Topo

Esporte

Federação de Ginástica dos EUA autoriza atleta a falar de assédio

Ronald Martinez/Getty Images
Mc Kayla Maroney faz careta após medalha de prata nos Jogos Olímpicos de Londres Imagem: Ronald Martinez/Getty Images

Da AFP, em Los Angeles (EUA)

17/01/2018 21h50

Los Angeles, 17 Jan 2018 (AFP) - A Federação Americana de Ginástica recuou nesta quarta-feira e permitirá que a campeã olímpica McKayla Maroney fale publicamente sobre os abusos sexuais que sofreu por parte do então médico da equipe Larry Nassar.

Como parte do acordo para indenizar a família Maroney em 1,25 milhão de dólares, a USA Gymnastics havia obtido o compromisso de McKayla de não falar sobre o caso, sob pena de multa de 100.000 dólares.

O acerto, revelado esta semana pela imprensa americana, chocou o país e fez com que várias personalidades, incluindo a modelo Chrissy Teigen, propusessem pagar a multa para que McKayla - campeã olímpica em Londres-2012 - pudesse contar sua experiência.

"USA Gymnastics jamais tentou e nunca tentará tirar dinheiro de McKayla Maroney por suas valentes revelações sobre os atos e abusos de Larry Nassar", destacou a organização.

"Ela tem o direito de se expressar, a USA Gymnastics incentiva isto, como fez com outras vítimas de abuso sexual. Nossa prioridade segue sendo proporcionar a nossos atletas segurança, saúde e bem-estar, assim como um ambiente favorável".

Já o advogado John Manly, que representa a ginasta, criticou a Federação: "sejamos claros, a USA Gymnastics reverteu sua decisão apenas porque a opinião pública não aceitou seu comportamento...".

Larry Nassar, cujo julgamento começou esta semana em um tribunal de Lansing, Michigan, é acusado de agressão sexual por mais de 100 ginastas, incluindo a estrela Simone Biles.

Nassar foi condenado em dezembro passado a 60 anos de prisão por posse de pornografia infantil.

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte