Topo

Esporte

Convidado de última hora, japonês Honda aproveita sua última Copa

23/06/2018 15h06

Kazan, Rússia, 23 Jun 2018 (AFP) - Ele não deve a convocação apenas à mudança de última hora do treinador: aos 32 anos, o japonês Keisuke Honda provavelmente disputa sua última Copa do Mundo, competição que sonha em vencer desde criança, quando seu pai lhe mostrou pela primeira vez um vídeo das proezas de Pelé.

"Sinto que esta Copa do Mundo será minha última", admitiu na sexta-feira a ex-estrela do Milan no CT do Japão na Rússia, em Kazan.

"Eu tenho 32 anos e um período de quatro anos é longo. Não posso decidir agora o que acontecerá em quatro anos, então consagro toda minha energia para esta Copa do Mundo", explicou Honda, hoje reserva da seleção japonesa e que disputa a terceira Copa da carreira.

Colocado em campo para os últimos 20 minutos da estreia contra a Colômbia, Honda teve a oportunidade de participar da histórica primeira vitória de um país asiático sobre uma seleção sul-americana em uma Copa.

O jogador do Pachuca, clube da primeira divisão mexicana, confia na experiência para ajudar os companheiros a superar no domingo em Ecaterimburgo o Senegal, que divide a liderança do Grupo H com o Japão.

"Eu sou um jogador experiente, estou confiante e sei o que devemos fazer para a próxima partida contra Senegal", garantiu Honda, autor de 36 gols em 96 jogos pela seleção de seu país.

"E mesmo se perdemos para Senegal, eu sei como evitar a pressão e como nos preparar para a Polônia (jogo seguinte)".

Apesar de ter marcado 7 gols na campanha nas eliminatórias asiáticas do Japão, Keisuke Honda chegou muito perto de não estar na Rússia devido a problemas de relacionamento com o ex-treinador da seleção Vahid Halilhodzic.

- "Teria sido uma vergonha" -Mas a demissão do técnico bósnio em abril -a dois meses do início da Copa da Rússia- ofereceu a Honda uma participação inesperada em sua terceira Copa do Mundo.

"Não tenho arrependimentos", afirmou o polivalente atacante em um documentário exibido em maio no Japão. "Aceitar o estilo de futebol proposto por Halilhodzic no objetivo de ser convocado seria uma vergonha para mim".

As primeiras partidas sob o comando do ex-jogador Akira Nishino, porém, não foram brilhantes: duas derrotas por 2 a 0 para Gana e Suíça.

Mas uma vitória por 4 a 2 sobre o Paraguai no último teste antes da Copa da Rússia deu aos Samurais Azuis um pouco de tranquilidade.

Agora, com a inesperada vitória sobre a Colômbia (2-1) na estreia, os japoneses têm boas chances de passar às oitavas de final, mantendo vivo o sonho de infância de Honda.

"Meu objetivo era ganhar a Copa do Mundo quando eu era criança, porque meu pai tinha me mostrado um vídeo de Pelé na Copa do Mundo", lembrou o atacante do cabelo pintado de loiro. "Desde então fiz disso meu objetivo, estou muito concentrado nisso".

"Eu realmente sou feliz por ser jogador futebol aos 32 anos, eu não quero ter arrependimentos após esta Copa do Mundo".

HONDA MOTOR

Mais Esporte