Esporte

Sozinho e pensativo: como foi a volta de Vitor Belfort para casa

Martin Rickett / PA via AP
Imagem: Martin Rickett / PA via AP

Ag. Fight

13/03/2017 09h00

 

Neste exato momento, Vitor Belfort já deve estar no conforto de sua casa e amparado pelo carinho de sua esposa Joana e dos filhos Davi, Vitória e Kyara. E era exatamente isso o que mais queria o ‘Fenômeno’ após ter sido derrotado por Kelvin Gastelum na luta principal do UFC Fortaleza, na madrugada desse domingo (13), em duelo que marcou possivelmente a penúltima luta da carreira de um dos lutadores de MMA mais reconhecidos mundialmente. A reportagem da Ag. Fight pegou o mesmo voo que o ex-campeão do Ultimate na volta da capital cearense e ficou exatamente no assento ao lado do carioca por pouco mais de 3h.

Antes de se acomodar em sua poltrona, a segunda depois de onde ficam as saídas de emergência da aeronave, Vitor esteve na cabine do piloto. “Ele disse que era meu fã, pediu para bater uma foto comigo e mostrar algumas coisas dali”, explicou. No rosto, um curativo na altura do supercílio esquerdo e o olho levemente inchado são marcas do nocaute que culminou na sua terceira derrota seguida dentro do Ultimate.

Sozinho, Belfort garantiu que o planejamento já era deixar a cidade onde aconteceu a luta logo no dia seguinte para ver a família. A saudade dos filhos e da esposa estava grande demais por conta dos cerca de dois meses de preparação intensa para o combate. “É triste. Meus filhos tinham certeza … Eu treinei tanto. Eu estava tão bem. Essa luta escorregou das minhas mãos”, lamentou. Morando na Flórida, nos Estados Unidos, Vitor teve que deixar o Nordeste para ir a São Paulo, de onde partiu o seu voo para Miami: “Isso é uma loucura”, comentou sobre o caminho torto que estava fazendo.

A conversa com Belfort começou ainda no corredor do avião. Assim que avistado, o atleta já passou a falar da luta e mostrar toda a sua chateação com o revés em casa. Termos como “bipolaridade ao lutar” e constatações de que sua carreira realmente está chegando ao fim foram recorrentes durante o bate-papo. A única chance de o Fenômeno não abandonar o octógono seria com a criação daquilo que ele defende e chama de ‘Liga das Lendas’, que reuniria atletas já aposentados ou com idades avançadas e próximos da aposentadoria.

“O esporte ficou muito físico. Esses jovens estão vindo com tudo. Quando você vai ficando mais velho, pode continuar na ativa, mas com algumas restrições, tirando o cotovelo, tirando o joelho, enfim…”, explicava o lutador quando foi interrompido para que um sanduíche de peito de peru e queijo branco fosse servido. O pedido de bebida foi para uma “Coca com muito gelo e água”.

Belfort não saiu do seu lugar durante toda a duração do voo. Assuntos como Donald Trump, torcidas organizadas, jornalismo e até mesmo uma suposta ligação entre PT e Farc também foram tratados por cima. Quando terminou seu sanduíche, Vitor chamou a comissária de bordo e pediu mais um. “Pô, está gostoso isso. Quer mais um também?”, perguntou.

Assim que o avião pousou, Belfort ignorou o aviso para esperar a aeronave parar completamente e rapidamente ligou o celular. A primeira mensagem era de Joana. Provavelmente ela queria dar e ter novidades do marido, mas o repórter já havia sido indelicado demais para também querer saber mais sobre esse assunto…

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte

Topo