Esporte

Emocionado após derrota, Kevin Lee pede a abertura de nova categoria no UFC

Ag. Fight

08/10/2017 14h04

Tony Ferguson finalizou Kevin Lee no UFC 216 – evento que aconteceu no último sábado (7), em Las Vegas (EUA) – e se tornou o campeão interino da divisão peso-leve (70 kg). Essa derrota abalou o americano, que se emocionou durante a entrevista coletiva do evento e mal conseguiu responder as perguntas feitas pelos jornalistas presentes. O atleta não digeriu bem o resultado negativo e afirmou que estava “muito devastado”.

Durante a preparação para esse combate, Lee teve dificuldades para atingir o peso limite da categoria, que ficou comprovado quando a balança oficial revelou que o lutador estava com um pound (equivalente a 453 gramas) a mais na primeira pesagem, na véspera do evento. O atleta voltou para os bastidores do evento e teve uma hora para conseguir perder o peso extra. Por isso, o americano ressaltou que o UFC precisa de uma nova divisão: com o limite de 165 pounds (74,84 kg).

“Eu acho que está na hora de uma divisão de 165 pounds, tem muitos caras entre 155 (70,3 kg) e 170 (77,11 kg), eu acho que eles querem lutar com 165. Como você pôde ver, eu estava uns quatro quilos maior que Tony Ferguson, por isso eu acho que está mais do que na hora de criar uma nova categoria”, pediu o atleta.

“Eu sinto que a perda de peso foi decisiva para mim e a infecção também não me ajudou, estou lidando com isso durante uma semana. O que não fez a perda de peso se tornar mais fácil. Estou sentado aqui agora com cerca de 83 kg, o que é um pouco demais para essa categoria. Eu estou nessa divisão desde que eu comecei no MMA, mas está na hora de eu subir e ficar maior e mais forte”.

Sobre a sua performance no octógono, o americano começou muito agressivo no primeiro round e teve chances do nocaute. Contudo, a partir do segundo assalto, Ferguson mostrou mais foco e disposição e chegou a abaixar a guarda para provocar o adversário, que não conseguia conectar os seus golpes. Na terceira etapa, Lee aparentava cansaço no cage e, mesmo levando a luta para o chão, estava em desvantagem e recebia fortes cotoveladas e joelhadas. O ‘El Cucuy’ aplicou um triângulo no minuto final do round e conquistou o cinturão interino dos leves.

“A chave de braço não foi um problema muito grande. A questão é que eu subestimei o trabalho dele, foram as cotoveladas que acabaram comigo. Olhe para o meu rosto. Eu não acreditei no que ele poderia fazer desde o início, mas ele fez um excelente trabalho”, explicou Lee emocionado.

“Você pode falar o que quiser, mas Tony Ferguson foi melhor que eu. Eu subestimei o que ele poderia fazer e eu paguei por isso. Ele foi melhor e me pegou. Me pegou com as cotoveladas quando ele estava por baixo e me pegou com o triângulo”.

Além da luta pelo título da divisão peso-leve, a edição número 216 do show contou com Demetrious Johnson se tornando o maior campeão da história do UFC, com 11 defesas de cinturão bem-sucedidas, pela categoria peso-mosca (57 kg). No card principal do evento, Fabrício Werdum aceitou enfrentar Walt Harris, de última hora, e finalizou o americano em 65 segundos. Já no card preliminar, estreante na organização, a brasileira Poliana Botelho, venceu por decisão unânime dos juízes laterais. 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte

Topo