MMA

Lutador brasileiro de MMA relata pânico durante ataque em Las Vegas

Tobias Bunnenberg
Imagem: Tobias Bunnenberg

Marcel Alcântara, em São Paulo (SP)

Ag. Fight

02/10/2017 17h38

"Parecia que eu estava dentro de um filme". Foi assim que Gabriel Checco, lutador de MMA que trabalhava em um bar durante o festival de música country em Las Vegas (EUA), relatou os momentos de pânico e pavor que aconteceram na madrugada desta segunda-feira (2).

O atleta conversou a Ag. Fight por meio de mensagem de voz no celular e deu detalhes do que viu sobre o ataque organizado por um homem identificado como Stephen Craig Paddock, de 64 anos, que disparou contra milhares de pessoas que assistiam ao festival de música na região próxima ao aeroporto da cidade. Ainda parecendo incrédulo com tudo o que viveu, Checco relatou como foi complicado assimilar a situação.

"Tinha muita gente no chão, estava um caos. Gente correndo com tiro no pé ou na perna. Não sabíamos se tinha terrorista ainda por lá, se era terrorismo mesmo. Foi terrível. Parecia que eu estava dentro de um filme. Coisa que nunca pensei em passar na vida. Chocante", relembrou o lutador de 31 anos.

Checco estava trabalhando em um dos bares do festival, mas justamente no momento do ataque havia deixado o seu local, teoricamente mais seguro, para reabastecer o estabelecimento. A princípio, o brasileiro acreditou que estava acontecendo algum show pirotécnico e, assim como muitos, demorou a notar que os barulhos ouvidos eram de disparo de arma de fogo.

"Estava trabalhando de ajudante de um dos bares, bem do lado do palco. Uns dez minutos antes de acontecer eu tinha saído do meu bar para procurar bebida alcoólica nos outros bares porque o meu bar estava sem. Estava com as bebidas na mão, no meio da multidão, quando ouvi os primeiros tiros. Achei que eram fogos, mas olhei para o céu e não vi nada. Achei estranho. Achei que fosse começar algum show, porque era o maior artista . Continuei andando porque nos primeiros tiros todo mundo meio que ficou sem saber o que era. Estava quase chegando perto do meu bar quando todos começaram a correr. Foi aí que percebi que eram tiros", relembrou.

"Fui saber que era um atirador de dentro do Mandalay Bay apenas hoje de manhã. Achei que era terrorista e troca de tiros com a polícia. Saí correndo, mas não queria. Queria ajudar as pessoas que eu vi sendo pisoteadas, algumas mulheres, senhoras. Imagina aquela quantidade de pessoas correndo. Levantei muita mulher que tinha caído e ajudei, mas quando começou a vir a multidão mesmo tentei ir para a área VIP para pegar meus pertences. Passei a ouvir mais tiros e cada vez pareciam mais próximos. Desisti da minha carteira, larguei o meu carro e pensei apenas em salvar a minha vida. Pulei as grades e tudo o que podia. Eu e milhares de pessoas. Vi gente sangrando, gente com mão machucada de subir nas grades, gente que levou tiro. Tudo o que você possa imaginar", continuou Gabriel.

Checco também relembrou um dos momentos mais tristes de toda aquela noite, quando viu um colega de trabalho carregando uma mulher que havia acabado de ser atingida por um dos disparos e aparentava já estar completamente inconsciente.

"Vi o cara que estava trabalhando comigo levar no colo uma mulher que tinha levado um tiro na cabeça. Com certeza ela já estava morta naquele momento. Vi que não tinha como tentar ficar ali para tentar ajudar pessoas que já poderiam estar mortas. Comecei a avisar as pessoas para correr. Não parar de correr. Não era um público jovem, porque era um festival country. Acho que tinha muita gente de 30 anos para cima. E mulher de 40 anos não corre tanto. Vi muita gente ficando para trás. Foi terrível", relatou.

Sem saber para onde correr e do que se esconder exatamente, quando Gabriel Checco se viu um pouco mais distante do local também conseguiu ter maior dimensão do tamanho da tragédia. Segundo seu relato, a quantidade de feridos era tão grande que nem mesmo as várias ambulâncias presentes estavam comportando a situação de calamidade.

"Teve boato de gente armado em alguns lugares, então tinha muitos policiais no local. Muitas caminhonetes com corpos. Lembro que vi uma caminhonete branca que tinha pelo menos umas 15 pessoas uma em cima da outra. Não sei quantas mortas, mas a maioria com tiro. Depois fui para o estacionamento dos helicópteros particulares e tinha um monte de ambulância que não conseguia nem dar conta de tanta gente ferida", encerrou.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Ag. Fight
Redação
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Na Grade do MMA
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Redação
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Na Grade do MMA
Ag. Fight
Ag. Fight
Redação
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Topo