Topo

Esporte

Jóquei brasileiro iguala recorde mundial de 12.844 vitórias

06/02/2018 17h14

Rio de Janeiro, 6 Fev 2018 (AFP) - O jóquei brasileiro Jorge Ricardo ganhou a 12.844ª corrida no hipódromo do Rio de Janeiro, na segunda-feira (5), igualando o recorde mundial de seu eterno rival canadense, Russell Baze.

Os dois conquistaram mais vitórias do que qualquer outro jóquei ao redor do mundo, alternando o primeiro lugar durante anos.

Quando Baze se aposentou, em 2016, deixou o caminho aberto para Jorge alcançá-lo. O brasileiro colocou à prova seu castigado corpo, que segue resistindo às difíceis corridas sobre cavalo.

O duelo entre Jorge e Baze foi intenso. Durante 15 anos, um foi a sombra do outro: quando um alcançava a marca de 10.000 corridas primeiro, o outro superava as 11.000 vitórias e mantinha viva a rivalidade.

"Acho que tivemos uma conexão", disse Jorge. "Ele sabia sobre as corridas que eu vencia aqui e eu sempre olhava quando ele ganhava lá. Era uma simbiose", acrescentou.

Mas os adversários se reuniram poucas vezes em uma mesma corrida, incluindo disputa cabeça a cabeça no Brasil em 2014, vencida por Jorge.

A rivalidade se tornou guerra de resistência, não apenas contra o adversário mas contra a idade.

"É uma profissão muito arriscada. Você luta com seu corpo e algumas vezes tem sorte, outras não", afirmou.

- Vencedor -Na noite de segunda-feira, Jorge finalmente conquistou seu objetivo na sexta corrida, provocando um pequeno tumulto entre torcedores, familiares e jornalistas aos redor do cavalo Jubileia.

Jorge, que mora na Argentina, disse que quer quebrar o recorde no país vizinho para satisfazer seus fãs locais.

Ainda assim, para um homem que corre sem parar e raramente descansa, conquistar outra vitória pode ser mera formalidade. O verdadeiro desafio já foi alcançado.

"Esperei muito por isso e finalmente consegui", disse em lágrimas.

Como Jorge e Baze são os únicos jóqueis no mundo que ganharam mais de 10.000 corridas, é pouco provável que alguém o supere nos próximos anos.

Perguntado sobre os acidentes sofridos na carreira, Jorge lembra os ossos quebrados: pescoço, úmero, maxilar, costas, cotovelo, dedos, costelas... Além dos golpes, Jorge admite que 56 anos "não é uma idade normal para um jóquei".

- Aposentadoria -Para além da exigência física, existe o desgaste emocional de uma vida ao extremo.

A esposa Renata Teixeira, 42 anos, diz que o recordista é um pai carinhoso, mas "ausente", e que os filhos "se orgulham e sentem saudades". Ela nunca assiste as corridas ao vivo "porque fico muito nervosa" e quero que se aposente.

Mas o atleta parece não escutar o conselho: "cada vez que ele vence, fica mais excitado. Fica pior", disse Renata à AFP. "Não acho que vai parar, não", acrescentou.

A quebra de recordes pode ser o momento ideal para se aposentar, mas não existem sinais de que Ricardo queira seguir o caminho natural após tantas vitórias. Perguntado sobre o assunto depois de igualar a marca na segunda-feira, Ricardo parou de chorar, sorriu e respondeu: "é algo que ainda não passa pela minha cabeça".

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte