Esporte

Buffon afirma que Bola de Ouro é "algo secundário"

02/06/2017 18h23

Cardiff, Reino Unido, 2 Jun 2017 (AFP) - O goleiro da Juventus Gianluigi Buffon, que aos 39 anos poderá abrilhantar ainda mais a incrível carreira com uma vitória neste sábado na final da Liga dos Campeões contra o Real Madrid, afirmou nesta sexta-feira que só pensa no título e não na Bola de Ouro.

"Gosto que falem que posso ganhar a Bola de Ouro, mas é algo secundário. Para mim o que vale é ganhar no sábado, o resto eu tento fazer com que não me afete. Veremos o que acontece no jogo, o resto não me interessa", declarou Buffon.

"O futebol é a metáfora da vida. Cristiano Ronaldo e Messi são referências. Este jogo é especial e tem valor enorme para mim. Para um jogador que passou tanto tempo na Juventus como eu e que recebeu mais do que deu. Um triunfo no sábado seria o final perfeito para minha carreira. As pessoas gostam quando tem emoção e gostam de finais felizes", completou.

Vencendo o título, as chances do goleiro de conquistar a Bola de Ouro cresceriam, sendo que seu principal adversário pelo prêmio, o português Cristiano Ronaldo, estará do outro lado do campo na final de sábado, em Cardiff.

"É muito possível que Cristiano seja um modelo de atleta, um modelo a seguir por todos, os grandes e os pequenos, por qualquer interessado em futebol. Qualquer pessoa pode tê-lo como modelo", elogiou o veterano goleiro.

"Aos 39 anos, pensava que não tinha mais o que aprender, mas com pessoas como meu companheiro Daniel Alves, que ganhou a Champions com o Barcelona, ou Cristiano ou Messi, que ganharam muito e seguem trabalhando, aprendi muito", continuou.

- Batalha com Cristiano -"Não passa pela minha cabeça nem tenho a pretensão de me comparar com Cristiano Ronaldo. Estamos em lugares distintos no campo. Eu tenho que defender meu gol e ele tem que atacar. Tenho que tentar fazer com que não marque. Ele pode influenciar a partida mais do que eu", explicou.

Buffon, que jogou duas finais de Champions, em 2003 e 2015, ambas perdidas, busca seu primeiro título e, para isso, acredita que a equipe precisa brilhar, não as individualidades.

"O mais importante, e esperamos conseguir isso, é que joguemos como equipe, um grupo compacto. Que o cimento de nosso trabalho seja o altruísmo. Também quero ter uma ótima atuação para poder ajudar a equipe. Esse é o maior presente que posso oferecer aos meus companheiros", resumiu.

"O perigo não virá só de Benzema ou Cristiano Ronaldo, mas sim de muitos jogadores que o Real Madrid tem. São tantos que eu não gostaria de ficar sonhando com todos à noite", brincou.

Ao fim da coletiva, Buffon elogiou o trabalho como técnico do Real de Zinedine Zidane, seu adversário como jogador na final da Copa do Mundo-2006, vencida pela Itália sobre a França.

O goleiro afirmou não ter se surpreendido com o sucesso como treinador de Zidane.

"Tudo tem a ver com um conjunto de experiências. E quando você joga futebol e tem a sorte de jogar com ou contra grandes campeões, talvez você se torne um técnico", disse.

"O fato de reencontrá-lo em outra final 11 anos depois não me surpreende. Ele não perdeu esse pedigree de vencedor e segue o tendo como técnico. A vida, de vez em quando, nos coloca frente a diferentes desafios e se ele perder essa final isso não vai afetar em nada sua fantástica carreira como jogador e técnico", concluiu.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Esporte

Topo