Topo

MMA

Punido pela Comissão Atlética, Jon Jones aguarda julgamento da USADA

Sean M. Haffey/Getty Images
Imagem: Sean M. Haffey/Getty Images

Ag. Fight

01/03/2018 06h00

O julgamento da Comissão Atlética da Califórnia do caso de doping que envolve Jon Jones aconteceu na última terça-feira (27). E devido à reincidência do lutador, ele poderia ser suspenso por até quatro anos, mas os comissários responsáveis pelo caso decidiram que Jones deveria pagar uma multa de 205 mil dólares (cerca de R$ 670 mil) - que corresponde a 40% da bolsa recebida pelo atleta mais um adicional de 5 mil dólares -, além de revogarem sua licença. Para o diretor executivo da Comissão, a punição do ex-campeão dos meio-pesados (93 kg) não poderia ter sido diferente.

Com a licença revogada, Jones deverá se submeter mais uma vez à análise da Comissão Atlética da Califórnia para reivindicar os seus direitos de lutador. Mas, para Andy Foster, o atleta não deve receber a sua licença de volta até ser julgado pela USADA (agência de antidopagem americana) - o que ainda não tem data para acontecer. Em entrevista ao site 'MMA Fighting', o diretor explicou que todo o caso de doping não fazia sentido e, baseando-se nos fatos apresentados, é improvável que Jones tenha usado esteroides propositalmente.

"Ele pode se candidatar para recuperar sua licença. Não irei apoiar e eles vão me perguntar, os outros comissários, vão perguntar qual a minha recomendação. Acho que ele precisa passar pelo julgamento da USADA primeiro. Vamos ver o que a USADA vai decidir. Acho que tentei deixar claro que não acho que isso é uma tentativa de acabar com a carreira dele. Espero que algo razoável saia disso tudo", opinou o diretor.

"Não faz sentido. Ele passou em todos os exames surpresas, exames fora do período de competição, mas falhou justamente no que ele sabia que faria? Isso não faz sentido. Ainda mais com uma droga que é facilmente detectada. Muitas coisas não fazem sentido nesse caso. Mas não posso lidar com isso, só posso lidar com os fatos que estão na minha frente".

Com esta punição, o americano fica impossibilitado de atuar no estado da Califórnia, mas é possível que outras Comissões sigam com a revogação da licença de lutador. Foster analisou que essa é uma maneira de obrigar Jones a se tornar mais responsável e mudar suas atitudes, já que precisará se reapresentar ao júri e ser capaz de provar que é uma nova pessoa.

"Precisávamos mandar uma nova mensagem para ele dessa vez. Se o suspendêssemos, ele teria a licença de volta no futuro. Se revogamos a licença, ele terá que voltar à Comissão e pedir para tê-la de volta, mostrar que ele fez algumas coisas. Ele é um ícone no esporte, talvez ele seja o melhor lutador de MMA que já viveu. Ele precisa entender que é preciso responsabilidade para ter uma licença", ponderou o membro da Comissão.

Depois do julgamento, Jones usou a sua conta no Twitter para agradecer à Comissão Atlética da Califórnia e a Andy Foster por terem acreditado em seu depoimento. No entanto, esse não é o fim do 'caso Jon Jones'. O lutador deve esperar pelo julgamento da USADA que pode aplicar uma pena mais severa no ex-campeão do UFC.