Topo

Esporte

Barcelona vai do céu ao inferno na Liga dos Campeões

11/04/2018 11h54

Madri, Espanha, 11 Abr 2018 (AFP) - A dura eliminação nas quartas de final da Liga dos Campeões, com humilhante vitória da Roma por 3 a 0 na terça-feira, evidenciou as fragilidades de um Barcelona que se apoiava na genialidade de Lionel Messi e nos bons resultados para maquiar as debilidades.

Líder isolado do Campeonato Espanhol com o título praticamente garantido, finalista da Copa do Rei e com vantagem de 4 a 1 no jogo de ida da Champions, a queda do Barcelona surpreendeu a todos.

"Fracasso sem desculpas", "Queda culé", "Fracasso total na Europa"... A imprensa espanhola não titubeou na hora de qualificar a terceira eliminação consecutiva do Barça nas quartas de final.

"O conservadorismo de Valverde foi um conservadorismo que se elevou a sua enésima potência, uma falta de ambição imprópria para um time deste nível", considerou o diretor do jornal Sport, Ernest Folch, em sua coluna.

- 'Não nos deixavam jogar' -Com a chegada de Valverde no comando da equipe, o Barça ganhou solidez em detrimento do ataque total, convertendo-se no segundo time com menos gols sofridos na Liga espanhola (16).

No jogo contra a Roma, por outro lado, o time catalão sofreu em 90 minutos a mesma quantidade de gols de todos os nove jogos anteriores na Champions somados.

Mas o time segue sofrendo quando pressionam a saída de bola: "não tínhamos resposta, porque eles não nos deixavam jogar", afirmou Valverde após a partida.

"Se não se pode jogar, é preciso buscar outra solução e não conseguimos", lamentou após o jogo o capitão Andrés Iniesta, que pode ter disputado sua última partida da Liga dos Campões diante da eventual saída para o futebol chinês na próxima temporada.

Na terça, a Roma superou o Barcelona em todas a linhas, deixando evidente o cansaço do clube espanhol na temporada.

Apesar das milionárias contratações de Coutinho, Mina, Dembelé e Paulinho, Valverde fez poucos rodízios e "deu continuidade a um time quase fixo que em três meses e meio disputou 24 jogos", segundo o Mundo Deportivo.

O treinador não hesita em fazer uso intensivo de nomes na casa dos 30 anos, como Piqué, Rakitic e Iniesta.

"Após o fiasco na Champions, chegou a hora de apostar na fome, nas pernas frescas, e não ter medo de deixar titulares do banco de reservas", escreveu Mundo Deportivo.

"Sem personalidade, sem Messi e sem nenhum argumento, o Barça voltou a naufragar no Olímpico contra uma equipe imensamente superior que tirou os torcedores do Barcelona de um pedestal artificial", considerou o diário AS, apontando a 'Messi-dependêcia' como um dos fatores da queda.

O Barça "viveu toda a temporada agarrado em Messi e quando Messi não atuou como um gênio tudo veio abaixo", indicou o diretor adjunto de Sport, Lluís Mascaró, em sua coluna.

Freado pelas faltas e pela boa defesa da Roma, o "10" pouco apareceu no Olímpico para tentar reverter o desastre.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte