Topo

MMA

Diretor de Comissão defende árbitro de May-Mac: "Saúde foi prioridade"

Getty Images
Conor McGregor critou a arbitragem da luta contra Mayweather Imagem: Getty Images

Ag. Fight

Ag. Fight

02/10/2017 11h42

A superluta de boxe pode ter acontecido no último dia 26 de agosto, mas ainda tem gerado comentários. Depois do campeão dos leves (70 kg) do UFC, Conor McGregor, ter criticado a arbitragem do confronto, foi a vez da Comissão Atlética de Nevada (NAC) comentar a atuação do juiz Robert Byrd. Nesse evento, Floyd Mayweather terminou a luta com um nocaute técnico em cima do irlandês no décimo round.

O 'Notorious' afirmou que começou a pensar sobre o resultado de 'May-Mac' depois da polêmica do confronto entre 'Canelo' Álvarez e 'GGG', no último dia 16 de setembro. Em entrevista para o site 'MMA Fighting', o diretor executivo da NAC, Bob Benett, defendeu a paralisação e disse que o nocaute foi declarado no momento certo.

"Tudo que posso dizer é que fizemos o nosso trabalho. É para isso que somos pagos e foi isso o que fizemos. Eu achei muito decepcionante que Conor tenha feito comentários depreciativos sobre a luta ter sido paralisada muito cedo, quando na verdade o timing do árbitro Robert Byrd foi impecável. Nós nos preocupamos com a saúde dele e sua segurança", comentou Benett.

Benett se mostrou empolgado com o resultado final da superluta, independentemente de quem tenha saído com a vitória. O dirigente assegurou que a principal missão do seu órgão era ter a certeza de que os envolvidos no evento deixassem o local em perfeita saúde.

"Fizemos tudo que estava ao nosso alcance para garantir o nível da luta. Eu acho que foi um confronto muito emocionante. Os fãs adoraram. A saúde e segurança do atleta sempre foi prioridade, desde o início da luta", garantiu o diretor executivo da NAC.

Com cifras milionárias, onde cada atleta embolsou algumas centenas de dólares, a bilheteria do confronto registrou uma receita de 55,5 milhões de dólares (cerca de R$ 177 milhões à época).

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!