Topo

Esporte

Fifa abre expediente contra técnico sérvio por declarações políticas

24/06/2018 15h05

Moscou, 24 Jun 2018 (AFP) - A Fifa abriu neste domingo um expediente disciplinar contra o técnico sérvio Mladen Krstajic, que afirmou que o árbitro alemão Felix Brych "deveria ser enviado e julgado em Haia", aludindo ao Tribunal Penal Internacional que cuida de crimes de guerra na extinta Iugoslávia.

"Fomos roubados", declarou Krstajic, muito aborrecido com o árbitro depois da derrota de 2-1 ante a Suíça na sexta-feira pelo Grupo E do Mundial.

"Eu não mostraria a ele um cartão amarelo ou vermelho. Eu o enviaria a Haia. Lá poderia ser julgado, como fizeram com a gente", destacou.

Os sérvios ficaram especialmente aborrecidos porque Felix Brych não marcou um pênalti quando Aleksandar Mitrovic caiu na área em uma jogada dos suíços Stephan Lichtsteiner e Fabian Schaer.

A Fifa também abriu neste domingo outro expediente contra o suíço Stephan Lichtsteiner, por causa da celebração de um gol, e contra o presidente da Federação Sérvia de Futebol, Slavisa Kokeza, por suas declarações polêmicas depois da partida.

A partida entre Suíça e Sérvia (2-1) em Kaliningrado teve um importante tom político.

Na véspera, os jogadores jogadores suíços Granit Xhaka, nascido na Suíça, mas de origem kosovar, e Xherdan Shaqiri, nascido em Kosovo, uma antiga província albanesa majoritariamente sérvia, também foram enquadrados pela Fifa por suas comemorações pró-Kosovo durante a partida Suíça-Sérvia.

Os dois jogadores, que marcaram os gols da vitória, imitaram a águia da bandeira albanesa na partida disputada na sexta-feira, um gesto considerado na Sérvia como um símbolo da "Grande Albânia".

O gesto também é uma referência a uma doutrina nacionalista que visa a reunir todos os albaneses nos Bálcãs dentro do mesmo país.

Kosovo, antiga província da Sérvia, declarou em 2008 sua independência, mas Belgrado ainda se nega a reconhecê-la.

A Fifa proíbe terminantemente mensagens políticas em seus estádios.

Mais Esporte