Esporte

Aspirante a sediar Mundial, China assedia Fifa com patrocínios

07/06/2017 14h36

Pequim, 7 Jun 2017 (AFP) - O futebol chinês não brilha em nível mundial, mas as grandes empresas do país têm peso cada vez maior na Fifa, por meio de contratos de patrocínio, num contexto em que o gigante asiático aspira sediar a Copa do Mundo de 2030.

Em um ano, a Federação Internacional de Futebol iniciou relações com três colaboradores chineses: Wanda (shoppings e cinemas), Hisense (3º maior vendedor de televisões) e a Vivo (telefonia celular).

A líder mundial de comércio online, Alibaba, também é chinesa e patrocina o Mundial de Clubes da Fifa desde 2015.

As grandes empresas do gigante asiático iniciaram suas relações depois da saída de várias marcas, como Sony, Emirates, Castrol, Continental, Johnson & Johnson, por conta dos escândalos de corrupção da "era Blatter".

"Vivo se sentiu muito bem recebida pela Fifa e foi por isso que a negociação foi muito rápida", explicou à AFP Mark Gao, diretor geral da Momentum Sports, intermediária do acordo.

"Estou certo de que a chegada destes patrocinadores vai promover e acelerar a candidatura e a organização da Copa do Mundo da China", acrescentou.

Quando Wanda se tornou patrocinadora em 2016, o dono Wang Juanlin, com muita influência dentro do governo, declarou que o acordo "aumentava as chances de sediar um Mundial".

Longe dos melhoresA seleção chinesa está na 82ª posição no ranking da Fifa, atrás das Ilhas Feroe e Benim. Mas o presidente Xi Jinping, apaixonado por futebol, indicou que o objetivo é que o país organize o Mundial algum dia.

A próxima Copa do Mundo vai ser no ano que vem, na Rússia (Europa), e a seguinte em 2022, no Catar (Ásia). A Fifa impõe que o torneio faça um revezamento de continentes, o que impossibilita a China organizar a disputa em 2026.

Mas Zhang Jian, vice-presidente da federação chinesa, indicou no ano passado que confia nas chances do país em organizar a competição de 2030. Além disso, Jian foi eleito em maio para o conselho da Fifa, que define as estratégias da instituição.

"O Mundial tem que ir ao país que faça a melhor proposta", indicou à BBC o presidente da Uefa, Aleksander Ceferin.

Militante de uma candidatura europeia para o Mundial de 2030, Ceferin também é membro do conselho da Fifa.

"Não podemos vender a competição a quem pagar mais. As regras não podem mudar simplesmente porque existem grandes patrocinadores", acrescentou.

Sebastian Chiappero, diretor do escritório Sponsorize especializado em patrocínios, não acredita na relação entre patrocínios e nomeação da sede para a Copa do Mundo.

"Os patrocinadores pensam primeiramente em promover seus produtos. Na teoria, não têm nenhuma influência sobre a escolha da sede do Mundial. Se não, os Estados Unidos organizariam com frequência, graças a McDonald's e Coca-Cola", sublinhou.

"E os estatutos da Fifa impedem qualquer conflito de interesse. Além disso, na prática, não estamos nos corredores para saber o que está sendo dito", acrescentou Chiappero.

Sem transparência"O desenvolvimento da votação e do funcionamento interno da Fifa são complexos e nem sempre transparentes", acrescentou Marcus Lüer, diretor geral da agência de marketing esportivo TSA, com sede em Cingapura.

Os patrocinadores chineses "ajudarão a mostrar que a China está impaciente para organizar a Copa do Mundo e que tem as empresas necessárias para apoiar esse processo", indicou.

Segundo Lüer, a China seria "um país ideal" para sediar o Mundial porque é apaixonada pelo esporte, tem instalações parcialmente construídas, apoio do governo e experiência em grandes eventos, como nas Olimpíadas de 2008.

"A questão não é saber se vai organizar a Copa do Mundo ou não, é saber quando isso vai acontecer", concluiu.

ehl/bar/pm/fa/mvv

MCDONALD'S

SONY

CONTINENTAL

JOHNSON & JOHNSON

ALIBABA GROUP HOLDING

COCA-COLA

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Esporte

Topo