Esporte

Jéssica 'Bate-Estaca' revela que UFC ofereceu luta pelo cinturão

AP Photo/David Dermer
Imagem: AP Photo/David Dermer

Ag. Fight

02/01/2017 10h00

 

Com duas vitórias contundentes desde que desceu para o peso palha (52 kg) do UFC, Jéssica ‘Bate-Estaca’ Andrade já ocupa a quinta posição do ranking oficial do evento. E, beneficiada pelo domínio da campeã Joanna Jedrzejczyk, que obriga a organização a lhe oferecer novos desafios no octógono, a brasileira garante que está mais perto do que nunca do cinturão, a ponto de já ter recebido até mesmo a oferta para encarar a polonesa.

No entanto, a paranaense de 25 anos tratou de adiar a possibilidade e pedir por ao menos mais um confronto antes de poder ter a sonhada chance, De acordo com o planejamento de sua equipe, ela poderia investir o dinheiro de mais uma vitória em intercâmbios para aprimorar suas deficiências antes de fazer um confronto de tamanha importância.

“O UFC ofereceu para gente duas hipóteses”, afirmou em conversa com a reportagem da Ag. Fight. “Quero muito lutar, preciso de mais uma luta pela parte financeira para poder fazer um bom camp para enfrentar a Joanna. Eles ofereceram: ‘Ou você luta ou espera e já vai direto pelo cinturão em abril’. Mas seria muito complicado fazer uma luta com a campeã sem ter uma boa estrutura. Tenho que estar bem preparada para fazer uma luta dessa. Quero fazer mais uma luta e depois mostrar para todo mundo que estou na categoria certa e que sou capaz de disputar um cinturão”.

Com as cartas abertas para a organização, Jessica pediu, através de seu empresário Tiago Okamura, uma luta no final de janeiro, o que lhe daria, em caso de vitória, tempo e dinheiro suficientes para planejar com calma uma disputa com Joanna em abril.

“A Joanna acabou de lutar, está se recuperando. Ach que ela quebrou o nariz. Acho que abril seria uma boa marca para lutar pelo cinturão se eu lutasse em janeiro. Seria ótimo”, afirmou antes de analisar a relação entre ela e a ‘ex-amiga’.

Por anos, tanto Jéssica quando Joanna trabalhavam com o mesmo empresário, o que garantia vínculo amistoso o suficiente para que, em certas ocasiões, elas treinassem juntas. Relação esta que desde a troca de equipe da polonesa mudou de figura.

“Quando entrei na categoria dela, no 52 kg, acho que fiz uma luta e ela já trocou de empresário e equipe. O vínculo que a gente tinha já não vinha muito bem. Ela por saber que eu ia mudar de categoria, por já treinado comigo e dizer que eu era muito forte, ficou meio que com o pé atrás. Não acho que foi por isso que ela trocou de empresário e equipe, hoje eu vejo ela como oponente. Mas repudio o que ela fez. Você não pode largar a equipe, eles são a nossa família. Não importa o que ela fale, vou tratar com respeito. Mas na hora lá eu acho que vou querer matar ela e acabou ”, finalizou.

Com 15 vitórias e apenas cinco derrotas como profissional de MMA, a baixinha de apenas 1,57m de altura costumava competir na mesma divisão de Amanda Nunes, com limite de até 61 kg. Com a reeducação alimentar, agora Jéssica baixou de peso e compete com limite de 52 kg, onde sobra no quesito força e não tem mais o incômodo de ser a menor das atletas e, portanto, sofrer com a envergadura das oponentes.

Quer receber notícias do MMA de graça pelo Facebook Messenger? Clique AQUI e siga as instruções.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte

Topo