Esporte

Avião da LaMia tinha pouco combustível, revela investigação oficial

26/12/2016 17h58

Bogotá, 26 dez 2016 (AFP) - O avião da companhia boliviana LaMia, que caiu quando transportava a delegação da Chapecoense, tinha combustível limitado para o trajeto que percorria - de acordo com os resultados da investigação preliminar da Aeronáutica Civil da Colômbia, divulgados nesta segunda-feira (26) em Bogotá.

Os pilotos "estavam cientes de que o combustível que tinham não era o adequado, nem o suficiente", declarou o secretário de Segurança Aérea do governo colombiano, Freddy Bonilla, em coletiva de imprensa.

Apesar do pouco combustível, os pilotos não repassaram a informação às autoridades aeronáuticas colombianas e anunciaram estar em situação de emergência apenas a seis minutos do impacto, na zona rural de Medellín. Na queda, faleceram 71 pessoas, entre integrantes da delegação da Chapecoense, jornalistas e tripulantes.

Ainda segundo o governo colombiano, o piloto da aeronave, Miguel Quiroga, e o copiloto, Ovar Goytia, planejaram aterrissar em Bogotá, ou na cidade colombiana de Leticia (no sul do país), por "estar no limite do combustível", mas não fizeram qualquer requerimento para cumprir o planejado.

"Até agora, temos evidências de que nenhum fator técnico influenciou o acidente. Tudo está relacionado ao fator humano e administrativo", afirmou Bonilla.

Segundo o secretário, embora o avião viajasse com excesso de cerca de 500 quilos de peso, isso não foi "determinante" para o acidente.

Plano de voo foi ignoradoDe acordo com o inquérito, a autoridade encarregada de aprovar os planos de voo na Bolívia errou ao aprovar as condições "inaceitáveis" propostas pela LaMia, permitindo que o avião, modelo RJ85, voasse acima dos 29.000 pés. O aparelho não tinha capacidade para essa altitude.

"Não se cumpriu o plano de voo", afirmou, explicando que, para a rota entre Santa Cruz de la Sierra (Bolívia) e Medellín, a aeronave deveria contar com uma reserva de combustível para permanecer no ar por pelo menos 1h40.

A tripulação ignorou uma escala para se reabastecer, relatou a mesma fonte, acrescentando que, pela norma internacional, a Colômbia é responsável pela investigação por ser o local onde aconteceu o acidente.

Minuto a minuto da tragédiaSegundo a Aeronáutica Civil da Colômbia, às 21h49 locais de 28 de novembro, os pilotos pedem prioridade para pousar por possível problema de combustível. A controladora aérea do aeroporto José María Córdova de Rionegro lhes dá, então, "a rota mais direta e imediata".

Nessa mesma hora, o avião da LaMia começa a descer sem autorização e apesar de um avião da Avianca já estar em processo de aterrissagem e de haver outros no mesmo setor.

Cinco minutos antes do acidente, às 21h53 locais, um dos motores se apaga e, três minutos depois, os quatro deixam de funcionar.

Às 21h57 locais, a tripulação se declara em emergência por "pane elétrica total" e "sem combustível", e o sinal do radar desaparece. Os pilotos pedem vetores para aterrissar e iniciam a descida a 9.000 pés - cerca de 1.000 pés abaixo da altitude mínima do setor.

O avião se choca com o Monte Gordo às 21h58 locais, a 50 km de Medellín, a uma velocidade de 115 nós (230 km/h em média).

"Estamos investigando o motivo pelo qual não reportam antes (a emergência)", completou Bonilla.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte

Topo