MMA

Prestes a enfrentar Dodson no UFC, Marlon Moraes solta: "Não vim a passeio"

Ed Mulholland/Getty Images
Marlon Moraes aniquilou adversários no World Series of Fighting Imagem: Ed Mulholland/Getty Images

Diego Ribas, em Las Vegas (EUA)

Ag. Fight

11/11/2017 08h00

Contratado pelo Ultimate este ano, Marlon Moraes chegou na maior companhia de MMA do mundo já dono de um importante status. Ex-campeão do WSOF, o brasileiro enfrentou o compatriota Raphael Assunção - atual quarto colocado no ranking dos pesos-galos (61 kg) - logo na sua estreia e sofreu a primeira derrota em mais de cinco anos. Agora, pouco mais de cinco meses depois, o atleta estará de volta no octógono para mais um grande desafio - o que se alinha exatamente com o seu objetivo.

Em conversa com a reportagem da Ag. Fight, Marlon deixou claro que sempre mirou enfrentar os melhores atletas da divisão e que nunca cogitou um combate teoricamente mais fácil. Na opinião do brasileiro, estar no UFC mas não brigar entre os tops da categoria torna a sua passagem pelo Ultimate insignificante.

"Essa foi uma opção minha também, eu vim para o UFC para bater nas cabeças, para lutar pelo cinturão. Não vim para o UFC a passeio, para dizer que estou no UFC. Se não for para lutar pelo título e estar brigando lá em cima, prefiro nem estar no UFC. É o meu sonho estar aqui, mas estou para lutar contra os melhores. Não vou escolher adversário e o Dodson é um cara que está nas cabeças", declarou.

Prestes e enfrentar um atleta que está na 8ª posição no ranking e que já disputou o cinturão dos pesos-moscas (57 kg), Marlon sabe que terá uma parada dura pela frente. Contudo, o brasileiro está confiante de que poderá impedir os precisos contragolpes do americano.

"Eu sou um atleta da trocação, que também gosta de usar o jiu-jistu nas lutas. O Dodson é um cara que tem as mãos muito pesadas e que gosta de se movimentar, usa contragolpes explosivos. É um atleta muito perigoso. Mas, acredito que o meu jogo case bem com o dele. Ele gosta de contragolpear e eu tenho armas para responder as ações que ele tentar", analisou.

Nitidamente maior fisicamente que Dodson, Marlon acredita que esse fator pode contar a seu favor. Mas, mesmo assim, o brasileiro sabe que precisa impor o seu ritmo no para sair com um bom resultado no combate.

"Acho que alguns pontos podem pesar a meu favor. Sou um pouco grande para a categoria, mas o Dodson é um cara rápido. Então, tenho que impor meu jogo para usar minhas armas a meu favor", apontou.

Antes de perder para Assunção em sua estreia no Ultimate, Marlon acumulou uma incrível sequência de 13 vitórias consecutivas. Aos 29 anos de idade, o brasileiro coleciona na carreira um cartel com 18 triunfos, cinco reveses e um empate.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Redação
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Redação
Ag. Fight
Redação
Redação
Redação
Redação
Topo