Topo

Esporte

Nadal pode voltar ao topo em Wimbledon com Federer como favorito

02/07/2017 14h22

Londres, 2 Jul 2017 (AFP) - O espanhol Rafael Nadal pode recuperar a primeira posição do ranking ATP, a partir desta segunda-feira, quando inicia o torneio de Wimbledon, que tem o velho rival Roger Federer como grande favorito a levantar o troféu do Grand Slam.

No quadro feminino, a disputa pelo título está mais aberta, graças a ausência da americana Serena Williams, grávida.

Aos 31 anos, Nadal quer levantar o tricampeonato da competição. A temporada do espanhol é excelente: finalista no Aberto da Austrália e título em Roland Garros. O que joga contra é o fato de não disputar competições na grama há dois anos, além das últimas aparições em Wimbledon não terem sido boas.

"Este é um torneio que dá para ser eliminado rapidamente. Mas ao mesmo tempo, me sinto confiante para ir adiante. Acho que estou com confiança. Estou jogando bem desde o início da temporada", afirmou Nadal.

O vencedor de 15 Grand Slams, dois no torneio londrino, em 2008 e 2010, vai iniciar a luta pelo tricampeonato contra o australiano John Millman, número 137 do ranking mundial.

- Federer, em busca do recorde em Wimbledon -Nas últimas quatro edições que o espanhol participou, Nadal foi melhor em 2014, quando caiu nas oitavas de final. Nos outros anos, foi eliminado na estreia e duas vezes na segunda fase.

Mas a fase é boa e se Nadal chegar à decisão pode voltar a ser o número 1 do ranking mundial. Para isso, precisa que o britânico Andy Murray, atual dono do posto, não chegue até a final. O sérvio Novak Djokovic e o suíço Stan Wawrinka são outros que correm por fora para assumir a liderança do circuito ATP.

No entanto, o grande favorito ao torneio é o suíço Roger Federer. O maior tenista da história, com 18 títulos de Grand Slam, quer levantar o troféu de Wimbledon pela oitava vez. A conquista seria um recorde, já que o suíço divide a honra de ser o maior vencedor em Londres com Pete Sampras, cada um com sete títulos.

O que não resta dúvidas é que no final da temporada o melhor tenista do mundo terá mais de 30 anos, algo que não acontece desde 1973, quando o ranking ATP foi criado.

- Djokovic e Murray, incógnitas -Djokovic faz temporada discreta, mas chega à Wimbledon com o título no torneio de Eastbourne. É a segunda taça do sérvio no ano, além da conquista em Doha.

"Há 12 meses tinha acabado de vencer 4 torneios de Grand Slams consecutivos, chegava à Wimbledon num estado completamente diferente. Mas preciso confiar em mim", avaliou Djoko.

Já Murray defende o título, apesar de chegar ao torneio com problemas físicos e em má fase. O britânico foi eliminado na primeira rodada do torneio de Queen's.

Para Federer, a má temporada do escocês "não tem importância porque ele é um dos melhores jogadores em Wimbledon na primeira semana".

"É parecido com Novak e Rafa. Novak acaba de vencer em Eastbourne e Rafa está em grande fase depois da temporada no saibro. Vai ser difícil superá-los", avaliou Federer.

- A coroa feminina mais aberta do que nunca -A ausência de Serena Williams e a lesão da russa Maria Sharapova abrem possibilidades para uma tenista vencer o torneio de maneira inédita. A alemã Angelique Kerber, número 1 do mundo, se apresenta como a melhor candidata para isso.

Além dela, a letã Jalena Ostapenko, surpresa no título de Roland Garros e campeã júnior em Wimbledon 2014, a espanhola Garbiñe Muguruza, finalista em 2015 e a romena Simona Halep, semifinalista em 2014, se apresentam como opções.

A tcheca Petra Kvitova, campeã em 2011 e 2014, ficou seis meses afastada das quadras após levar uma facada na mão por um ladrão que invadiu sua casa. O terceiro título em Wimbledon seria a coroação da volta por cima.

"É diferente se Serena não está aqui, mas existem jogadoras muito boas que podem vencer grandes torneios neste momento", comentou Kerber.

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte