Esporte

Atlético Nacional goleia Chape e é campeão da Recopa Sul-Americana

11/05/2017 00h06

Medellín, Colômbia, 11 Mai 2017 (AFP) - O Atlético Nacional, da Colômbia, conquistou nesta quarta-feira o título da Recopa Sul-Americana ao golear por 4 a 1 a Chapecoense, em jogo marcado pelas lembranças da tragédia aérea que dizimou o elenco da equipe catarinense, há cinco meses.

A Chape, que havia vencido em Santa Catarina por 2 a 1 na partida de ida, não foi páreo para uma equipe colombiana mais técnica e eficiente no ataque, que conquistou assim o 7º título de sua história, após se tornar campeã da Copa Libertadores no ano passado.

O Atlético decidiu rapidamente o jogo, voltando para o intervalo com vantagem de 2 a 0, após os gols de Dayro Moreno, aos 2 minutos, e Ibargüen, aos 15.

No segundo tempo, o time de Medellín anoutou outros dois gols, novamente com Moreno, aos 22, e Ibargüen, aos 35, antes de Túlio de Melo anotar o gol de honra da Chapecoense, aos 40.

Antes da bola rolar, o estádio Atanásio Girardot, que seria palco do confronto de ida da final da Copa Sul-Americana entre essas duas mesmas equipes, que acabou nunca acontecendo devido ao acidente aéreo que dizimou o elenco da Chapecoense, foi tomado por homenagens aos mortos, reencontros e nostalgia.

Os quatro sobreviventes brasileiros do voo, os jogadores Jackson Fullman, Alan Ruschel e Neto, além do jornalista Rafael Henzel, estiveram presentes e foram aplaudidos de pé pela torcida do Atlético, em cena emocionante.

- Pressão colombiana -Durante toda a semana que antecedeu ao reencontro entre esses dois clubes coirmãos, ambos sempre pregaram que os laços afetivos que os uniram na tragédia ficariam fora de campo. De fato, assim que o árbitro apitou o início do jogo, o Atlético Nacional foi atrás do título.

No primeiro lance ofensivo do jogo, logo com 2 minutos, o Atlético roubou a bola no meio de campo e Dayro Moreno recebeu livre na entrada da área. O atacante chutou rasteiro, de longe, e a bola passou por baixo do goleiro Artur Moraes.

O gol fez explodir o lotado estádio Atanásio Girardot, que ainda exibia o lindo mosaico erguido pela torcida antes da partida, com a frase "Campeón del Continente" em verde e branco, cores do atual campeão da Copa Libertadores.

Assim, a Chapecoense perdia num piscar de olhos a vantagem construída a duras penas em Santa Catarina, onde havia vencido por 2 a 1 há duas semanas.

Como não há critério de desempate com gol marcado fora de casa na Recopa Sul-Americana, o gol do Atlético Nacional levava a decisão para a prorrogação e, caso o resultado persistisse, para os pênaltis.

O clube colombiano, apoiado por sua fanática torcida, não quis saber de prorrogação e seguiu dominando completamente o jogo diante de uma assustada equipe da Chape.

A superioridade do Atlético em campo acabou se traduzindo em um segundo gol aos 31 minutos, quando Macnelly Torres recebeu cobrança de lateral rápida pela ponta esquerda e rolou para Ibargüen dentro da área da Chape. O atacante, com muita calma, driblou a marcação e chutou no ângulo de Artur Moraes: 2 a 0.

- Goleada e título -Precisando de um gol para manter vivo o sonho do título da Recopa, o técnico Vágner Mancini tirou o meia Luiz Antonio e colocou o lateral Apodi, liberando João Pedro para se posicionar como ponta.

A mudança deu muito certo e, nos primeiros 10 minutos do segundo tempo, a Chapecoense criou mais do que em todo o primeiro tempo.

Logo aos 2 minutos, a Chape teve sua melhor chance na partida.

João Pedro escapou pela esquerda, driblou a marcação e encontrou Arthur Caíke livre na marca do pênalti. O atacante dominou e tirou do goleiro, mas o zagueirão Alexis Henriquez apareceu para tirar a bola em cima da linha, num lance incrível.

Aos 8, novamente João Pedro apareceu no ataque com velocidade e soltou a bomba. O goleiro Armani foi buscar, fazendo bonita defesa.

Após sobreviver ao ímpeto ofensivo da Chape, o Atlético se recompôs e, no primeiro contra-ataque que encaixou, selou de vez o título.

Aos 22, Ibargën, maestro da equipe colombiana, driblou Apodi com facilidade e cruzou na área da Chape, onde Rodríguez ajeitou de cabeça para Moreno, sozinho na pequena área, marcar seu segundo gol no jogo, o terceiro do Atlético.

Entregue em campo, a Chapecoense ainda teve que assistir Ibargën marcar um gol de pura sorte em outro rápido contra-ataque.

Aos 35, o veloz e habilidoso meia driblou Grolli e na hora do chute, protagonizou cena bizarra, chutando a bola em seu próprio pé de apoio. A bola acabou encobrindo o goleiro Artur Moraes, que nada pôde fazer.

A cinco minutos do fim, a Chape encontrou um gol de honra com Túlio de Melo, que apareceu livre na área colombiana e mandou para as redes uma bola alçada por Osman Jr.

Com o título já nas mãos de sua equipe, a torcida do Atlético aplaudiu o esforço dos jogadores da Chape, que tiveram atuação abaixo do esperado e acabaram sucumbindo diante de um adversário muito bem treinado e claramente superior tecnicamente.

am

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte

Topo