Topo

Esporte

Após caminho inverso rumo ao UFC, brasileiro sonha em voltar aos EUA

Acervo Pessoal
Marcel Fortuna estreia no UFC no próximo sábado Imagem: Acervo Pessoal

Ag. Fight

01/02/2017 07h00

 

Caminho inverso deve ser a melhor forma de descrever como a carreira de Marcel Fortuna se desenhou no MMA. Se ainda em 2011 o catarinense se mudou para os EUA em busca de novos ares e melhores condições de treinamento, foi no final de 2016, pouco depois de retornar ao Brasil, e já com o cartel de oito vitórias e apenas uma derrota no octógono, que ele assinou com o UFC.

Prestes a estrear na organização, o atleta, também conhecido como "Mãozinha", deixou os EUA de volta ao Brasil com sua esposa e filho de dois anos, ambos americanos, quando se desentendeu com o dono da academia em que dava aulas. Seis meses após custear seus treinos e contas da casa sem a renda extra, ele decidiu que voltar à cidade natal seria mais seguro financeiramente.

“Voltei para o Brasil. Eu treinava e dava aula nos EUA. Parei de dar aulas quando tive um problema com o dono da academia e não tinha como me manter mais, não tinha chegado ao UFC, não tinha mais condições. Em 2015, parei de dar de aula e fiquei meio ano, aí voltei de vez. Até porque a família da minha esposa se mudou de estado”, disse, em conversa com a Ag. Fight.

Curiosamente, ao retornar ao país o catarinense foi sondado pelo empresário Lucas Lutkus, com quem rapidamente iniciou as conversas com o UFC que culminaram com o seu acerto já para o card deste sábado (4), quando encara Anthony Hamilton. No entanto, não faltaram tentativas do atleta em fazer parte da organização.

“Eu apliquei para o TUF no Brasil em 2013 mas não deu certo. Aí no meio do ano passado eu voltei para o Brasil. E foi aí que surgiu a oportunidade de assinar com o UFC. Eu fui buscar eles e não me deram, quando eu voltei para casa eles ofereceram . A gente vem trabalhando a vida inteira para chegar lá. Então estou muito feliz de ter essa oportunidade de mostrar o meu trabalho. Apesar de ter recebido a notícia de última hora – faltando apenas duas semanas -, acredito que preciso usar o meu jiu-jitsu e ir para dentro”, narrou.

No momento, sem tempo sequer para planejar seu camp, Fortuna treinava apenas realizava os exercícios de rotina quando foi convocado para compor o card da cidade do Texas (EUA). Mas com otimismo que o acompanha em sua carreira como lutador, retornar aos EUA já se torna uma meta a médio prazo.

“Minha mulher não fala, ela está se adaptando. Vai conhecendo e aprendendo. Não tinha treino de MMA em Tubarão, vinha fazendo a manutenção e cheguei a visitar o time do Brigadeiro, em Balneário Camboriú, onde eu treinaria, mas não deu tempo pois já surgiu a oportunidade. Dependendo de como forem as coisas, talvez que volte para os EUA depois de fazer minha segunda luta. Moraria de novo na Califórnia, talvez em Los Angeles”, finalizou.

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte