Esporte

Frankie Fredericks acusado de corrupção passiva na escolha dos Jogos Rio-2016

03/11/2017 15h55

Paris, 3 Nov 2017 (AFP) - O ex-velocista Frankie Fredericks foi acusado na quinta-feira em Paris de corrupção passiva e lavagem de dinheiro no âmbito de uma investigação sobre a suposta compra de votos na atribuição dos Jogos Olímpicos de 2016 ao Rio de Janeiro, informaram fontes próximas ao caso.

Fredericks, ex-atleta da Namíbia e membro do Comitê Olímpico Internacional (COI), está na mira da justiça francesa por ter recebido um pagamento de 299.300 dólares da empresa do filho do ex-presidente da Federação Internacional de Atletismo (IAAF) no mesmo dia da escolha do Rio como sede dos Jogos de 2016.

O ex-velocista, campeão mundial dos 200 metros em 1993, compareceu na quinta-feira a uma audiência convocada pelo juiz Renaud Van Ruymbeke.

- COI, parte civil -"Acabamos de ser informados da decisão do juiz francês", indicou o COI, parte civil da investigação na França. Sua comissão de ética, que se reúne na segunda-feira, tratará o caso.

A justiça francesa tem competências no caso pela possibilidade de lavagem do dinheiro em Paris.

Fredericks, de 50 anos, justificou o pagamento alegando que foi feito "de acordo com um contrato, datado em 11 de março de 2007, pelos serviços prestados entre 2007 e 2011", e que essa retribuição "não tem nada a ver com os Jogos Olímpicos". Mas ele teve, no entanto, que renunciar à presidência da comissão de avaliação das Olimpíadas de 2024.

O namibiano era o encarregado da apuração dos votos para o COI na eleição da sede dos Jogos do Rio.

O pagamento, em 2 de outubro de 2009 - o dia do anúncio da vitória do Rio de Janeiro como sede em uma reunião do COI em Copenhague - era procedente da empresa de Papa Massata Diack, filho do ex-presidente da Federação Internacional de Atletismo (IAAF) Lamine Diack (1999-2015).

- "Rei Artur" -Além disso, três dias antes, a sociedade do empresário Arthur Soares, apelidado de "Rei Arthur" e vinculado ao ex-governador do Rio Sérgio Cabral, desviou 1,5 milhão de dólares para uma sociedade de Massata Diack.

Em outubro, o presidente do Comitê Organizador do Rio de Janeiro, Carlos Nuzman, foi preso e depois solto em liberdade condicional.

O Brasil acusa Nuzman e Cabral de "solicitarem diretamente" a "Rei Arthur" a entrega de dois milhões de dólares para Papa Massata Diack.

Papa Massata Diack, Sérgio Cabral -que cumpre sentença por corrupção passiva e lavagem de dinheiro- e Soares, foragido, também foram acusados, assim como Leonardo Gryner, ex-braço direito de Nuzman no COB. Sérgio Cabral está preso atualmente, condenado a 14 anos de prisão em um escândalo de corrupção.

De acordo com o Ministério Público, Nuzman, Gryner e Cabral se reuniram com Lamine Diack em agosto de 2009 em Berlim, durante o Mundial de atletismo, onde o senegalês sugeriu à comitiva brasileira tratar dos subornos com seu filho.

Pouco depois de sua acusação formal, Fredericks deixou a presidência da comissão de avaliação dos Jogos Olímpicos de 2024. O ex-campeão do mundo anunciou que não participaria da designação da cidade anfitriã dos Jogos-2024.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte

Topo