Esporte

Vôlei do Brasil e Rússia voltam a se cruzar no Rio-2016

18/08/2016 21h19

Rio de Janeiro, 19 Ago 2016 (AFP) - O vôlei brasileiro à prova. A Rússia, seu carrasco em Londres-2012, volta a cruzar o seu caminho para o ouro e a seleção canarinha deverá demonstrar no Rio-2016 que superou o trauma para recuperar o título que conquistou há 12 anos.

Desde o primeiro dia, o técnico Bernardinho e seus jogadores escutam a mesma pergunta: O Brasil está pronto para superar a pressão e ganhar o ouro que deixou escapar em Pequim-2008 e Londres-2012?

A resposta começará a ser definida na sexta-feira, quando os anfitriões enfrentarem nas semifinais a Rússia, o rival que há quatro anos os derrotou de virada, após o Brasil ter vencido os dois primeiros sets, e levou o ouro.

Os russos "jogam bem e vamos precisar de paciência para superá-los, e é claro que existe rivalidade, mas isso é saudável" para o vôlei, comentou Lucas depois de vencer da Argentina nas quartas de final, na quarta-feira.

Além da rivalidade lógica entre duas seleções de classe mundial, os brasileiros evitam as comparações com as equipes que protagonizaram o 3-2 dos russos em Londres.

"São jogadores diferentes, situação diferente", repetiu algumas vezes Bruno, o capitão da equipe brasileira, ante a insistente pergunta de jornalistas sobre uma reedição do duelo de 2012.

O jogador admitiu, porém, que a equipe mantém o seu estilo.

Além do ataque e do estado físico dos russos, o Brasil deverá lutar contra seus demônios e usar a seu favor a força de uma torcida incondicional apaixonada pelo vôlei.

"Não entramos com medo", advertiu Wallace ao final do clássico com a Argentina.

Uma mensagem para os que põem em dúvida a firmeza da equipe nos momentos de pressão, apesar de que no Rio-2016 os jogadores demonstraram, em um duelo decisivo contra a França, que sobra espírito para aguentar a adversidade.

A derrota das meninas do vôlei para a China nas quarta de final, na terça-feira, destruiu os sonhos de um país que esperava somar dois ouros no Maracanãzinho, templo do vôlei brasileiro, e de uma equipe que buscava seu terceiro título olímpico consecutivo.

Agora os torcedores pedem à equipe masculina que vingue a derrota feminina e conquiste a medalha que elas deixaram escapar.

O líbero Serginho lamentou a eliminação das suas compatriotas e advertiu que a derrota "não vai tirar seu brilho, elas são bicampeãs olímpicas".

"Têm de juntar os cacos e seguir" em frente, foi o conselho do jogador veterano que entende de vitórias e derrotas, após pendurar o ouro no pescoço em Atenas-2004 e perder nas finais dos dois últimos Jogos Olímpicos.

Se os brasileiros passarem pela Rússia, disputarão a final com o vencedor do jogo entre Estados Unidos, a equipe para a que perderam a medalha dourada em Pequim, e Itália.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte

Topo