Esporte

Brasil encara velha conhecida Itália em busca do ouro no vôlei

20/08/2016 17h57

Rio de Janeiro, 20 Ago 2016 (AFP) - Depois de amargar dois vice-campeonatos seguidos, a seleção brasileira de vôlei disputa neste domingo (21) a grande final masculina dos Jogos do Rio-2016, contra a Itália, em busca da terceira medalha de ouro olímpica, que escapa há 12 anos.

Em Atenas-2004, o adversário na decisão era justamente a "Azzurra", que, desde então, virou "freguesa" do Brasil, perdendo também as semifinais de Pequim-2008 e de Londres-2012.

O líbero Serginho, de 40, estava presente em todas essas campanhas e espera agora encerrar sua carreira em grande estilo no Maracanãzinho.

"Fazer quatro finais seguidas de Olimpíada é incrível. Na minha idade, poder estar jogando de igual para igual com esses jovens... Queremos fazer história dentro de casa. Vamos deixar a vida na quadra", prometeu o veterano.

Além do retrospecto favorável contra a Itália nas últimas olimpíadas, outro dado pode encher o torcedor de otimismo: também houve um intervalo de 12 anos entre a conquista do primeiro e do segundo ouro olímpico no masculino, de Barcelona-1992 a Atenas-2004.

Superstições à parte, os comandados de Bernardinho terão de encarar com cautela um adversário que chegou à decisão com méritos, depois de uma vitória espetacular por 3 a 2 sobre os Estados Unidos.

"Vamos ter que aguentar a pressão da Itália no saque e buscar mais agressividade com o nosso saque, porque eles sempre jogam um grande vôlei", analisou o levantador Bruninho, filho do treinador, que fez sua melhor partida na semifinal contra a Rússia.

Italianos 'importados'Essa semi serviu para deixar para trás o trauma da última final olímpica, há quatro anos em Londres, quando perdeu de virada para os russos, em um jogo no qual o Brasil chegou a vencer por 2-0, com direito a "match point" no terceiro.

Apesar da revanche com vitória contundente, Bernardinho não estava totalmente satisfeito. "Jogamos bem, mas não é suficiente para a próxima partida", alertou.

A seleção da Itália, de grande tradição no esporte, entrará em quadra motivada para ganhar um dos únicos grandes título que ainda não conquistou.

O país conta com um campeonato de clubes poderoso, que atrai grandes jogadores de todos os países, inclusive o Brasil, como Bruninho, que atua no Modena.

Alguns estrangeiros até preferiram pedir a cidadania para defender a "Azzurra" - entre eles, o cubano Osmany Juantorena.

"Temos uma equipe forte, que não se dá por vencida até a última bola e já mostramos isso", afirmou o ponteiro de 31 anos, que é uma das peças-chave do técnico Gianlorenzo Blengini.

Outro destaque de origem estrangeira é Ivan Zaytsev, filho de um casal de ex-atletas russos (o pai era jogador de vôlei, e a mãe, nadadora) que nasceu na Itália.

Na disputa pelo bronze, Estados Unidos e Rússia repetirão a final de Seul-1988, quando os americanos derrotaram a então União Soviética, que iria entrar em colapso pouco depois, com a queda do muro de Berlim.

-- Programação dos Jogos de domingo (horário de Brasília):

- Disputa pelo bronze

Estados Unidos - Rússia 9h30

- Final

Brasil - Itália 13h15.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte

Topo