Topo

MMA

Cris Cyborg muda o tom e ataca Amanda Nunes: "Não vende pay-per-view"

Jeff Bottari/Zuffa LLC Getty Images
Cris Cyborg acerta Holly Holm no UFC 219 Imagem: Jeff Bottari/Zuffa LLC Getty Images

Ag. Fight

06/01/2018 08h00

 

Cris 'Cyborg' fortaleceu o seu posto como uma das maiores lutadoras do mundo ao derrotar Holly Holm por decisão unânime dos juízes laterais no UFC 219, evento realizado no último dia 30 de dezembro, em Las Vegas (EUA). Antes da disputa acontecer, no entanto, a brasileira foi desafiada pela campeã da divisão peso-galo (61 kg) para uma superluta. E apesar de não querer enfrentar outras atletas do seu país, a dona do cinturão do peso-pena (66 kg) garantiu que sabe o porquê do repentino interesse de Amanda Nunes nesse combate.

Em entrevista ao site "TMZ Sports", Cyborg provocou Amanda ao dizer que a campeã do peso-galo não vende pay-per-view. Por isso, caso as brasileiras se enfrentassem, seria um momento de destaque para a 'Leoa'. Apesar do ataque, a dona do cinturão da categoria peso-pena reforçou que não tem interesse em lutar com alguém que defende o mesmo país que ela e que pretende manter a fila de mulheres que merecem disputar o título da sua divisão.

"É claro que ela quer lutar comigo, ela não vende pay-per-view. Posso lutar com ela, mas quero investir em lutas com garotas do peso-pena. Garotas que estão na fila para disputar o título de 66 kg. Para lutar com ela, eu pararia a fila por um tempo e lutar com ela não é uma prioridade para mim. Minha prioridade são as garotas de 66 kg. Talvez ela queira investir nessa divisão e fazer uma luta como peso-pena. Se ela fizesse isso e depois lutasse comigo, seria ótimo. Tem muitas pessoas na fila para disputarem o cinturão do peso-pena. E lutar como peso-galo, eu não quero. Não quero mudar de categoria", provocou a campeã das penas.

Depois de sua luta no último evento do ano, a brasileira garantiu que Amanda não seria uma adversária tão dura quanto Holm. Mesmo sem interesse de encarar a Leoa no octógono, Cyborg assegurou que conseguiria derrotar sua conterrânea. E de acordo com a própria, essa disputa acontecerá na hora certa.

"Seria uma grande luta no Brasil, com certeza. Sempre digo que não quero lutar com outras brasileiras, mas ela me desafiou. Ela que quer lutar comigo. Eu quer bater nela, quero chutar o traseiro dela. Mas preciso focar na minha divisão, vou focar no peso-pena, por agora. Quando a hora chegar, vou bater nela", atacou a brasileira.

Desde que se tornou profissional em 2005, a campeã do peso-pena foi derrotada apenas uma vez em sua carreira, logo na sua luta de estreia. Desde então a curitibana acumulou triunfos e títulos. Das suas 19 vitórias, Cyborg venceu em 16 oportunidades por nocaute.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!