha mostrando qualidade no torneio olímpico, sendo responsável inclusive pela eliminação da tradicional Argentina na fase de grupos.

Nesta quarta-feira, porém, a equipe olímpica do Brasil fez o Maracanã voltar a sonhar, após seguidas desilusões e uma sentida ausência na final da Copa do Mundo-2014, devido à triste eliminação nas semifinais diante da Alemanha com uma goleada humilhante de 7-1, privando o estádio mais charmoso do mundo de ver a seleção na decisão.

Em atuação de gala do quarteto ofensivo do técnico Rogério Micale, com um gol de Luan e dois de Gabriel Jesus e Neymar cada, o Brasil selou a classificação à final da Rio-2016, onde voltará a brigar pelo único título que lhe falta: o ouro olímpico, após as pratas em Los Angeles-1984, Seul-1988 e Londres-2012.

O zagueiro Marquinhos também balançou as redes, recompensando mais uma segura partida do sistema defensivo do Brasil, que segue sem ter sofrido um gol sequer em cinco jogos no Rio-2016.

Na final, o Brasil terá a oportunidade de se vingar - com dois anos de atraso - da derrota nas semifinais do Mundial-2014 para a Alemanha, que avançou à disputa do ouro olímpico ao derrotar a Nigéria por 2 a 0 na Arena Corinthians.

A decisão do torneio de futebol do Rio-2016 será disputada no Maracanã no próximo sábado, às 17h30, horário de Brasília.

- Gol-relâmpago e goleada -O espetáculo apresentado pela seleção empolgou a torcida no Maracanã, que, ao som do apito final, já deixava claro quem gostaria de enfrentar na decisão pelo ouro olímpico: "Ô Alemanha, pode esperar, a sua hora vai chegar!", já pensando em vingar a maior derrota da história do futebol brasileiro.

Contente com as boas atuações brasileiras nos últimos dois jogos, uma goleada por 4 a 0 sobre a Dinamarca pela fase de grupos e uma vitória sem sustos por 2 a 0 diante da Colômbia, pelas quartas de final, Micale optou por reeditar a formação que vem dando certo.

Com isso, o técnico manteve o quarteto ofensivo Luan-Neymar-Gabigol-Gabriel Jesus na frente, protegendo a zaga com o volante Wallace, que entrou no lugar de Felipe Anderson e não saiu mais.

Como de costume, a torcida brasileira apostava em grande atuação de Neymar para levar a seleção à final dos Jogos Olímpicos e o capitão mostrou seu valor.

Quatorze segundos após o árbitro autorizar o início da partida, Neymar pressionou a saída de bola hondurenha e Palácios entregou. Na sobra, o atacante do Barcelona dividiu com o goleiro Lopez e a bola foi caprichosamente morrer no fundo das redes.

O gol de Neymar foi o mais rápido da história do futebol em Jogos Olímpicos, superando a canadense Janine Beckie, que havia marcado no 20º segundo do duelo contra a Austrália, nos mesmos Jogos Rio-2016.

Jogando de maneira ofensiva e contra uma equipe hondurenha surpreendida pelo gol-relâmpago do Brasil, a seleção continuou sufocando o adversário no seu campo e criando ótimas chances de ampliar, o que aconteceu aos 25 minutos.

No lance, Luan recebeu no meio de campo, levantou a cabeça e deixou Gabriel Jesus na cara do gol. O novo atacante do Manchester City só teve o trabalho de tirar de Lopez e sair para o abraço.

Aos 34, foi a vez de Neymar, com um lançamento rasteiro e milimétrico, deixar Gabriel Jesus livre para chutar forte por cima do pobre goleiro hondurenho e garantir vantagem de 3 a 0 para o Brasil no intervalo.

- Neymar sela vitória -No segundo tempo, a seleção voltou para campo sabendo que o adversário não tinha condições de reverter o placar, mas a qualidade do time brasileiro voltou a fazer diferença.

Sem forçar, o Brasil fez o quarto gol com Marquinhos, que apareceu livre na área para finalizar escanteio cobrado por Neymar, aos 4 minutos.

Para agradecer os quase 70.000 torcedores que lotaram o Maracanã nesta tarde quente de quarta-feira, o Brasil aproveitou o restante do jogo para ensaiar jogadas de efeito, dribles e passes precisos.

As jogadas foram funcionando e os espaços na zaga de Honduras aparecendo.

Aos 33, Luan, em mais uma ótima apresentação vestindo a 'amarelinha', mandou para as redes um cruzamento rasteiro de Felipe Anderson, após ótimo contra-ataque puxado por Gabigol.

O espetáculo, porém, só termina quando o maestro manda e Neymar não estava satisfeito. Além do gol mais rápido da história dos Jogos Olímpicos e de duas assistências, o camisa 10 fechou a exibição de gala do Brasil marcando o sexto gol, em pênalti sofrido por Luan, nos acréscimos.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte

Topo