Esporte

Vitor Belfort pede por mudança nas regras: "Não podemos ser um esporte sangrento"

Ag. Fight

01/06/2017 13h50

Vitor Belfort encara Nate Marquardt neste sábado – Marcel Alcântara

Vitor Belfort já não pensa mais em aposentadoria. Depois de uma suposta confusão contratual que garantiu ao ‘Fenômeno’ ao menos mais uma luta no octógono, o atleta de 40 anos chega ao card do UFC 212, evento programado para este sábado (3), com a missão de reverter a má fase diante do também veterano Nate Marquardt. E mesmo com a importância do duelo, o carioca garante pensar sempre adiante.

Não escondendo seu desejo de seguir trabalhando na organização mesmo depois de aposentado do cages, Belfort voltou a enfatizar o seu lado empresarial. Afinal, de acordo com seu discurso durante conversa com jornalistas na cidade do Rio de Janeiro, o veterano seria capaz de unir experiência como lutador e visão empresarial, o que o possibilitaria a propor mudanças capazes de melhorar a imagem do MMA.

“Quem não muda de ideia, não cresce. Tenho todas as regras anotadas, conversei com vários médicos. São várias adaptações. Hoje você pode bater o lutador de cara no octógono, isso não deveria existir. Ou aquele pisão que o Jon Jones gosta de dar no joelho. Outro exemplo: eu não sou a favor do cotovelo. Isso abre cortes. Qual esporte você continua mesmo sangrando? Apenas o MMA. Acredito que no futuro teremos muitas mudanças.Até porque se quisermos patrocinadores, não podemos ser o esportes sangrento”, analisou durante o Media Day nesta quinta-feira (1º).

Tais mudanças, claro, gerariam controvérsias e polêmicas. No entanto, alterar as regras, na visão do atleta, faria sentido apenas se ex-lutadores fossem ouvidos, o que não aconteceu na formulação das normas atuais, o que garante a contestação pública de Belfort.

“Quem faz as regras? Deveriam ser atletas. Nós fizemos esse esporte, não foi nenhum empresário. Mas as estrelas foram os lutadores, eles precisam ser incluídos nas discussões de regras. Tenho muitas ideias anotadas, tenho que sentar e debater, ver o que e viável. É tudo muito simples, é necessário que alguém possa ir lá e debater junto. Esse caminho e é onde eu entro. Quem cria as regras? Não adianta criar algo sem saber o que seja. Não vou criar regra de surf ou de futebol americano”, garantiu, antes de voltar a bater em um assunto que se tornou sua mais nova marca.

Aos 40 anos, dono de uma carreira invejável mas longe do auge de sua forma, Belfort aponta para a ‘Liga das Lendas’ (uma espécie de divisão master) como saída para atletas que, assim como ele, ainda sonham em competir, mas não estão aptos para acompanhar o ritmo da nova geração.

“Vi que o Matt Hughes e o Chuck Liddell querem voltar a lutar. O importante é a segurança. Tem que criar algo para proteger a saúde, adaptar regras para poder ter grandes combates. Quando eu acredito em alguma coisa… Era como o MMA das mulheres. O Dana White era contra e hoje apoia. Conheço muito essa organização e eles estão pensando em crescer e os fãs querem isso”, finalizou.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte

Topo