Esporte

Membro do COI envolvido em vendas ilegais levado para o presídio de Bangu

19/08/2016 12h14

Rio de Janeiro, 19 Ago 2016 (AFP) - O irlandês Patrick Hickey, membro do COI detido na quarta-feira no Rio de Janeiro como parte de uma investigação sobre uma rede de venda ilegal de ingressos para os Jogos Olímpicos Rio-2016, foi colocado em uma prisão de segurança máxima, indicou nesta sexta-feira a polícia.

"Patrick Hickey foi liberado na quinta-feira do hospital onde era tratado desde a sua detenção. Seus advogados entraram com um pedido de habeas corpus em seu nome, mas que foi negado pela justiça. Patrick Hickey foi encaminhado ainda ontem (quinta-feira) para o complexo penitenciário de Bangu", de acordo com um comunicado da polícia dos grandes eventos enviado à AFP.

Acusado de envolvimento em uma rede de venda ilegal de ingressos para os Jogos, Patrick Hickey, de 71 anos, um dos principais líderes do COI, foi preso no hotel onde estava hospedado na Barra da Tijuca, perto do Parque Olímpico.

Num primeiro momento, ele havia tentado se esconder, sem êxito, e durante a sua detenção passou mal, segundo a polícia, tendo sido levado para o hospital mais próximo, a pedido de um médico.

No mesmo dia de sua prisão, Hickey renunciou "temporariamente" à "presidência do membro do Comitê Olímpico Irlandês, de sua função de membro do COI, da presidência dos Comitês Olímpicos da Europa e da vice-presidência da Associação dos Comitês Olímpicos", indicou o Comitê irlandês em um comunicado.

"Ao contrário de alguns relatos, Hickey não resistiu à prisão. Hickey passou mal quando o mandado de prisão foi emitido e foi levado para o hospital como medida de precaução", havia dito.

A operação policial prosseguiu com uma série de detenções e vários outros mandados de prisão.

Além de Hickey, o irlandês Kevin James Mallon, diretor da empresa THG Sports, foi preso em 5 de agosto, no Rio, no dia da cerimônia de abertura da Olimpíada, acusado de venda ilegal de entradas.

A justiça também emitiu ordens de prisão contra o presidente do clube de futebol inglês Ipswich Town, Marcus Evans, e David Patrick Gilmore (Irlanda), Maarten van Os (Holanda) e Martin Studd (Inglaterra).

Os quatro são acusados de revender ilegalmente ingressos obtidos através do Comitê Olímpico Irlandês. Como não se encontram no Brasil, a Interpol receberá os pedidos de prisão.

No todo, a polícia apreendeu 781 ingressos que eram vendidos a preços muito elevados. Aqueles para a cerimônia de abertura foram vendidos a 8.000 dólares, enquanto que o maior preço oficial era de 1.300 dólares.

O tráfico gerou uma receita de "pelo menos 10 milhões de reais (2,8 milhões de euros). O valor na frente dos ingressos apreendidos era de 626 reais, mas foram vendidos até 30 vezes esse preço", indicou na quarta-feira Ricardo Barbosa, da unidade anti-fraude da polícia do Rio.

bur-cdo/ka/mr

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte

Topo